Extrema direita, fenômeno global

Que une a ascensão de Jair Bolsonaro com a ameaça do neo-fascismo em outros países ocidentais. Como o caso brasileiro pode servir de alerta e ensinar.

Por Glenn Greenwald, no Intercept Brasil

Ao obter uma expressiva vitória por mais de 10 pontos de diferença, o autoritário de direita Jair Bolsonaro tornou-se, disparado, o líder mais extremista do mundo democrático. Ainda que algumas das dinâmicas por trás da sua vitória sejam exclusivas ao Brasil, há também muitos paralelos com as correntes políticas que vêm predominando na América do Norte, Europa Oriental e, cada vez mais, na Europa Ocidental.

Para entender os sentimentos que levaram a vitória de Bolsonaro, é fundamental que o establishment político brasileiro reconheça e conserte as sérias falhas que permitiram a ascensão do extremismo. E é crucial que todos nós compreendamos quais táticas funcionam e quais não funcionam quando se está diante desse tipo de autoritarismo e repressão.

Nesse sentido, eu exploro, no vídeo acima de 7 minutos, como a ascensão do movimento Bolsonaro no Brasil se encaixa nas correntes políticas que estão em voga no mundo democrático, e quais são as lições cruciais que podem ser tiradas desses países.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Um comentario para "Extrema direita, fenômeno global"

  1. BRASIL PÓS
    Escrevo desde a posição pós-capitalista, pós-socialista e pós-sacral que a Cibernética Social proclamou na entrada do século XXI. Foi uma declaração de morte ou de prazo vencido, tanto dos poderosos do capitalismo, do socialismo e das religiões como de suas instituições anacrônicas – Estado, Mercado, Igrejas – para lidar com a nova realidade do planeta. Mas, fantasmas aparecem…
    Esse envelhecimento crônico se mostra nas guerras, nos assassinatos, nas crises econômicas, na crise ambiental, na tragédia da pobreza e das migrações, no colapso da racionalidade, da ética e até das palavras como golpe, ditadura, democracia, direita-esquerda, liberdade, partidos etc. Por isso, a radicalização, o fanatismo, a violência, a irracionalidade, as fake news.
    O BRASIL PÓS 28 de outubro não é o da vitória da democracia ou de partidos. É o da vitória dos poderosos chefões da política “direitona militarizada”, aliados aos superpoderosos chefões da economia e das religiões, que derrotaram os poderosos chefões da política “esquerdona pretensiosa”, aliados a tímidos chefões da economia e das religiões, ambos os lados apoiados por torcidas enfeitiçadas.
    Mas tem algo mais dramático que a farsa democrática brasileira. É a vitória, mais uma, do mafioso império econômico judeu-anglo-americano que decidiu retomar/recolonizar a América Latina por eleições teledirigidas ou por golpes legislativo-judiciários e, em último caso, por invasão militar, para repelir o avanço da China e Rússia (a máfia do BRICS) no que sempre foi o pátio traseiro dos EUA. O poderoso chefão brasileiro da vitória de 28 de outubro foi enfático em declarar que não se quer relacionar com países de “viés ideológico” do BRICS e só se relacionar com países de “viés ideológico” liderado pelos EUA, a cuja bandeira bateu continência.
    A pobre América Latina com sua falsa independência, que só faz trocar de potência colonizadora a quem se entregar, deveria administrar de maneira nova seus três cérebros, esquerdo-central-direito e correspondentes três culturas – educacional-científica, político-econômica e emocional-religiosa – para libertar-se de sua função de prostituta.
    Já é tempo de reconhecer quão desastrosas para a América Latina têm sido as propostas capitalistas, socialistas e religiosas. Já é tempo de despedir-se dessas propostas, venham de onde vierem; e partir para um novo tempo pós-capitalista, pós-socialista e pós-sacral. Aliás, o mesmo conviria a todas as regiões do planeta, não fosse a endêmica corrupção informacional, político-econômica e moral de que padece a espécie humana.
    A proposta para os poucos que ainda esperam que os poderosos chefões criem juízo a tempo de evitar a destruição ambiental, a guerra nuclear ou uma Revolução Francesa universal, chama-se Proporcionalismo com Democracia Direta, que pode ser vista e baixada grátis em:
    https://books.google.com.br/books/about?id=UhDmCAAAQBAJ&redir_esc=y&hl=pt-BR
    https://books.google.com.br/books?id=4b5ODwAAQBAJ&hl=pt-BR&source=gbs_navlinks_s

Os comentários estão desabilitados.