Piketty, o Papa e o retorno de Karl Marx

140911-Marx2

Há exatos 147 anos, era lançado primeiro livro de “O Capital”. Ao “acusarem” Papa e economista francês de “marxistas”, conservadores confirmam atualidade do filósofo alemão

Por Santiago Zabala | Tradução: Taynée Mendes

A crítica às desigualdades sociais, como exposta no livro O Capital no século XXI, do francês Thomas Piketty, não é assim tão diferente da visão do Papa Francisco sobre o capitalismo em sua exortação apostólica Evangelii Gaudium (do latim, “A alegria do Evangelho”), publicada em 2013.

O jornal inglês Financial Times tenta provar que a teoria do economista francês é incorreta. Além disso, conservadores como Rush Limbaugh e outros acusam tanto o economista quanto o sumo pontífice de marxismo, sinônimo de estar errado na opinião do comentarista político, obviamente. Entretanto, ser rotulado de marxista não é uma ofensa. É apenas um sinal de que Marx retornou das reminiscências do comunismo para convidar acadêmicos, ativistas e até clérigos a buscar em seus escritos soluções para recessão global contemporânea.

Embora Piketty e o Papa Francisco (antes Cardinal Jorge Mario Bergolio) neguem qualquer interesse ou fé no marxismo, ambos não serão perdoados tão cedo. Porque, afinal, reconhecer as falhas capitalismo é como emitir um sinal de alerta máximo em nosso estado de exceção.

O lado bom desse alerta, porém, é a possibilidade de congregar pessoas preocupadas com questões vitais como distribuição de renda, saúde e educação, reivindicações vistas na União de Nações Sul-Americanas (UNASUR) e no recente movimento Occupy.

TEXTO-MEIO

O Papa pede redistribuição, e Piketty sugere um modo de pôr isso em prática com uma tributação progressiva global sobre o capital ou grandes riquezas. E se torna também – indiretamente – o economista papal. Para explicar por que a solução do economista francês é apropriada para as preocupações do Papa, é preciso revisitar rapidamente as duas teses.

O mais interessante de Evangelii Gaudium não é o clamor por uma distribuição de riqueza mais justa, mas sim tal pedido sendo feito a partir do espírito da Teologia da Libertação, de Gustavo Gutiérrez.

O-capital-no-século-XXI-do-francês-Thomas-Piketty-tv-humana-e1415063538920

Clique aqui e adquira o seu exemplar com desconto.

Segundo o Papa Francisco, uma “reforma financeira” é essencial não apenas “porque o sistema socioeconômico é injusto em sua origem”, mas também “porque os mecanismos econômicos atuais promovem um consumo desordenado”. Um consumismo desenfreado somado à desigualdade é uma combinação nociva à sociedade, na medida em que “os excluídos não são mais os ‘explorados’, e sim os rejeitados, os que são considerados redundantes”.

É possível perceber que o Papa coloca em oposição não apenas um sistema econômico em que a exclusão é possível, mas um em que ela se tornou a regra, ou melhor, “o resultado de ideologias que defendem a autonomia absoluta do mercado e da especulação financeira”. Como um veraz filósofo pós-moderno, Papa Francisco conclui suas observações destacando como “estamos longe do chamado ‘fim da história’”, na medida em que o crescimento econômico, incentivado pelo livre mercado, em vez de proporcionar uma maior prosperidade para todos, aumentou “a corrupção desmedida e a deplorável sonegação de impostos, que assumiram dimensões globais”.

Pikkety, ao que parece, apresenta uma justificativa tanto histórica quanto econômica para a preocupação do Papa sobre uma “economia de exclusão” e sobre “um sistema financeiro que dita regras em vez de servir à sociedade”. Se o capitalismo se tornou esse sistema econômico não é simplesmente por sua inclinação natural a uma desigualdade galopante – tese em que o autor se debruça por meio de uma análise detalhada da história –, mas sim porque o capitalismo permite que a concentração de riqueza se perpetue de uma geração à outra (a exemplo da família real espanhola).

Isso ocorre no seguinte momento: quando “a taxa de retorno sobre o capital é maior que a taxa de crescimento de renda e produção, o capitalismo automaticamente cria desigualdades arbitrárias e insustentáveis que, de forma radical, enfraquece valores meritocráticos, fundamentais em sociedades democráticas”. O economista francês sugere então “uma tributação progressiva sobre o capital”, restringindo “o crescimento ilimitado da desigualdade global, que cresce a um ritmo que não pode ser mantido em longo prazo e constitui motivo de preocupação até mesmo para os defensores mais fervorosos do livre mercado”.

Talvez Piketty tenha se tornado o economista de Papa. Não apenas por apresentar uma solução de provável anuência pelo pontífice, mas também por se afastar do rigor científico de sua disciplina, isto é, o determinismo econômico. Mormente, o economista francês acredita que “o reaparecimento da desigualdade social depois da década de 1980” não foi consequência de um movimento natural do capitalismo, mas sim de “recentes decisões políticas em temas relacionados a tributação e fundos públicos”. O clamor do papa para um sistema financeiro que “sirva à sociedade em vez de ditar regras” é diametralmente oposto a tais decisões de quem está no poder. São esses mesmos sujeitos que sempre evitam as reformas financeiras recomendadas pelos dois líderes. Embora Pikkety continue a lecionar na França em vez de mudar-se para o Vaticano, o Papa tem agora um aliado economista durante seu pontificado em Roma, mesmo com todas as acusações de marxismo. Essas acusações, portanto, não são apenas necessárias para reunir economistas e a Santa Sé. Servem também como um marco para conter a aceleração da desigualdade capitalista para aqueles que são assim acusados, independente da fé ou da posição social.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Santiago Zabala

Santiago Zabala é pesquisador e professor de filosofia da Institució Catalana de Recerca i Estudis Avançats, ICREA, da Universidade de Barcelona. É autor, dentre outros trabalhos, de "The Hermeneutic Nature of Analytic Philosophy" (2008), "The Remains of Being" (2009), e, mais recentemente, com G. Vattimo, "Hermeneutic Communism" (2011), todos publicados pela Columbia University Press.

Latest posts by Santiago Zabala (see all)