Intervenção no Rio só deslocou os crimes

Mortes violentas e roubos de carga aumentaram no interior do estado. Leia também: armas foram encontradas em clínicas psiquiátricas; nova análise corrobora ligação de glifosato com câncer; e muito mais

MAIS:
Esta é a edição de 14 de fevereiro da nossa newsletter diária: um resumo interpretado das principais notícias sobre saúde do dia.
Para  recebê-la toda manhã em seu e-mail, é só clicar aqui.

TUDO DE RUIM

Os números da intervenção federal no Rio publicados ao longo dos últimos meses já indicavam o fracasso, e o relatório final do Observatório da Intervenção, que vai ser divulgado hoje, não deixam mais dúvidas. “Um modelo de intervenção baseado em operações militares grandiosas que, na prática, reduziram um pouco o roubo de cargas, mantiveram estáveis os registros de crimes violentos e aumentaram o número de homicídios cometidos por policiais em atividade – um modelo a não ser seguido”, resume a matéria do Estadão.

O número de mortes violentas no estado até caiu – mas muito pouco, 1,7%. E ainda por cima não foi uma estabilidade generalizada: enquanto na capital e na baixada fluminense houve quedas significativas (9,4% e 6,5%), no interior do estado elas aumentaram 15%. Ou seja, a atuação criminosa não caiu, mas se deslocou. E o número de mortes provocadas por agentes do estado cresceu  33,6%, chegando a 1.375. Ao todo, 99 agentes foram mortos, a maioria de baixa patente. 

Mas os efeitos negativos estão além do número de mortes. Os tiroteios aumentaram 56,6% durante os nove meses de intervenção. E seus impactos são mais difíceis de medir. A coordenadora do Observatório, Silvia Ramos, aponta que tiroteios deixam feridos, pessoas que não conseguem sair para trabalhar, postos de saúde e escolas fechados, transporte interrompido, crianças com síndrome do pânico. 

Para não dizer que a intervenção foi um fracasso absoluto, se poderia argumentar que o roubo de cargas diminuiu 17,2%. Mas, de novo, o que aconteceu foi um deslocamento. Isso porque em Niterói ele aumentou 19,1%, e no interior do estado houve um crescimento bem impressionante, de 46,5%. 

O novo governador, Wilson Witzel, nunca escondeu sua afeição por uma polícia que mata. Na campanha, prometeu que policiais farão cursos de sniper, que “a polícia vai mirar na cabecinha” etc. Mas depoimentos de moradores de Manguinhos, favela carioca, indicam que os tiros a distância já são uma realidade. Um relatório da Defensoria Pública reúne depoimentos que descrevem disparos sendo feitos por snipers desde o ano passado, a partir de uma torre, o que é corroborado por uma perícia do Ministério Público na mesma torre. Seis pessoas já morreram.

ATÉ NO LIVRO

Mais de 20 armas (inclusive uma caneta-pistola e um revólver escondido em um livro) e 1,9 mil cápsulas de munição irregulares foram encontradas em locais surpreendentes: escritórios de clínicas psiquiátricas em Londrina. Uma investigação apura irregularidades nelas. Há indícios de fraudes nos prontuários para receber mais verba do SUS: com adiamento das altas, por exemplo.  Mas também há suspeitas de maus tratos e cárcere privado. “Encontramos pacientes amarrados em macas e poltronas”, relata o promotor. 

AUTOCONTROLE NA CORRUPÇÃO

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, anunciou ontem que os ministérios vão passar a ter um sistema de autocontrole para combate à corrupção, para “dar o exemplo” para a sociedade. Duas pastas se voluntariaram para testar a experiência: Saúde e Agricultura. “Deveremos nas próximas semanas implantar em cada um deles duas unidades de integridade e combate à corrupção. Nosso plano é fazer uma experiência no primeiro semestre e no segundo semestre levar a todos os demais”. A ideia é montar estruturas similares à da Controladoria-Geral da União. Ele disse que vão fazer experiências piloto nos dois para o governo “aprender” e escolher o melhor modelo.

MAIS MÉDICOS

O Ministério da Saúde informa que todas as vagas remanescentes do Mais Médicos foram preenchidas por brasileiros, e não será preciso chamar estrangeiros. Ontem foram selecionadas as últimas 1.397 vagas restantes. Mas são brasileiros formados no exterior e que não fizeram o Revalida. Ao contrário do que acontecia desde o início com os cubanos, no caso deles não tem havido oposição em relação à formação. Agora, os novos médicos do programa precisam se apresentar nas cidades. 

Normalmente, o período de capacitação deles seria de quatro semanas, com avaliações periódicas, e só seriam encaminhados para as cidades os que passassem nesse curso. Mas o governo vai reduzir a carga horária da capacitação para os médicos chegarem logo. 

O governo cubano estima que 836 de seus médicos ficaram por aqui após o fim do acordo. Na terça, ofereceu a eles possibilidade de retorno e oportunidades de trabalho. 

NOVO ARGUMENTO

Saiu mais uma análise sobre os danos de agrotóxicos à base de glifosato, justo os mais usados no mundo. Conduzida por cinco pesquisadores norte-americanos e publicada na Mutation Research, ela avaliou todos os estudos em humanos já publicados sobre isso, e concluiu que pessoas com atlas exposições a ele têm 41% mais chances de desenvolver linfomas não-Hodgkin. Hoje a Monsanto (produtora do Round up,o mais famoso produto com glifosato) e sua proprietária Bayer enfrentam mais de 9 mil processos nos EUA movidos por pessoas com esse tipo de câncer. A Monsanto afirma que não há pesquisas científicas sustentando uma correlação entre a doença e o seu herbicida, mas a nova análise pode complicar essa defesa. 

IMPARÁVEL

O problema das infestações de escorpião que agora ameaçam até lugares no país onde esses bichos nunca estiveram antes, como nos frios estados do Sul, pode não ser apenas difícil de resolver. Para Hamilton Carvalho, pesquisador em Problemas Sociais Complexos da USP,  é provável que seja tarde demais para impedir a disseminação dos escorpiões nas cidades brasileiras.

Elas oferecem abrigo nos esgotos, muita água e lixo não recolhido, e não há predadores naturais. São o ambiente perfeito para a multiplicação dessa espécie tão adaptável. Carvalho afirma que o governo deveria estar atuando em várias frentes ao mesmo tempo, mas parece que nada está acontecendo. “Apesar da obstinada cobertura da imprensa, as autoridades federais de saúde mal falaram publicamente sobre o problema do escorpião urbano no Brasil. E, além de alguns esforços mornos em nível nacional e estadual para treinar profissionais de saúde sobre o risco de escorpião, as autoridades parecem não ter nenhum plano para combater a infestação no nível epidêmico para o qual ela está se dirigindo”, escreve, em artigo publicado na Conversation e repostado pela Galileu.

BOA NOTÍCIA

Uma vacina terapêutica desenvolvida em um órgão ligado ao governo italiano conseguiu reduzir em 90% a “reserva” de vírus latente em pacientes contaminados com o HIV. Isso é importante porque os vírus latentes não são afetados pelos medicamentos antirretrovirais. A vacina VAT foi dada a pacientes de oito hospitais italianos, e apresentou esta redução em um período de oito anos. 

MAIS QUE BAD TRIP

Pesquisadores da Universidade de Oxford e da Universidade McGill, de monteral, encontraram evidências “robustas” de que o uso de maconha na adolescência aumenta em 37% o risco de desenvolver depressão na idade adulta. A equipe analisou 11 estudos anteriores, cobrindo mais de 23 mil jovens, excluindo os que já tinham sinais de depressão ou histórico familiar. 

CRIMINALIZAR

O STF começou ontem e marcou para terminar hoje o julgamento de uma ação para criminalizar a homofobia. Pela ação, a comunidade LGBT seria considerada ‘raça social’, e a homofobia seria punida como crime de racismo, ou seja, inafiançável e imprescritível, com pena de um a cinco anos de reclusão. 

Os ministros vão decidir se o Supremo pode criar regras temporárias para punir agressores, já que no Congresso não está fluindo, embora desde 2001 tramitem projetos. 

Já há legislações em sete estados e dois municípios para proteger LGBTs.

MAIS UM MÉDIUM

Maury Rodrigues da Cruz, presidente da Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas (SBEE), é acusado de estelionato e violação sexual de 76 homens.  Na próxima semana, vai ter sua primeira audiência.

MUNDO ESTRANHO

Um indiano de 27 anos está processando os pais por ter nascido. Ele sabe que não vai ganhar, mas quer chamar atenção para sua causa, o antinatalismo. 

ALERTA

Entre dezembro e janeiro, foram confirmados 36 casos de febre amarela no Brasil, com oito mortes. A OMS alertou ontem para uma possível terceira onda de surto da doença. 

EM FOTOS

Gaël Cloarec fotografou a crise de ebola na República Democrática do Congo. Na Vice

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: