EUA saem oficialmente do Acordo de Paris

Donald Trump vem acabando sistematicamente com políticas e regras ambientais estabelecidas no governo Obama; Biden promete reverter guinada

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 4 de outubro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Os Estados Unidos saíram oficialmente do Acordo de Paris, tornando-se a única nação do mundo a fazê-lo. Ao longo dos últimos quatro anos, Donald Trump reverteu ou revogou sistematicamente várias regras e políticas estabelecidas durante o governo Obama. Somadas, suas intervenções têm o poder de adicionar cerca de 1,8 bilhão de toneladas de gás carbônico à atmosfera nos próximos 15 anos. A saída não é irreversível e o resultado das eleições, que chegará em breve, pode mudar tudo: entre as principais promessas de campanha de Joe Biden estão voltar ao Acordo e desfazer todas as revisões de Trump – o que, no entanto, pode levar anos. 

Enquanto o país se afastava de medidas de proteção ambiental, outros países tomaram a dianteira: China e União Europeia assumiram a liderança, atingindo bons níveis de redução nas emissões de gases do efeito estufa. Ao todo, mais de 60 países se comprometeram a zerar suas emissões líquidas até meados do século. Mas, segundo especialistas ouvidos na matéria da Nature, dificilmente a saída dos EUA poderá ser balanceada pelas outras nações. Afinal, trata-se do segundo maior emissor do mundo, depois da China.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos