A Tecnologia da Adaptação — e como vencê-la

Falta à esquerda uma crítica mais profunda às redes sociais e à captura e tráfico de dados. Não se trata de “desmembrar o Facebook”, mas de opor, às “inovações” que apenas conservam a ordem social, uma possível Tecnologia Rebelde

Por Evgeny Morozov | Tradução: Gabriela Leite

No momento em que o Facebook confessa seus pecados digitais e promete tornar-se cidadão da aldeia global, respeitoso da vida privada e preocupado em evitar a compulsão digital, as bases da hegemonia cultural das grandes empresas de tecnologia parecem estar desmoronando. Mais surpreendente ainda: é nos Estados Unidos, país do Vale do Silício, que parecem estar mais fracas.

Mesmo em tempos de extrema polarização e de guerras comerciais, Trump, que tem constantes explosões contra a “censura” em plataformas de redes sociais, junta-se a políticos de esquerda como Elizabeth Warren e Bernie Sanders, ao apresentar a Big Tech como a maior ameaça aos EUA. O recente apelo de Chris Hughes, cofundador [afastado] do Facebook, para que a empresa seja “quebrada” dá pistas do que está por vir.

Nem os magnatas do Vale do Silício, nem os mercados financeiros parecem se preocupar, no entanto. A decisão recente de Warren Buffet — um dos investidores mais bem sucedidos, mas também mais conservadores dos EUA — de finalmente investir na Amazon é provavelmente uma indicação melhor do que esperam os gigantes da tecnologia em médio prazo: lançamentos na bolsa com resultados mais polpudos, mais dinheiro saudita, mais promessas para aplicação de inteligência artificial para resolver problemas causados pela inteligência artificial.

Mais de um ano após o escândalo da Cambridge Analytica, o debate sobre as grandes empresas de tecnologia continua restrito às mesmas questões velhas e batidas: eficiência de mercado, evasão fiscal e modelos de negócio que provocam, deliberadamente, dependência. Apesar de atraírem os eleitores, tais temas não abrem caminho algum para gestar um futuro alternativo, no qual os cidadãos possam se ligar a instituições sociais mais ricas que a fábrica ou o supermercado.

Os dois campos ideológicos, apesar de sua suposta convergência sobre as grandes empresas tecnológicas, provavelmente não usarão esse debate para reinventar seus próprios projetos políticos. Aqueles à direita que esperam conseguir resultados eleitorais ao atacar a Big Tech ainda estão calados sobre qual sua alternativa preferida de futuro. Além disso, como muitos desses movimentos desejam o retorno a uma sociedade conservadora e corporativista, comandada por forças não submetidas ao voto dos eleitores, o Vale do Silício, com sua vasta infraestrutura digital preparada para o soft power, é seu aliado natural.

No cenário internacional, o mito do salvamento pela tecnologia adquire força extra, já que há muito mais “salvação” a ser oferecida pelos gigantes. Isso estimula alguns líderes populistas a fantasias de transformar seus países em enormes feudos, eficientemente comandandos por algum suserano tecnológico. Tanto que o governo Bolsonaro, no Brasil, anunciou orgulhosamente que “sonha” com o Google ou a Amazon controlando seu serviço nacional de correios, que quer privatizar.

O Brasil de hoje, tão propenso a crises, revela ainda outra consequência de entregar o espaço anteriormente ocupado pela política ao complexo industrial da Big Tech. O efeito de longo prazo de suas atividades supostamente revolucionárias é, na verdade, cimentar o status quo, mesmo que isso seja feito por meio de soluções extremamente disruptivas.

Em nenhum lugar é tão evidente quanto as tecnologias digitais estão sendo usadas para lidar com os mais agudos problemas sociais. À medida em que as taxas de criminalidade decolam, o Brasil torna-se um cadinho de inovação no que podemos chamar de Tecnologia da Adaptação, com uma panóplia de ferramentas digitais sendo usada para checar a segurança de ruas e bairros, e para coordenar “respostas” conjuntas em nível comunitário.

O Waze, um aplicativo popular de propriedade da Alphabet-Google, já alerta usuários de grandes cidades, como São Paulo e Rio de Janeiro, de que estão prestes a entrar em uma parte perigosa da cidade (a procedência dos dados que alimentam tais recomendações no geral é bastante obscura). Da mesma forma, moradores preocupados com a taxa de criminalidade em seus próprios bairros cada vez mais usam ferramentas como o WhatsApp para compartilhar informações sobre atividades suspeitas em tais áreas.

Com a piora da situação — e não apenas no Brasil — tais tecnologias permitem que cidadãos sobrevivam em meio ao caos, sem demandar nenhuma transformação social. A última década, com sua celebração à “austeridade”, tem sido boa para os negócios da Big Tech também. Toda a explosão tecnológica que seguiu à crise financeira de 2007 e 2008 pode ser explicada por essas lentes, com seus capitalistas de risco e fundos soberanos, que subsidiaram temporariamente a produção em massa da Tecnologia da Adaptação aos despossuídos e descontentes.

“Tecnologia de Adaptação”, contudo, é marca muito ruim para intitular conferências ou manifestos laudatórios. Ao invés disso, fala-se da “economia do compartilhamento” (com startups que ajudam os pobres a sobreviver, aceitando empregos precários ou alugando suas posses), da “cidade inteligente” (com os municípios entregando sua soberania tecnológica — em troca de serviços temporariamente gratuitos — às gigantes digitais), das “fintechs” (que apresentam como uma revolução de “inclusão financeira” os bancos que emprestam para os mais jovens, capturando e vendendo seus dados).

A não ser que as condições econômicas melhorem — uma hipótese improvável — os governos continuarão sua aliança implícita com a indústria tecnológica: é a única maneira de garantir que as multidões, crescentemente infelizes com os sacrifícios fiscais e comportamentais (vide os Gillets Jaunes) recebam pelo menos uma quantidade módica de segurança e prosperidade, embora de curto prazo e ilusória.

E assim, chegamos ao resultado paradoxal de hoje: 99% das inovações tecnológicas visam apenas assegurar que nada de substancial se rompa na sociedade. A miséria material e moral persiste, nós apenas nos adaptamos melhor a ela — com sensores, mapas, inteligência artificial e — por que não? — computação quântica. O verdadeiro evangelho da Big Tech, hoje — sancionado e celebrado por governos — é a inovação para o propósito da conservação.

Os programas devem ser lançados e celebrados sob a bandeira de “transformação digital”. Mas, na realidade, implicam muito pouca consciência e transformação social. Ao invés disso, o que é vendido sob essa chancela é a ideia exatamente oposta, por exemplo: a noção de que indivíduos e instituições devem se adaptar — e não transformar — o mundo tecnológico ao seu redor. Segundo se prega hoje, a “transformação digital” significa transformar as instituições e indivíduos para ajustá-los às condições sociais aparentemente imutáveis — e não o oposto disso.

As políticas favoritas dos que se dizem progressistas — quebrar a Big Tech, ou mesmo redistribuir seus dados — podem resolver alguns problemas reais. Mas é difícil ver quanto enfraqueceriam um mundo de Tecnologia da Adaptação. No fim das contas, tais engrenagens virtuais podem ser perfeitamente preenchidas por centenas de start-ups — o mundo alternativo da “tecnologia pequena e humana” — e não apenas pelos gostos da Microsoft e da Amazon.

Como alternativa, podemos imaginar um mundo futuro alternativo da Tecnologia Rebelde, que não vê as relações sociais como inscritas em pedra, para ser apenas aceitas e ajustadas por meio das últimas tecnologias. Ao invés disso, tecnologias poderiam ser adotadas para alterar, dar forma e — sim — articular a rebeldia contra condições sociais enraizadas. As distinções entre a Tecnologia da Adaptação e as Tecnologias Rebeldes não são apenas filosóficas; políticas mais inteligentes podem nos levar a mais do segundo conceito e menos do primeiro.

Quebrar as gigantes tecnológicas, fazê-las pagar um volume justo de impostos, fazer melhor uso de seus dados: são todas condições necessárias. Mas, infelizmente, insuficientes para transformação social efetiva — não apenas a individual ou institucional. Hoje, slogans ditos progressistas são frequentemente construídos a partir de pontos de partida depressivamente conservadores. Eles implicam que, contanto que a indústria tecnológica aceite sua responsabilidade como sucessora ungida da indústria automobilística — tornando-se, no melhor dos casos, uma impulsionadora mais ecologicamente correta do crescimento econômico — voltaremos em algum momento ao confortável e próspero mundo como o dos anos 1960 e 1970 quando reinava, nos países ricos, a social-democracia.

Embora essa visão pareça atraente, ela apenas camufla a falta de qualquer pensamento estratégico entre as forças progressistas ou social democratas sobre um tema crucial. O surgimento da Big Tech é uma consequência, não a causa, de nossa crise política e econômica; nós não vamos resolvê-la meramente nos livrando da Big Tech ou reprimindo suas operações.

A Tecnologia Pequena e Humana pode ser de alguma valia. Porém, sem uma visão mais abrangente — e um plano concreto — para abandonar a Tecnologia da Adaptação em favor da Tecnologia Rebelde, as forças progressistas não vão ter muito a dizer sobre a técnica — e, portanto, a política contemporânea.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

4 comentários para "A Tecnologia da Adaptação — e como vencê-la"

  1. André disse:

    Gente, não queria ser aquele comentarista chato, mas vou fazer esse papel. Acredito na proposta do site (e do artigo): acho que para acabarmos com o capitalismo, não basta fazer a crítica; tem que fazer melhor.
    Vocês precisam de editores e revisores. Ideias geniais não circulam se permanecerem enterradas num texto críptico, confuso, caótico. Qual é O PONTO? Porque ele não é afirmado logo no começo? Quais são as evidências? Seria possível deixar elas mais claras? Escolher apenas o que é contundente? E que tal pensar nas objeções de leitores críticos? Se trata de uma tradução? Por que raios alguém escreve “adição” em vez de “vício”?

    Esse parágrafo:

    “Em nenhum lugar, é mais evidente o quando as tecnologias digitais estão sendo usadas para lidar com os mais agudos problemas sociais. À medida em que as taxas de criminalidade decolam, o Brasil se tornou um cadinho de inovação no que podemos chamar de Tecnologia da Adaptação, com uma panóplia de ferramentas digitais sendo usada para checar a segurança de ruas e bairros, e para coordenar “respostas” conjuntas em nível comunitário.”

    Não se trata de gramática, nem de erros de digitação que confundem a gente (quando/quanto) mas de confusão sintática. “Em nenhum lugar é evidente o quanto”? As taxas “decolam” (informal, clichê), “cadinho” (quem usa isso???), “panóplia” (sério mesmo?). “À medida…” (Indica algo em duração), “decolam” (no presente), “se tornou” (pretérito). “Checar”? Outra vez, parece tradução.

    E são parágrafos e mais parágrafos de texto assim! Quantas ideias boas, mas desperdiçadas…

    Devo imaginar a dificuldade de editar e revisar tudo, mas sem compromisso com um padrão minimamente aceitável, vocês só vão perder a credibilidade.

    Força, continuem, abraços,
    André

    • Antonio Martins disse:

      Caro André:

      Seu comentário nos levou a rever o texto, e melhorá-lo. Obrigado! Porém, o fato de você não concordar com as ideias, ou o estilo do autor, não o torna desimportante para os demais leitores. Gostamos bastante do Morozov e de suas ideias não-conformistas sobre a internet. Julgamos necessárias em todo o mundo e também no Brasil. Por outro lado, a tradução jornalística de um texto não pode aspirar, na maioria das vezes, à precisão de uma tradução literária — muito menos a não cometer erros. Temos um grupo de tradutores voluntários. Caso você se julgue apto e deseje participar dele, será muito bem-vindo.

  2. Yuri Reis disse:

    Olá pessoal, acompanho o Outras Palavras há tempos, e gostaria de saber a autoria desse texto tão preciso, para além da assinatura da “redação”.

    • Antonio Martins disse:

      Caro Yuri,

      Obrigado pelo alerta. Na pressa, não associamos o texto à ficha do autor, em nosso site. Trata-se de Evgeny Morozov, cientista social originário da Bielorrússia. Já está corrigido. Agora, você pode encontrar um pouco mais de informações, além de outro texto que também traduzimos, aqui: https://outraspalavras.net/author/evgenymorozov/

      Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *