Xenofobia impulsiona resistência à vacina

Em pesquisa do Datafolha, recusa a se vacinar cresce quando entrevistados são perguntados sobre imunizante chinês – e preconceito é maior entre eleitores de Bolsonaro

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 10 de outubro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Falamos ontem por aqui da última pesquisa Datafolha que mostrou queda da adesão da população de quatro capitais em se vacinar. Pois bem: a resistência é ainda mais expressiva quando os entrevistados são perguntados se topariam receber um imunizante desenvolvido na China – e a xenofobia é maior entre quem aprova o governo de Jair Bolsonaro. Entre os cariocas, por exemplo, 68% dos apoiadores do presidente recusariam as doses chinesas.

Na população em geral, os índices também são baixos. Em Recife, só 42% tomariam um imunizante criado pelos chineses; mas 65% pretendem se vacinar quando a nacionalidade da vacina não é colocada em pauta. Os índices ficam em 52% contra 73% no Rio; 52% contra 74% em Belo Horizonte; e 57% contra 72% em São Paulo. 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos