A internet e as artimanhas do pensamento fácil

Lógica que ameaça dominar as redes sociais, é a renúncia antecipada a qualquer complexidade. É, por isso, muito mais conformista que revolucionária

160815-Conformismo2

“Pensamento fácil”, que ameaça dominar as redes sociais, é o modo difuso como raciocina o indivíduo deste começo de século. É a renúncia antecipada — e rancorosa — a qualquer complexidade. É, por isso mesmo, muito mais conformista que revolucionário

Por Fran Alavina | Imagem: Pawel Kuczynski

Este texto amplia e aprofunda o debate aberto no artigo “Notas sobre a esquerda ruim de internet”. Nasce de um duplo objetivo que, todavia, possui uma única fonte: os comentários, debates e reações que ao texto citado.

O primeiro dos objetivos é reafirmar o núcleo central das primeiras “Notas”, uma vez que tal núcleo foi escamoteado, algumas vezes, por um certo “entusiasmo difuso” que hoje é a aura da tecnologia virtual. Tal entusiasmo não faz acepção de posição política, e nisso está seu caráter perverso. Ele não é nem de direita, nem de esquerda. Pode ser encontrado em bons leitores de Gramsci, ou em indivíduos facistóides. É este entusiasmo febril que impede o começo da crítica, de modo que qualquer um que a inicie é rapidamente taxado de atrasado, retrógado e reacionário. A lógica dessas taxações é clara: quem não adere de “corpo e alma” ao novo não pode ser outra coisa senão que “atrasado”, “retrógrado” e todos os outros adjetivos que possam denotar sentido negativo ao que se considere velho. Este entusiasmo é a expressão mais acabada de uma época que, acossada pelo consumismo, astuto tem uma sede insaciável por tudo que se apresente como novo. Que um mesmo sentimento (o entusiasmo difuso) dirigido a um mesmo objeto (a tecnologia virtual) possa ser encontrado entre conservadores e progressistas, a nós que nos posicionamos à esquerda deveria, no mínimo, ser alvo de uma atenção mais demorada.

Por isso, afirmamos que ao criticarmos os efeitos danosos para a esquerda da aceitação da “naturalização do virtual”, demonstrando uma das lógicas de operação da internet, expressa mais particularmente em suas redes sociais, em nenhum momento propomos que se deva abandonar a internet como lugar de realização do debate político. Em nenhuma parte da argumentação indicamos que devêssemos voltar a datilografar nossos textos, divulgar nossos panfletos e artigos apenas com a ajuda de mimeógrafos, ou ainda nos comunicarmos em código morse. A essência de nossa crítica não estava em apontar o desuso, o abandono dos meios virtuais, mas pensarmos os usos para não cairmos em uma prática mecânica e ingênua. Uma vez que no campo político, sabemos, não há espaço para ingenuidades. Nesse sentido, buscou-se iniciar um debate que possa fomentar uma crítica à esquerda da “naturalização do virtual”.

Todavia, para que esta crítica possa ser feita é preciso reconhecer, em primeiro lugar, que não podemos permanecer em um uso meramente “panfletário” dos meios virtuais. Isto é, imaginar que possamos atuar no virtual sem que essa atuação não retroaja sobre nós. Pois como anteriormente afirmamos, independentemente de nossas posições políticas, o modus operandi do virtual segue à revelia de nossos desejos e vontades. Movimentamos-nos no espaço virtual não segundo o nosso absoluto arbítrio, mas segundo as condições que são previamente dadas e estabelecidas. Em suma, propomos uma prática que seja seguida do pensamento crítico, que não seja cega, que não caia nas armadilhas do espontaneísmo e do voluntarismo. Se é grande nosso afã de lutar e mudar a ordem das coisas, agarrar-se às facilidades oferecidas sem desnudar suas condições não apenas nos será muito custoso, como poderá diminuir nossas capacidades críticas sem as quais não poderemos seguir.

O segundo dos objetivos é dar continuidade ao exercício crítico que iniciamos, desnudando um aspecto que fundamentou parte das reações que se seguiram às Notas I. Tal aspecto é o que podemos denominar (e mesmo denunciar) de pensamento fácil. Todavia, antes que possamos defini-lo mais acuradamente, devemos recordar um elemento que torna propícia a sua expansão.

Com efeito, recorde-se, uma vez mais, que a internet não é um simples meio de comunicação. Seu uso retroage sobre nós, nos modifica, altera nossas capacidades, e se não nos apercebemos destas alterações é justamente porque o discurso da “naturalização do virtual” faz com o virtual nos pareça, de fato, natural. Ademais, esta naturalização difusa do virtual e este retroagir dos seus usos sobre nós é completamente diferente daquilo com ocorria antes com mídias como o rádio e a tv. Nestes últimos, estamos destinados a ser meros receptores; no virtual, porém, tudo se passa em um nível babélico de interação, no qual, em tese, todos têm o mesmo direito de fala, todos podem ser ao mesmo tempo “emissores” e “receptores”. Se todos podem mostrar-se, todos podem ser vistos: se todos podem falar, todos podem ser ouvidos. Ocorre, todavia, que se todos falam ao mesmo tempo, ninguém se ouve; se a visão é chamada a olhar para vários lugares ao mesmo tempo, ela não fixa o olhar em nenhum ponto.

Ora, mas se os pontos dos “emissores” e “receptores” não são mais fixos, porém fluidos, a velocidade e o número de informações e notícias crescem infinitamente. Os fatos não pertencem mais apenas àqueles que os narram, isto é, aos “emissores”, pois para que circulem devem ser replicados, “curtidos”. Assim, o que se narra, se expõe, se faz ver, para o bem ou para mal, pertence a todos aqueles que com um simples click tomam parte de tudo. Se segundo o discurso da liberdade e da criatividade do indivíduo empreendedor “você pode ser seu próprio patrão”, no virtual tem prevalecido uma lógica semelhante, de você estar livre para ver e ouvir o que quiser, e gerar você mesmo a própria informação, de acordo, claro, com sua criatividade. Desse modo, é forçoso admitir que a internet repõe no campo virtual, aos seus usuários, aquilo que a lógica do livre mercado impõe cotidianamente ao mundo.

Ora, a lógica meritocrática neoliberal que diz aos indivíduos que seus sucessos profissionais dependem exclusivamente de seus esforços opera da mesma forma no virtual. Na Babel em que todos podem falar ao mesmo tempo, irão se sobressair aqueles que se fizerem mais vistos, claro que por seus próprios meios. Todavia, como todos podem falar, o número de coisas a serem vistas e ouvidas é infindável, de tal modo que para que se possa tomar parte neste circuito que se quer infinito: tudo deve ser feito segundo o critério da facilidade. Tudo deve ser fácil de ver, de ouvir, de interagir. A time line da rede social será melhor vista, isto quer dizer, mais rapidamente vista, quanto mais fáceis forem as coisas que se apresentem. Nesta faceta, a internet mostra-se muito mais conformista que revolucionária. E todos aqueles que objetivam ganhar e aumentar visibilidade devem assim proceder, não importa a direção política que sigam. É esta mesma lógica que antes se fazia presente nos hábitos alimentares através da expansão das redes de alimentação fast food, e que agora enseja os usos dos aplicativos, estes últimos com as mais diversas utilidades. Tudo deve estar ali, à mão: rápido e fácil.

A lógica da facilidade que antes orbitava nas condições objetivas da existência, como, por exemplo, na alimentação, com a expansão do virtual, o critério da facilidade, par inseparável da rapidez, passa aos bens simbólicos e ao circuito afetivo que lhe sustenta. Acostumando-nos, por meio do hábito excessivo, com o critério da facilidade como algo natural, tendemos a expandir este critério para tudo. Qualquer ato que possa demandar um maior tempo e esforço é, de imediato, rechaçado, posto que se identifica com a encarnação da chatice. Assim, são os nossos desejos, afetos e pensamentos que também devem se acomodar ao critério da rapidez e da facilidade.

Esta acomodação sustenta as alterações que nos lançam diretamente para o vislumbre de um novo tipo de comportamento, um novo modo de ser que deve conformar-se a uma nova ordem das coisas iniciada pela expansão do virtual. Este modo de comportar-se indica que a frequentação do virtual deixa de ser ela mesma um hábito, o hábito de usarmos algo hodiernamente, para se transformar em criadora de novos hábitos. Um destes hábitos é o pensamento fácil. O pensamento fácil é, em primeiro lugar, a nova forma prevalente de interação, com o mundo e consigo mesmo. Sendo forma não é apenas um modo de concepção, mas também de expressão. O pensamento fácil se impõe cada vez mais como o “preço a ser pago” pela velocidade da informação. Ele é uma das características mais exemplares do modo como os usos do virtual retroagem sobre nós. O pensamento fácil é o modo difuso como raciocina o indivíduo deste começo de século. É a renúncia antecipada a qualquer resquício de complexidade. Pois esta última implica demora, esforço, e tais coisas são abominadas como sendo os antônimos absolutos da facilidade. Conformando-se aos tempos informacionais, o pensamento fácil abole a barreira entre o simples e o simplório. Trabalha com definições curtas, como na lógica do estabelecimento do número máximo de caracteres.

Ante o pensamento fácil não pode haver resquícios, resíduos. Tudo deve estar limpo: como uma imagem nítida, sem falhas. Aquilo que demora por se fazer entender é identificado como que possuindo uma falha congênita, por isso mesmo deve ser excluído, marginalizado. É o resto que entreva a interação. Ao se conformar ao informacional, o pensamento fácil demanda um tipo de transparência absoluta dos enunciados, que não devem possuir qualquer opacidade, devem ser privados de qualquer sentido que não seja o aparente. Desse modo, também a linguagem, as capacidades expressivas são alteradas pelo critério da brevidade, que é a regra linguística do pensamento fácil. As palavras cedem lugar às suas abreviações, tendendo a tornar-se apenas siglas. O alargamento da realidade que tanto é atribuído ao virtual, em verdade, é feito de encurtamentos. Aos indivíduos deve-se diminuir qualquer trabalho de elaboração, portanto sua autonomia.

Exemplos do hábito do pensamento fácil não faltam. São os emoticons que nos oferecem um modo pronto da expressão das nossas emoções; é a “# somos todos (…)” que passou a ser nossa forma mais elaborada de nos solidarizarmos, e que por tratar-se de um vínculo identitário imediatista, na maioria das vezes nos impede de reconhecer melhor a causa dos problemas com os quais nos solidarizamos; é a ojeriza aos textos longos, o que antes era um mero parágrafo de seis linhas, hoje chamamos de “textão”. Escrevê-los tornou-se até um ato revolucionário, pois ele é sempre precedido pelo brado: “Vai ter textão, sim!”.

O mundo ao qual nos relega o pensamento fácil é uma realidade de resumos, de bens simbólicos prontos. Todavia, o pensamento fácil, quando desnudado, nos posiciona ante um denso paradoxo: a tecnologia mais complexa é justamente aquela que pode nos impor uma visão simplista, empobrecida da realidade, uma realidade “pré-fabricada”, como as “bolhas” que se formam das relações das redes sociais. Ora, o pensamento fácil enseja algo ainda mais negativo. Por acomodar as coisas à superficialidade simplista, ele contribui para uma visão naturalizada dos problemas histórico-sociais. Estes não são compreendidos conforme a multiplicidade de fatores que os causam, pois o pensamento fácil não consegue acessar contradições. Ele os concebe segundo uma causa única, em geral, aquela que pode reunir maior passionalidade, que pode congregar em torno de si afetos fortes, que não demandem um tempo de elaboração muito longo.

Assim, não é simples coincidência que os grupos mais fascistóides que se mostram sem receios hoje nas ruas tenham antes se articulado bem nas redes sociais. Estas oferecem todas as condições para que uma causa social (a corrupção, por exemplo) possa ser concebida segundo o pensamento fácil. Por isso, a corrupção é sempre apresentada como culpa de uma só pessoa, de um só partido, de uma só ideologia. O pensamento fácil trabalha com generalizações, e por isso é propício à criação dos bodes expiatórios. Veja-se o quanto é comum o achincalhamento da vida privada dos sujeitos. Sabemos que os bodes expiatórios de hoje já foram escolhidos, só não sabemos ainda se serão sacrificados.

Veja-se, pois, quanto o pensamento fácil enseja comportamentos de tipo fascista. Ou se é contra, ou a favor: “simples assim”! Ele, o pensamento fácil, simplifica a realidade, reduzindo a complexidade das coisas aos discursos daqueles que dizem serem as coisas complexas. No varejo das facilidades, os problemas são rapidamente desnudados, para que depois, pela vontade de um, encontrem resolução. Na maioria das vezes, o sujeito escolhido para apontar as resoluções é o medíocre vestido com trajes de herói. Este último é sempre um sujeito de ação, uma vez que a simplicidade do pensamento fácil é usada para impelir uma ação imediata, a ação que põe fim à “bagunça” da multiplicidade, impondo a sobriedade da ordem. A ordem que subjaz em todo pensamento fácil, pois onde tudo está antecipadamente posto em seu devido lugar não há espaço para a desordem, que é confundida com a multiplicidade. Para os desnudamentos dos problemas já temos os intelectuais de youtube. Agora, a massa fascistóide busca o líder. Em verdade, já o encontraram, mas como sua mediocridade oratória é gritante, seu poder de convencimento e de adesão é baixo. Todavia, não se devem subestimar as capacidades do pensamento fácil, pois seu grau de difusão é crescente, expande-se junto com o virtual.

Resta-nos perguntar se nós, que estamos à esquerda, vamos endossar a acomodação ao pensamento fácil, nós que sempre buscamos desmascarar as contradições que perfazem a desigualdade do mundo, portanto que opomos a complexificação à naturalização do âmbito histórico-social. Se também nós nos acomodarmos ao pensamento fácil, cada vez mais perderemos a capacidade de realizar a crítica do presente, pois enquanto nos dão a facilidade como regra, o mundo se complexifica, nos pedindo cada vez mais o forjar de alternativas novas. Estas demandam sempre esforço, pertinácia e tempo. Um tempo que não é o das facilidades e um pensamento que não se contenta com simplismos. O desafio é, então, atuar no virtual sem se deixar seduzir pelo pensamento fácil, nem endossá-lo.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

13 comentários para "A internet e as artimanhas do pensamento fácil"

  1. Paulo Augusto Jr disse:

    Parabéns professora pela brilhante argumentação!

  2. Sugiro a leitura do livro “o mundo codificado” de Vilem Flusser.

  3. Que maravilha de texto, li com gosto, fazendo suas palavras a expressão do que venho me esclarecendo em conceito, em dor e sofrimento e em perplexidade, buscando novas linguagens e métodos para educação superior no campo que atuo. Pessoalmente, o sofrimento físico desse desencontro do meu ritmo ‘interno’ de alma, de mente e de corpo me caminhavam para o tempo lento e profundo, enquanto que a sociedade me pressionava para afirmação pelo ritmo intenso, tenso e extenso da vida pública que expropriava o tempo mulher, mãe, dona de casa. Digo, então, que meu caso é só uma ilustração que a sociedade está vivendo: a síndrome do cortisol, sendo uma delas. De 2 anos para cá os avisos dos exames de saúde sinalizaram: se continuar assim… Mudei de dentro para fora e o fora para conciliar com o dentro. Inclusive nos espaços virtuais. Sensação agora: consciência vivida.
    Gratidão pelo texto, quero continuar lendo seus textos.
    Abraço fraterno
    Patricia Almeida Ashley

  4. Léia Maria disse:

    Raro momento de lucidez.
    Que venham mais!

  5. Luiz disse:

    Uma crítica quase metafísica porque não esclarece qual é esta verdade histórica, lá no primeiro texto, e se omite que a verdade histórica da esquerda tem a ver com a crítica teórica do capitalismo, sobretudo, a partir de Marx. O que vejo é um discurso kantiano do ‘Dever ser” da internet, ou seja, de como deveria ser a internet como instrumento de divulgação, confrontação, panfleto etc.. Acho que não há esta dicotomia entre virtual e real, porque ambas estão amalgamadas, uma está dentro da outra. Falar da esquerda, a meu ver, é falar da utopia da sociedade sem exploração do homem pelo homem e do programa de revolução que ela tem ideologicamente, ou seja, falar da crítica ao capitalismo e seu poder de dominação social. Senão ficamos no discurso meramente metafísico da realidade, no teoricismo de como devemos pensar a realidade. Claro que na internet há de tudo, do pensamento simples, simplista ou simplório, ao pensamento complexo. As redes sociais são mais simplistas e de pensamento fácil, mas devido ao nosso baixo nível de leitura ou nível educacional. O brasileiro lê pouco, mas muitos assistem ou lê jornal de todos os tipos, inclusive o sindical. Não dá pra 200 milhões de pessoas terem um pensamento filosófico sobre a vida, ou melhor, um pensamento sistemático. É impossível. Então temos que trabalhar pedagogicamente estas pessoas na internet. Há esquerda moderna, democrática que há muito abandonou o pensamento marxiano q complexifica esta reflexão sobre a dominação abstrata do dinheiro, do capital sobre as pessoas, a sociedade como um todo. Somos presas da capitalismo que suga nossa carne humana, rouba nosso tempo livre de vida, ou melhor, nos torna uma mercadoria vendável a preço baixo. Falando em maioria. O virtual é uma faca de dois gumes e o problema não é ele existir tecnologicamente. Lembrando de Marx sobre os operários que quebraram as máquinas das fábricas no século 19, ele disse, não são as máquinas as nossas inimigas, mas o modus operandis delas que estão sob o domínio dos capitalistas. Falar de transformação social, de inimigo ou de luta, não pode ser pura oratória linguística de estruturação de palavras complexas, no abstracionismo de seus vínculos de expressão. Falar de revolução, de transformação, de denuncia social da opressão e dominação e exploração é falar das bases reais desta dominação social: a propriedade privada burguesa e a mercadoria-dinheiro. Eu acho que não precisamos usar uma análise hermética complexa para expressar a realidade. O simples é muito mais complexo do que se possa imaginar. Uma pergunta simples derruba um intelectual quando bem elaborada. O simples pode ser a síntese da complexificação. Quando Marx fala no primeiro capítulo de O Capital da Mercadoria e Dinheiro, parece que o texto é uma exposição simples, fácil de leitura. Engano. É de uma complexidade gigante quando é feita uma leitura imanente das categorias que ele usa para mostrar o núcleo do processo da produção do mais valor. Neste sentido, o que estou querendo dizer é que, embora a internet, com todos os seus aspectos negativos, como também positivos, é um veiculo de comunicação novo que já produziu revoluções políticas, embora a única que deu certo seja a da Tunísia. A internet é um poder de comunicação de todos, não está nas mãos de nenhuma empresa familiar. É democrática. Se o conteúdo é duvidoso ou a forma de propor o conteúdo não é a ideal, é porque estamos vivendo este processo de amadurecimento, engatinhando nessa nova tecnologia. O seu texto tem grande valia, e como todo texto, há algumas lacunas a serem preenchidas e coisas a serem complementadas. Parabéns. É apenas uma forma de contribuir ou desenvolver o debate. Acho que ninguém tem a palavra final de nada… tudo é evolução, aperfeiçoamento e aufhebung.

  6. Nossa! Que beleza de texto!
    É bom encontrar textos como este, que provocam…
    Não vou me restringir a redes como YouTube, Facebook…
    Apenas gostaria dizer que tenho encontrado pensamentos mais elaborados e complexos nos textos de Eliane Brum, que escreve para o El País…
    Num de seus textos, por exemplo…
    “[…] como se houvesse uma ordem ‘natural’ que dissesse respeito à ‘natureza’ das ‘coisas como as coisas são’ que precedesse a vida e a política […]. São os dogmas não religiosos que mesmo uma parte da imprensa laica reproduz.”
    http://brasil.elpais.com/brasil/2016/01/18/opinion/1453123446_710592.html
    Eliane Brum parece dispor de um espaço ilimitado para seus textos, o que tem a ver com a qualidade final deles, mas, sem o esforço pessoal, o espaço, por si só, não resultaria em coisa alguma…
    Outro exemplo, no qual Eliane Brum por meio de longos trechos entre aspas, vai trazendo diferentes vozes de um debate muito importante e nada simples…
    “No Brasil, o melhor branco só consegue ser um bom sinhozinho”, Eliane Brum, El País, 25 de maio de 2015…
    http://brasil.elpais.com/brasil/2015/05/25/opinion/1432564283_075923.html
    Há pouco tempo, ela escreveu: narrar o que não foi narrado, ouvir outras narrativas…
    Noto, por outro lado, que vários jornalistas conseguem ir muito além do simplório em textos bastante curtos…
    Geralmente, para mim, são textos que colocam perguntas, questões, ou apenas indicam que há outras formas de pensar, outros ângulos, pontos de vista… Mas não avançam, deixam para o leitor continuar… Há inúmeras críticas de filmes, com pouco espaço disponível, que vão por este caminho…
    O Agência Pública também produz matérias que não simplificam..
    “Agressor dorme no homem comum”, Ciro Barros, Agência Pública, 15 de março de 2016…
    http://apublica.org/2016/03/o-agressor-dorme-no-homem-comum/
    Lembrei-me, agora, de que Contardo Calligaris vem se referindo às “ideias da padaria”…
    Estou organizando uma lista de filmes no YouTube, com o título “Ordem e Progresso”…
    Desde a apresentação da lista até a escolha de filmes procurei escapar do pensamento fácil… Ao menos, uma tentativa…
    https://www.youtube.com/playlist?list=PLb-f5dAjBAFY3MIPKtdhwtMlGl-x6yfiL
    Fran Alavina levou-me a compartilhar estas reflexões…

  7. Luiz disse:

    Podemos traduzir o pensamento fácil como pensamento de senso comum…ou massificado, simples.

  8. Que escrita e argumentação! Parabéns!!! Isso é organicidade.

  9. Juh Duci disse:

    O texto apresenta uma reflexão pertinente, não apenas para pensarmos os rumos de uma atuação mais orgânica do pensamento de esquerda, mas também nos apresenta uma tendência de como vivemos e experimentamos nossas relações. O pensamento fácil, não está restrito à uma escrita curta ou objetiva, muito pelo contrário, o pensamento fácil nos encaminha para ações de pouca diversidade e de possibilidade de um olhar dialético sobre o mundo e as relações que nos atravessam. Se faz urgente lançarmos luz sobre essa alteração na nossa percepção provocada pelo mundo virtual, já que muito se diz que não há diferença entre eles, contudo se não há diferença, há com certeza muito acirramento!
    Sugiro um livro que nos ajuda a pensar sobre alguns possíveis rumos de nossa vida sob a supremacia das relações virtuais: Sociedade Excitada. Uma filosofia da Sensação de Christoph Türcke

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *