Sem resultados, Rússia anuncia registro de outra vacina para 15 de outubro

E mais: para Sputnik 5, governo decide arcar com parte da responsabilidade legal em caso de efeitos colaterais inesperados

Foto: Divulgação / Fundo Russo de Investimento Direto

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 23 de setembro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Rússia já começou o processo de registro da segunda vacina desenvolvida pelo país, a EpiVacCorona, com previsão de terminar no próximo dia 15. No entanto, assim como no caso da Sputnik 5, os testes ainda não foram finalizados. Na plataforma ClinicalTrials.gov, onde estão reunidas as informações dos ensaios, há dados que apontam que as fases 1 e 2 envolveriam ao todo cem pessoas, mas nenhum resultado foi publicado. Não há notícias sobre o início da fase 3. Porém, segundo a imprensa estatal, serão três mil voluntários envolvidos (um número bastante baixo). A vacina é desenvolvida pelo Vector Institute.

Como sabemos, a aprovação da Sputnik 5 gerou enorme desconfiança. E o governo russo decidiu apostar alto para melhorar a imagem desse imunizante: vai arcar com parte da responsabilidade legal caso haja efeitos colaterais inesperados. O anúncio foi feito por Kirill Dmitriev, chefe do Fundo Russo de Investimento Direto, que está financiando a vacina. É uma postura que difere da de outros fabricantes: muitos têm pressionado os países para os quais vendem, pedindo que os compradores ofereçam proteção completa contra reclamações futuras. É o caso da AstraZeneca, por exemplo. “Os fabricantes de vacinas em todo o mundo estão comprimindo anos de desenvolvimento em meses, aumentando a possibilidade de consequências inesperadas e tornando a questão das reivindicações de compensação um ponto-chave nas negociações de acordos de fornecimento”, explica a Reuters. Com a Sputnik 5, os países compradores arcariam com parte dessa responsabilidade, e o governo russo, com a outra. Os termos dessa negociação não foram detalhados.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos