Pior do que se pensava

O vazamento do mineroduto da Anglo American em Minas Gerais não atingiu apenas um rio, como se pensava, mas dois: o Santo Antonio e o Casca.

O Ministério Público de Minas pediu o bloqueio de R$ 10 milhões da empresa para reparo dos danos ambientais e sociais.

Essa e outras notícias você confere aqui embaixo, onde publicamos todo o conteúdo da newsletter de hoje. Ela traz os temas mais importantes dos principais veículos nacionais e internacionais. Espia só.

(Quer se inscrever e receber  de manhã cedinho por e-mail? Clique aqui)

Se inscreveu e não recebeu? Dá uma olhada na sua caixa de e-mail. A news tem ido parar na aba “promoções”.

PIOR DO QUE SE PENSAVA

O vazamento do mineroduto da Anglo American em Minas Gerais não atingiu apenas um rio, como se pensava, mas dois: o Santo Antonio e o Casca. O município de Santo Antônio da Grama continua sem água, mas a distribuição deve se regularizar hoje. O Ministério Público de Minas pediu o bloqueio de R$ 10 milhões da empresa para reparo dos danos ambientais e sociais.

E a pesquisadora norueguesa  Siri Aas Rustad disse à Deutsche Welle que o silêncio da Noruega em relação ao desastre da Hydro Alunorte no Pará é “embaraçoso“, embora acredite que seja necessário entender primeiro o que aconteceu. Ela estuda os impactos da empresa em Barcarena desde 2014. “Quando a Hydro adquiriu a Alunorte em 2011, já havia muitos problemas ambientais relacionados à refinaria. Em 2009, houve um vazamento (…). Havia uma constante tensão em relação aos resíduos da empresa e parece que essa tensão com a comunidade local cresceu nos últimos seis meses”, diz.

UMA TONELADA

É a quantidade de peixes mortos retirados entre fevereiro e março no lago da usina de Belo Monte. O Ibama determinou que a usina paralise os testes e operações das novas turbinas. A concessionária, Norte Energia, diz que a paralisação vai prejudicar a produção e elevar “os custos das tarifas e prejuízos ambientais, decorrentes do acionamento das termoelétricas”.

NO MUNDO

A ONG WWF divulgou hoje um relatório apontando que, se mantidas as taxas atuais de emissão de carbono e aquecimento global, quase metade das espécies de determinados ecossistemas pode ficar em risco. A Amazônia, o cerrado-pantanal e a mata atlântica estão entre as 35 áreas levadas em conta no estudo.

E o cerrado, que já tem 52% devastados e pode desaparecer até 2030, é hoje o principal território por onde avança o agronegócio, diz o Le Monde Diplomatique Brasil. O artigo destaca o debate sobre água e a pobreza das populações.

Mas as coisas melhoraram na China. Desde 2014, quando foi declarada “guerra à poluição”, as cidades reduziram em 32% a concentração de particulados no ar, em média. Foi proibida a construção de novas termoelétricas nas regiões mais poluídas, as existentes tiveram que diminuir as emissões, o número de carros nas ruas foi restringido, minas de carvão foram fechadas e a produção de ferro e aço foi diminuída. A expectativa de vida cresceu em média 2,4 anos. Apesar da melhora, a poluição ainda é alta para os padrões estipulados para a OMS, segundo a Folha.

É CADA UMA…

A discussão acalorada sobre aborto na Argentina está aguçando a criatividade dos parlamentares. Depois que o senador Esteban Bullrich propôs a doação de embriões para a adoção, agora a deputada Marcela Campagnoli teve uma nova ideia: manter as gestações até a 20ª semana, aí tirar os fetos e deixá-los em incubadoras para que eles, por fim, sejam adotados. Isso para conciliar os “interesses em conflito” que existem entre a mulher e o embrião. Depois da chuva de críticas, a deputada disse que não é bem uma proposta, só uma “descrição” de algo que a ciência permite. O El País espanhol lembra que a maioria dos bebês nascidos muito prematuramente têm graves problemas de saúde e precisam passar por várias cirurgias para enfrentá-los.

E, depois de cumprir 15 anos na prisão, foi liberada a salvadorenha Maira Figueroa, condenada a 30 anos por homicídio por aborto – e nem foi intencional. No mês passado, Teodora Vásquez, presa pela mesma razão, também foi solta. Elas estão entre 17 mulheres condenadas em El Salvador, entre 1999 e 2011, após sofrerem abortos espontâneos.

ECONOMIA OU CORTE?

Ricardo Barros disse ontem, na Câmara, que o Ministério da Saúde economizou R$ 5 bilhões nos últimos dois anos, com a revisão de dois mil contratos. Foram R$ 3,7 bilhões só na compra de medicamentos. Mas a oposição aponta que há vários usuários sem remédios.

CONTRA O AUMENTO

Mais de 800 médicos e estudantes de medicina canadenses já assinaram um manifesto contra o aumento do salário da categoria em Québec. O  El País analisa o porquê. Na verdade, já faz muito tempo que federações de médicos solicitam ao governo de Québec que seus salários sejam equiparados aos de outras regiões do país. Nos últimos anos, o governo liberal tem feito vários cortes de verbas na área da saúde – gerando “sérias dificuldades em aspectos como os pronto-socorros, as condições trabalhistas para o pessoal de enfermagem e o atendimento domiciliar”, ao mesmo tempo em que é muito próximo das entidades que representam a classe médica. Segundo o jornal, a província nunca contou com tantos médicos e, entre 2006 e 2015, já foram autorizados vários aumentos salariais. O presidente do Agrupamento de Clínicos Gerais por Uma Medicina Comprometida, Simon-Pierre Landry, diz que “existe o risco de uma crise social se o reajuste for mantido”.

NÃO É DIREITO DE TODOS?

Uma carta aberta assinada por diversas organizações pede a deputados do Rio que mantenham o veto ao projeto de lei que impede o acesso de presos aos serviços de saúde.

CAMPANHA

O Ministério da Saúde lançou ontem uma campanha para aumentar a cobertura da vacinação contra meningite e HPV. A meta é imunizar 10 milhões de jovens e as escolas vão ser envolvidas.

NORTE EM ALERTA

Após sete anos de queda, o número de casos de malária aumentou em 50% no ano passado e o médico Pablo Fontoura, que pesquisa a doença no norte do país, avalia que um dos problemas é a descontinuidade das ações do programa de erradicação. A entrevista está na Rádio USP.

FEBRE AMARELA

Em Minas Gerais, já são 365 casos e 133 mortes, conforme boletim divulgado ontem. Dentre os casos ainda sob investigação, há 11 de pessoas que tinham sido vacinadas. O Rio também tem novos números: 150 casos e 60 mortes. Os EUA recomendam a vacinação para pessoas que queiram visitar o Brasil.

AGENDA

Amanhã tem, no Fórum Social Mundial, um debate de lançamento do Outra Saúde. O pesquisador Jairnilson Paim (ISC/UFBA) vai falar sobre os 30 anos do SUS.

E entre os dias 20 e 22 de março vai acontecer um seminário sobre “O SUS diante das violências“, preparatório para o Abrascão 2018.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos