OMS finalmente reconhece importância dos aerossóis na transmissão da covid

Atualização das formas de transmissão pode mudar foco da desinfecção de superfícies para distribuição de máscaras melhores

Esta nota faz parte da nossa newsletter do dia 3 de maio. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Após quase 14 meses de pandemia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) finalmente atualizou suas informações sobre as formas de transmissão do novo coronavírus, reconhecendo sem reservas a transmissão pelo ar. O novo texto diz que o vírus se espalha “principalmente” entre pessoas próximas, mas também que pode se espalhar por longas distâncias em ambientes fechados e/ou mal ventilados – “isso ocorre porque os aerossóis permanecem suspensos no ar ou viajam a mais de um metro”. 

No mês passado, pesquisadores de universidades dos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido escreveram um longo comentário sobre isso no periódico The Lancet. Eles criticaram uma recém-publicada revisão sistemática financiada pela OMS, cuja conclusão era a de que “a falta de amostras de cultura viral recuperáveis ​​de SARS-CoV-2 impede que conclusões firmes sejam tiradas sobre a transmissão aérea”. Contrapondo-se a tal dedução, eles listaram dez razões pelas quais as evidências disponíveis apoiam fortemente o domínio da transmissão por aerossóis (gotículas muito, muito pequenas que não caem rapidamente depois de emitidas).

Na verdade, cientistas vêm alertando sobre a contaminação pelo ar praticamente desde o começo da pandemia, como já discutimos bastante por aqui. Em julho do ano passado, mais de 200 publicaram uma carta aberta à OMS elencando evidências e pressionando a entidade a rever suas recomendações oficiais. De lá para cá, o organismo admitiu a possibilidade de o vírus se espalhar por aerossóis e seus representantes passaram a falar sobre a importância da ventilação. Mas, no site da organização, o texto oficial sobre forma de contaminação ainda dizia que eram necessários mais estudos para entender como e onde a transmissão pelo ar ocorria. Além disso, ainda circulam comunicações da OMS dizendo expressamente que “a covid-19 não é transmitida pelo ar” – e já passou da hora de apagá-las.

A mudança da OMS pode parecer muito pequena, mas não é. “A luta por esse reconhecimento não é uma disputa de terminologia ou uma questão puramente acadêmica. Isso influencia diretamente as ações de prevenção que tomamos e a forma como devemos agir para nos proteger”, tuitou Vitor Mori, membro do Observatório Covid-19 Br. A não-compreensão de como o vírus se transmite é um dos problemas por trás de políticas públicas que priorizam a desinfecção compulsiva de superfícies em vez de campanhas sobre o uso de respiradores PFF2, por exemplo. Ou de decretos locais que fecham parques mas abrem shoppings, o que ainda acontece hoje. Ou da ideia errada de que em ambientes onde não se usam máscaras, como bares e restaurantes, basta haver distanciamento para garantir segurança.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: