Manaus e o fracasso do saneamento privatizado

20 anos após Grupo Aegea prometer universalizar sistema, menos de 13% dos manauaras têm esgoto. Brasil vai na contramão mundial: o privado piora e encarece o serviço — por isso, 260 cidades no mundo, Paris entre elas, reestatizaram-no

Quer saber como será o futuro do saneamento privatizado do Brasil? É só ver os dados do saneamento de Manaus, o preço da água, a satisfação dos clientes, a abrangência do que foi feito até hoje. No ranking das dez piores cidades em coleta de esgoto, Manaus é a sexta colocada com apenas 12,43% da população beneficiada, dado do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS – base 2018)1. A situação de Manaus é pior que Belém e Macapá. E é bom sempre lembrar que o saneamento básico envolve o abastecimento de água, coleta e tratamento de esgoto, manejo dos resíduos sólidos e a drenagem da água de chuva.

O serviço controlado pelo Grupo Aegea Saneamento e Participações, que atua na cidade através da concessionária Águas de Manaus, tem esse serviço público sob sua responsabilidade desde o ano 2000. Portanto, 20 anos para fazer o que fizeram em termos da tão propalada eficiência do setor privado. Bom observar que é uma Parceria Público Privada (PPP), não uma privatização como a proposta no projeto agora aprovado.

O velho discurso do capital nunca se faz de rogado. Anuncia que haverá bilhões de reais em investimentos, milhões de empregos serão gerados, que os índices nacionais de saneamento são uma vergonha e precisam ser melhorados. De fato, nossos índices são vergonhosos, mas a solução apontada é mais vergonhosa ainda.

O Brasil criou uma lei e uma política de saneamento básico (11.445/2007), criou um Ministério das Cidades depois desfeito, tem recursos do FGTs e outros para investir no setor. O que sempre faltou foi vontade política.

+ Em meio à crise civilizatória e à ameaça da extrema-direita, OUTRAS PALAVRAS sustenta que o pós-capitalismo é possível. Queremos sugerir alternativas ainda mais intensamente. Para isso, precisamos de recursos: a partir de 15 reais por mês você pode fazer parte de nossa rede. Veja como participar >>>

Se a privatização fosse a solução Paris e mais de 260 cidades do mundo não teriam desprivatizado seus serviços de água. E o argumento é bem simples, os serviços pioraram de qualidade e se tornaram muito mais caros. Então, o único remédio foi desprivatizar.

O capital vai seguir o roteiro das outras privatizações já tão óbvias, isto é, onde houver lucro, vai investir. Onde houver despesas deixará o osso para o Estado, como já disse claramente o senador Jaques Wagner da Bahia. Assim são as estradas, os aeroportos e demais serviços privatizados. Pior, se der errado, devolvem o bagaço para o Estado.

Sem ilusões, só restarão privatizados os serviços de saneamento lucrativos. Nosso povo empobrecido e periférico continuará na lama, no meio dos esgotos, nas inundações, no lixo e sem água potável para beber.

OBS: É preciso analisar melhor o projeto aprovado, já que parece estabelecer o mercado de outorgas de água, uma mercantilização dos mananciais que tínhamos derrotado até agora, o que seria o horror dos horrores. Mas, esse é assunto para outro texto.

1 O saneamento privatizado de Manaus lidera o ranking de reclamações. https://amazonasatual.com.br/o-saneamento-privatizado-de-manaus-lidera-o-ranking-de-reclamacoes/

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

7 comentários para "Manaus e o fracasso do saneamento privatizado"

  1. Matheus disse:

    Quase 15 anos no poder e não conseguiram fazer nada em favor da expansão do saneamento básico. Agora que foram chutados falam: “ah, faltou vontade política”.
    Ficar criando burocracia estatal e jogar dinheiro público por si só não trás melhorias. Tão difícil pra esquerda aprender.
    E ninguem espera que 1 site de esquerda faça jornalismo de vdd, mas pelo menos sejam coerentes. Se vcs dizem no título que certo serviço é privatizado não dá pra falar que é só uma PPP no texto. Qualquer pessoa minimamente inteligente sabe disso.

  2. JOSELEY LIRA disse:

    Que sandice esse doutor falou acima.. Alguns precisam aprender que o capital só vai onde existe o lucro, portanto por mais interesse e boa vontade de alguns políticos ninguém em sã consciência irá investir seu dinheiro e não ter retorno, é preciso construir igualdade entre os diferentes, e apenas o Estado com boa vontade e interesse político seria capaz de dosar esse investimento..

  3. Juraci Gomes de Menezes disse:

    O que a esquerda sabe fazer, e o muito bem, é inchar a máquina pública. Criarbcabude de emprego para seus compinchas. Ficaram mais de vinte anos no poder, se contarmos a era FHC e Temer , o que fizeram de bom em termos de saneamento.? Nada absolutamente nada.!! Morei em Anápolis-GO onde o saneamento é feito por uma empresa pública, SANEAGO. Uma empresa estatal. Tem em Anápolis, o pior sistema de abastecimento de água do Brasil. Cheguei a ficar cinco dias sem água em minha casa. De não ter água nem parabescovar os dente. Antes disso, morei em Hortolândia-SP. Cidade abastecida pela SABESP. Também estatal do governo do Estado de São Paulo. Lá na era diferente. Ficava dias e dias sem água. Agora moro em Manaus- AM. Onde a distribuição de água é feita por uma empresa privada. Não posso opinar sobre isso. Pois moro em local afastado de centro. A água aqui é de poço artesiano. E o esgoto é de fossa. O que vejo ao andar pela cidade, é água cinza( de pia e banheiro) correndo a céu aberto. No interior pra onde sempre viajo; onde o saneamento é feito pelas Prefeituras, através dos DAREs, a situação não diferente.
    Não defendo a privatização e nem a estatização; mas sim um serviço de qualidade para a população. Cabe à população e aos órgãos FISCALIZADORES, cobrarem um serviço de qualidade por um preço justo. INCLUSIVE COMBATENDO O FURTO DE ÁGUA DO SISTEMA DE ABADTECIMENTO. O que não é pequeno.

  4. Dr Camargo disse:

    Ao contrario do que diz a matéria, a Companhia de Saneamento do Norte (CSN), que controlava a Manaus Ambiental, concessionária dos serviços de água e esgoto de Manaus, foi comprada pela Aegea Saneamento e Participações S.A, assumindo a concessão de Manaus em FEVEREIRO DE 2018, ou seja há dois anos, e não há 20 como alega o mau-informado (?) autor da matéria Roberto Malvezzi.
    Favor corrigir a matéria retratando a verdade.

  5. Dr Camargo disse:

    Diferentemente do que alega o texto, a AEGEA é uma das empresas mais premiadas na área ambiental pela sua excelência de atuação, como pode se ver abaixo:

    https://www.portalmarcossantos.com.br/2019/12/13/aguas-de-manaus-vence-premio-nacional-promovido-pela-onu/

    https://exame.com/negocios/releases/aegea-ganha-premios-que-atestam-sua-contribuicao-para-evolucao-do-saneamento/

  6. Jean Claude disse:

    A informação de que o Grupo Aegea é o responsável pela prestação de serviços há 20 anos, na cidade de Manaus é INCORRETA, uma vez que a companhia ganhou a concessão para iniciar os serviçõs a partir de feveireiro de 2018. Corrijam, pois se trata de uma afirmação errada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *