Até na poeira: vírus respiratórios podem se propagar por partículas minúsculas

Usando porquinhos-da-índia, cientistas descobrem transmissão de vírus da gripe por partículas sólidas microscópicas. Cientistas se preocupam com SARS-CoV-2

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 20 de agosto. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Um experimento com porquinhos-da-índia mostrou que o vírus da gripe pode pegar carona em partículas microscópicas, como poeira, se espalhar no ar e atingir em cheio o nariz de indivíduos sadios. O estudo, publicado esta semana na Nature Communications, teve início muito antes de a pandemia explodir e trata especificamente da influenza A nas cobaias. Mas é claro que, no contexto atual, levanta mais uma possível fonte de preocupação: e se o SARS-CoV-2 também se comportar dessa maneira?

Sabemos que superfícies contaminadas podem ser vetores de vários vírus respiratórios quando as pessoas encostam nesses lugares e, em seguida, levam a mão ao nariz ou à boca. Essas superfícies são chamadas fômites, e os cientistas da Universidade da Califórnia que conduziram os testes com os roedores falam em algo muito mais complicado: os fômites aerossolizados, que são sólidos minúsculos, como poeira, células mortas de pele e fibras de roupa, onde os germes podem grudar – e viajar. Foram feitos vários testes em que porquinhos-da-índia com vírus contaminaram outros não-infectados em gaiolas separadas, mas anexas. Isso acontecia com os roedores acordados e se mexendo, mas também quando os bichos contaminados estavam desmaiados e imobilizados. Os pesquisadores foram mais longe: sacrificaram algumas das cobaias contaminadas e, mesmo sem respirar e inertes, elas liberaram a mesma quantidade de partículas com vírus. Os cientistas também pegaram porquinhos-da-índia que já haviam sido infectados e curados, estando imunes, e usaram um pincel para revestir seu pelo de vírus. E mesmo assim houve contaminação. A única explicação possível é que o vírus passou pelo ar, e não pode ter sido pela respiração.

Embora isso tenha acontecido com o influenza A, não temos a menor ideia se outros vírus, como o SARS-CoV-2, podem se comportar assim também. Mas especialistas ouvidos pelo Wired acreditam que é algo a se prestar atenção. Até porque isso significaria muito em relação à proteção de trabalhadores que atuam na limpeza, por exemplo – uma atividade simples como varrer o chão é algo que levanta uma infinidade de partículas. Entre fevereiro e março, quando pesquisadores analisaram amostras de aerossol em dois hospitais de Wuhan, descobriram que os níveis de coronavírus no ar eram maiores nos locais onde a equipe médica trocava suas roupas de proteção. Na época, os autores já levantaram a hipótese de que o vírus estava sendo suspenso no ar pelo ato de remover as roupas contaminadas. Ninguém deu muita atenção porque eles não testaram se os vírus encontrados eram capazes de infectar pessoas.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos