A tentativa de acordo de vítimas brasileiras com a Bayer

Cerca de 300 mulheres buscam indenização da gigante por implante contraceptivo

Esta nota faz parte da nossa newsletter do dia 3 de agosto. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Cerca de 300 brasileiras estão buscando um acordo indenizatório com a Bayer por danos à saúde relatados após o implante do dispositivo Essure. O produto foi lançado em 2002 como uma alternativa simples à laqueadura de trompas: não precisa de cirurgia, podendo ser implantado em ambulatório.

Com quatro centímetros e a espessura de um fio de cabelo, ele é inserido até o interior das trompas e estimula a produção de tecidos no local; cria-se assim uma barreira que impede a contracepção, explica o Deutsche Welle.

No Brasil, a Anvisa concedeu seu registro em 2009. Embora o Essure nunca tenha sido incorporado ao SUS, foi comprado por alguns gestores estaduais e implantado em cerca de oito mil mulheres. Em 2017, a Anvisa proibiu o uso por questões de documentação, mas depois liberou de novo. Em 2018, porém, a própria Bayer pediu o cancelamento do registro – não por segurança, mas por “motivos comerciais”, disse a farmacêutica à Folha. 

Nesse meio tempo, várias mulheres começaram a ter reações como dor crônica, fadiga, perda de cabelo, sangramento vaginal e depressão, e alguns prontuários citam a movimentação do dispositivo pelo corpo com pedaços distribuídos pelas trompas. A única forma de retirada é por meio de cirurgia com remoção do útero e, em alguns casos, também das trompas. Ainda segundo a Folha, não há estudos robustos que expliquem a correlação entre esses sintomas e o implante.

Mas eles também foram relatados fora do Brasil. Nos Estados Unidos, a FDA (análoga à Anvisa) recebeu quase 64 mil reclamações de pacientes desde 2002; entre os efeitos relatados estão dores, irregularidades menstruais, fragmento de dispositivo na paciente, perfuração, dor de cabeça, fadiga, flutuações de peso e depressão.

Lá, no ano passado a Bayer aceitou um acordo para pagar 1,6 bilhão de dólares (R$ 8,2 bilhões) para resolver cerca de 90% das ações na Califórnia e na Pensilvânia. O grupo brasileiro espera conseguir 30 milhões de euros (R$ 180 milhões). Processos semelhantes estão sendo movidos na Holanda e no Reino Unido.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: