As vozes abertas da América Latina

liberdade-de-expressao

Nossa série sobre mudanças nas comunicações na região prossegue e sugere: a despeito das características nacionais, tentativas democratizantes têm história e tendências comuns

Por Cibelih Hespanhol


Leia também, na mesma série:

Esperamos que o Congresso ouça o clamor das ruas”
O que pode mudar com o projeto de lei da mídia democrática e o que ele tem a ver com as mobilizações de junho
Os donos da voz
Inscrita na Constituição, democratização da mídia é ignorada por emissoras e políticos. Tornou-se um dos pilares da concentração de riqueza e poder no país
Mídia na Argentina: lei democratiza, mas Grupo Clarín quer barrá-la
Como a Ley de Medios restringe a concentração de poder midiático e qual a tática do maior grupo local para anulá-la na Justiça

Que tempos são esses
em que temos de devender o óbvio?”
Bertolt Brecht

Por muito tempo, as veias abertas dos países latino-americanos permitiram a presença de corporações que exerceram a atividade de comunicação em grande escala, e sem empecilhos. No Brasil, a Rede Globo responde por 56% da audiência da TV aberta; na Argentina, o Grupo Clarín controla 41% do mesmo setor.

Os regimes militares vividos pelos países latino-americanos serviram para pôr este assunto no limbo, e a tendência neoliberal dominante nos anos 1980 e 1990 caracterizou a comunicação como questão comercial, e não direito humano.

Hoje, a eleição de governos “mais ou menos de esquerda” aponta para crescente participação popular, em um assunto até então protagonizado apenas pelo Estado e pelas empresas. A Ley de Medios argentina foi debatida em reuniões com líderes sindicais e estudantis. Mujica, no Uruguai, aprovou novas outorgas de TV digital a partir de assembleia aberta e transparente. No Brasil, a lei que pede a democratização é de iniciativa popular.

Pouco a pouco vamos, como população, compreendendo que a comunicação é um direito social que deve ser garantido pelo Estado. A rejeição à ideia de “intervenção estatal” começa a dar lugar à consciência de que é necessário regulamentar a atividade das corporações. O que se defende nestas lutas que se rompem pelo território latino, não é a estatização da comunicação ou a tirania arbitrária do governo, mas a recuperação da ideia mínima de democracia: a atuação das instituições sociais para garantir os direitos humanos, como por exemplo o direito (há tempos perdido) de se ver representado na tevê.

TEXTO-FIM

2 ideias sobre “As vozes abertas da América Latina

  1. Pingback: Argentina: democratização da mídia esbarra no Clarín | Blog coletivo Outras Palavras

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>