A Rússia age em silêncio

Pré-reconhecimento da Abkhasia e Ossétia confirma ambições de Moscou e expõe hipocrisias da “comunidade internacional”

(continuação da postagem anterior)

A aceitação da independência de Kosovo pelos demais países do mundo pode ser bem mais lenta do que se previa. Já no domingo (18/2, dia da proclamação), a Rússia convocou uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU, onde deixo claro que irá defender a manutenção da província sob soberania sérvia. A posição foi acompanhada (com menos ênfase) pela China. Como o reconhecimento, pelas Nações Unidas, de um novo país depende do Conselho de Segurança, é possível que o processo se arraste.

A postura desinibida da Rússia contrasta com a impotência que a caracterizou na década passada, quando a ex-Iugoslávia, na esfera de influência de Moscou, sofreu sucessivas secessões, estimuladas pelo Ocidente. Numa região explosiva como os Balcãs, a divisão das grandes potências do planeta, cada uma defendendo acima de tudo seus próprios interesses, pode gerar situações explosivas. O jornal espanhol El País hoje a preparação, em Belgrado, capital da Sérvia, de uma mega-manifestação popular contra a independência de Kosovo.

Ainda no domingo, segundo informa o New York Times. Moscou preparava um troco. As duas casas do Parlamento aprovaram, em princípio, a independência, em relação à Geórgia, de duas províncias onde a maioria étnica é russa: a Abkhazia e a Ossécia do Sul.

TEXTO-MEIO

Uma declaração oficial do Parlamento expõe a hipocrisia e a política de dois pesos e duas medidas, que tanto a Rússia quanto as potências ocidentais praticam em relação à independência de Estados mais fracos: “O direito das nações à auto-determinação não pode justificar o reconhecimento da independência de Kosovo, em paralelo à recusa de discutir atitudes similares adotadas por outros Estados auto-proclamados”…

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Antonio Martins

Antonio Martins é Editor do Outras Palavras