Auê: entre teatro, música, dança e circo

Com 21 canções inéditas autorais, espetáculo de Duda Maia traz a originalidade de um musical à brasileira, com lastro na arte popular nordestina

161129_aue

Com 21 canções inéditas autorais, espetáculo de Duda Maia traz a originalidade de um musical à brasileira, que rompe fronteiras entre expressões artísticas mas mantém lastro na arte popular nordestina

Por Wagner Correa de Araujo | Imagem: Silvana Marques

__

Teatro FAAP

Rua Alagoas 903, Higienópolis, São Paulo, fone (11)3662.7233

Duração: 90 min. Classificação: 12 anos

Em cartaz até 18 de dezembro

__

Navegando em outros mares, descobertos entre as viagens de “Gonzagão – A Lenda” e “Ópera do Malandro”, a Cia. Barca dos Corações Partidos abre sua arca de sonhos musicais na surpresa teatral / coreográfica de AUÊ.

Com vinte e uma canções inéditas autorais, sete atores/cantores/bailarinos provam que ainda há instantes de inusitado presságio pela redescoberta da originalidade de um musical à brasileira.

E que falar de amores à moda antiga, daqueles de “corações partidos”, extravasados entre evocações líricas e repiques bem humorados, é capaz, sim, de provocar incêndios na ocupação dramatúrgica. Ou de arrastar espectadores para viagens pelos espaços siderais da mente.

Quando uma emoção estética, de carisma e empatia, é direcionada numa arrojada proposta cênica. De trajetória sem fronteiras – música / teatro / dança / performance / circo/, no imanente lastro da arte popular nordestina.

Mérito de um elenco no seu alcance dos contornos artísticos possibilitados por um inspirado repertório de canções próprias (Adren Alves, Alfredo Del-Penho, Beto Lemos, Fábio Henriquez, Eduardo Rios, Renato Luciano, Ricca Barros, mais o músico convidado, Rick de La Torre).

Na envolvência extrovertida de um cancioneiro de serestas, maracatus, baião, cocos, sambas e rocks regionalizados.

Enérgico, tanto no domínio das nuances diferenciais de vozes masculinas (com direito até a brincadeiras com tessituras operísticas), como na visível unidade interpretativa. De instintiva musicalidade, sob um dúplice comando sonoro/arranjos (Alfredo Del Penho/Beto Lemos).

Além do manejo artesanal da diversidade de instrumentos (sopros, percussão e cordas), investindo em posturas reveladoras, a partir de uma intrépida gestualidade coreográfica. Capaz, no seu singular manuseio, de abrir novas perspectivas formais para nossos palcos musicais.

Há que se mencionar, também, a funcionalidade da iluminação (Renato Machado), de contrastes entre claridades e cores. E figurinos, em tecidos de transparente leveza, irradiantes na espontaneidade da performance no referencial circense de uma arena/picadeiro (Kika Lopes).

Num espetáculo de tantos acertos, ao belo desempenho coletivo, há de se juntar a força impulsionadora deste intensivo fluir de atitudes criadoras, a concepção mor de Duda Maia. Que, na sua competência diretora, soube favorecer a liberdade da representação, em favor de uma invenção cênica, surpreendente pela sua luminosidade, exponencial pelo que traz de novo.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Um comentario para "Auê: entre teatro, música, dança e circo"

  1. Claudio de Mendonça Ribeiro disse:

    Prezados companheiros,
    E quem teve esta excelente idéia? Quem esteve por detrás dos bastidores? Quem ralou para colocar em cena? Quem a produziu?
    Faltaram estas informações.
    Cordialmente,
    Claudio Ribeiro – Casimiro de Abreu, RJ.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *