Vazamento de dados da Saúde é mais grave do que se pensava

Mais de 200 milhões de registros ficaram expostos, e base foi alterada para incluir xingamentos a políticos e artistas

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 3 de dezembro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

A falha na administração dos dados pessoais dos brasileiros pelo Ministério da Saúde mostra que a crise brasileira é mais aguda do que a imaginação alcança. Não só as informações de 243 milhões de registros de pessoas atendidas no SUS e pelos planos de saúde ficaram expostas por seis meses, como essa base sofreu adulterações para dar vazão ao ódio político da extrema direita. 

Segundo o Estadão, a ex-presidente Dilma Rousseff foi renomeada em dois registros como “motherfucker” e “Vai Bolsonaro”. Já no caso de Manuela D´Ávila houve uma adulteração no campo em que apareceria o nome de seu pai, trocado para “Luís Inacio Pingaiada da Silva”. O mesmo campo foi adulterado no registro da apresentadora Xuxa. Seu pai aparece como “Luiz Floriano Bolsonaro”. No campo nome social, preencheram: “petista sfda” – e para Luciano Huck, “nareba”. Tudo isso é crime, segundo a Lei Geral de Proteção de Dados.

A falha de segurança, denunciada ontem pelo jornal, mais uma vez tem a ver com a exposição do login e da senha de acesso ao sistema no código do site – que pode ser acessado de qualquer navegador e facilmente compreendido por quem tem conhecimentos básicos de programação. 

Nos dois casos, o problema está no sistema e-SUS-Notifica, criado especialmente para a pandemia por uma empresa de tecnologia contratada pelo Ministério da Saúde. A Zello (que também já se chamou MBA Mobi) já recebeu do governo federal mais de R$ 43 milhões desde 2017. Ainda não se sabe quanto foi desembolsado pelo ministério pelo e-SUS Notifica. A pasta também não explicou à repórter Fabiana Cambricoli porque optou pela contratação de uma empresa, já que tem a seu dispor um departamento de informática, o DataSUS, com experiência no desenvolvimento de sistemas de notificação. A Zello tem fugido da imprensa sem prestar nenhum esclarecimento. 

E tem outro detalhe: caso as pessoas que tiveram seus dados expostos resolvam entrar na Justiça, a conta também será paga pela Viúva – já que cabe ao ministério supervisionar empresas. Diante de mais esse escândalo, a pasta divulgou que está apurando as responsabilidades.  

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos