A árdua busca de um novo jornalismo

Em resposta à crise da velha mídia, algumas publicações tornam-se mais profundas tirando proveito da colaboração. Resultados são animadores, mas falta garantir sustentação financeria

Por Carlos Castilho, no Observatório de Imprensa

images (1)

Em resposta à crise da velha mídia, algumas publicações tornam-se mais profundas tirando proveito da colaboração. Resultados são animadores, mas falta garantir sustentação financeira

Por Carlos Castilho, no Observatório de Imprensa

Jornalismo aberto (Open Journalism), Jornalismo de Fontes Abertas (Open Source Journalism) e agora também a Noticia Aberta (Open News) são algumas das iniciativas que transformaram a transparência e abertura na produção de notícias na grande meta das organizações e indivíduos interessados em adequar o jornalismo à era da internet.

O jornal inglês The Guardian completa em maio um ano de experiências com o ambicioso projeto Open Journalism, por meio do qual a publicação tenta criar um sistema estável de colaboração entre seus profissionais e os leitores. Pouca gente acreditava que a audaciosa proposta do editor chefe do jornal, Alan Rusbridger, iria durar tanto tempo, embora a sua consolidação definitiva ainda dependa do desenvolvimento de um modelo de negócios financeiramente sustentável.

Open Source Journalism, idealizado em 2007 pelo jornalista e professor norte-americano Jay Rosen, visava produzir a primeira reportagem desenvolvida de forma coletiva e aberta segundo a modalidade conhecida como crowdsourcing (produção colaborativa). O projeto – batizado pelo nome de Zero Assignment – reuniu um grupo de estudantes de jornalismo coordenados por professores e profissionais para produzir uma reportagem a ser publicada na revista Wired.

A resposta do público por meio de comentários, sugestões, novos dados e depoimentos ficou aquém do esperado pelos idealizadores do projeto, que após um mês de exposição na página web da Wired foi classificado como “um fracasso promissor”. Apesar da frustração, a ideia do jornalismo de código aberto foi retomada mais tarde por projetos como o Scoop it e o The Exchange, que sobrevivem até hoje.

Noticia Aberta é a mais recente de todas as aventuras jornalísticas baseadas na abertura dos processos de investigação de noticias. O Open News, uma coprodução do projeto Challenge, da Fundação Knight e da empresa criadora do navegador Mozilla Firefox, busca uma maior integração entre programadores e jornalistas no desenvolvimento de aplicativos para produção e circulação de notícias.

Todas essas iniciativas têm em comum o fato de procurarem aquilo que o Observatório da Imprensa definiu, em 2006, como “redações de vidro”, a ideia de que a produção de notícias jornalísticas não deveria ser algo tão misterioso quanto a produção de salsichas, e que a transparência deveria se transformar na marca registrada tanto das redações como principalmente na contabilidade das empresas jornalísticas..

Chris Elliott, ombudsman do The Guardian, com quem conversei em Brasília durante o Seminário Internacional Infância e Comunicação, reconhece que todos os esforços para inserir a expressão abertura (open) em todas as modalidades de jornalismo ainda dependem do desenvolvimento de um modelo de negócios. “O open journalism é uma estratégia editorial e nesta condição ela só sobrevive se estiver apoiada num modelo de negócios adequado. Nosso principal dilema no momento, no Guardian, é justamente este, e ainda não temos uma resposta para ele”, disse Elliott.

À medida que o tempo passa e as experiências vão se sucedendo fica cada vez mais claro que a sonhada abertura é mais do que uma palavra mágica, capaz de salvar negócios sem perspectiva imediata. O fim da caixa preta das redações passa a ser a condição indispensável para que o jornalismo deixe de ser uma ferramenta para alavancar receitas de empresas de comunicação e assuma o seu papel como fator de produção de conhecimento em comunidades sociais.

Para Chris Elliott, são muitos desafios a ser enfrentados ao mesmo tempo – o que transforma a atualização do jornalismo num processo complexo em que os insucessos são inevitáveis. Mas uma coisa é essencial, segundo ele: “Até o novo modelo de negócios deve estar pautado pela preocupação com a abertura”.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Um comentario para "A árdua busca de um novo jornalismo"

  1. Cursos Online disse:

    Parabéns pelo conteúdo do seu site, sou a Camila Da Silva gostei muito deste artigo, tem muita qualidade vou acompanhar o seus artigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *