Um curso tradicional, mas nada careta

“História da Arte” vem sendo ministrado há 30 anos por Rodrigo Naves em SP. Agora, adaptado ao formato virtual, é acessível a alunos de diversas cidades e países — e está com bolsas de 100%, 50% e 25% em sorteio para nossos apoiadores


Dream of a Sunday Afternoon in Alameda Park, de Diego Rivera (1947)

Por Simone Paz

Esta semana anunciamos um maravilhoso curso de História da Arte, ministrado por Rodrigo Naves, em nosso Blog da Redação. Rodrigo é jornalista, crítico e ensaísta, autor de diversos clássicos.

O curso existe há três décadas, mas este ano, tem aulas sempre às segundas-feiras de noite, ou às quartas de manhã. Nas aulas, discutem-se conceitos, obras, escolas, estilos, períodos, mas – sobretudo – instrui-se o olhar.

O cronograma já está todo montado desde o início deste ano, com os temas das aulas até o fim de 2020, aqui

A apresentação das aulas foi feita pelo poeta Airton Paschoa, e é por isso que, abaixo, reproduzimos trechos do texto original para descrever o curso.

Mas, antes, gostaríamos de anunciar que Rodrigo nos ofereceu uma bolsa integral, com duração de um mês, para sortearmos aqui no Outros Quinhentos (entre assinantes que apoiam nosso financiamento coletivo). Também, mais três bolsas de 50% e outras três de 25%.

Basta se inscrever aqui, para concorrer, até sexta-feira 3 de julho.

As aulas recomeçam em 20 de julho.

“Rodrigo Naves vem dando há 30 anos o curso História da Arte: do Pré-Renascimento à Arte Contemporânea, de Giotto a Bram van Velde e Kiefer, passando pela arte brasileira mais significativa. Já o fiz duas vezes e não descarto uma terceira.

Crítico e ensaísta renomado, escritor fino, autor de clássicos como A forma difícil: ensaios sobre arte brasileira, Dois artistas das sombras: ensaios sobre El Greco e Oswaldo Goeldi, O filantropo, Rodrigo Naves não se detém apenas na história da arte, propriamente dita; vai muito além: problematiza conceitos, obras, escolas, estilos, períodos, e — sobretudo — instrui o olhar.

Agora online, o curso, com duração de um ano, pode ser seguido convencionalmente, do começo ao fim; de meio a meio de ano, ou no arco de tempo que preferir o interessado, pois, como se sabe, a arte começa onde começa nosso interesse.

As inscrições para participar do curso independem da ordem cronológica, podendo dar início ao ciclo anual a partir de qualquer módulo.”

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *