O Mugica que era padre

Argentino, dedicou sua vida ao trabalho nas comunidades pobres. Debatia imperialismo e desigualdade social, e defendia o peronismo — por isso era detestado pelo poder estabelecido. Foi morto em 1974, por grupo anticomunista

No Brasil, a figura de Pepe Mujica é admirada e reconhecida, se tornando uma referência para o campo progressista. Porém, existe um personagem latino-americano, também Mugica, mas com “g”, cuja trajetória histórica é menos conhecida, mas também muito importante.

Carlos Mugica nasceu em 1930, na cidade de Buenos Aires, filho de uma família de classe alta. Seu pai foi deputado e ministro das relações exteriores, e sua mãe era filha de ricos estancieiros (fazendeiros). Em 1952 inicia seus estudos no seminário, ordenando-se padre em 1959.

Dedicou sua vida ao trabalho nas comunidades pobres de Buenos Aires, fundando a Paróquia do Cristo Operário na Villa 31. Os padres que se encarregavam desta tarefa eram conhecidos como curas villeros. Em contato com a dura realidade da pobreza, Carlos, em suas palavras, abandona a visão individualista do cristianismo:

“Um sacerdote francês, o abade Pierre, de quem ainda me recordo de uma frase decisiva: ‘Antes de falar de Deus a uma pessoa que não tem teto, é melhor conseguir-lhe um teto’. Quer dizer que conseguir teto a uma pessoa já é falar de Deus. Não esqueçamos que cristo curava os enfermos, dava o que comer aos que tinham fome e de beber aos que tinham sede. E não fazia para que depois escutassem o sermão, mas sim porque era essa sua maneira de amar: abraçando o homem por inteiro. Antes de entrar para o seminário, eu tinha uma visão maniqueísta da existência. A alma era boa e o corpo, mau. Isso vem de Platão, e entrou na Igreja com Santo Agostinho; essa concepção ainda perdura, sobretudo no que diz respeito ao sexo. Mas estamos vivendo um amplo processo de libertação para banir essa atitude individualista do coração da Igreja.”

Era uma época de grande efervescência cultural e política, de luta contra o imperialismo e pela justiça social, marcada pelo Movimento de maio de 1968 na França, Guerra do Vietnã (1955-1975), Revolução Cubana (1959) e Guerra de Argélia (1954-1962). A Igreja Católica não estaria imune a toda essa movimentação, surgindo o Movimento Sacerdotes para o Terceiro mundo (MSTMU), do qual Mugica faria parte.

Autodeclarado peronista, assim ele explicou sua opção:

“Hoje, os cristãos compreendemos que essa exigência do amor não tem só uma dimensão pessoal, mas também uma dimensão estrutural. Tenho que amar não apenas a nível de indivíduos, mas também a nível do povo. E foi a nível do povo que o peronismo, através de sua passagem pelo governo, realizou o mandato evangélico do amor real e verdadeiro aos humildes. Bastam poucos exemplos: 900 mil habitações, leis sociais que ergueram os humildes de sua situação de exploração desumana e possibilitaram que o povo trabalhador fosse pondo-se de pé. A gigantesca obra social realizada pela Fundação Eva Perón sob a sobre-humana condução da inesquecível Evita etc, etc.”

Interessante notar que a sua opção pelo peronismo tinha estreita relação com a maneira como via a população mais pobre: não como pessoas a serem tuteladas ou dirigidas, mas sim sujeitos ativos da história. Segundo Gastón Pauls, documentarista responsável produtor responsável por um documentário sobre a vida do padre, “A relação de Carlos com o peronismo e com a Igreja está muito ligada à relação de Carlos com os pobres. Mugica tornou-se peronista quando começou a notar que ele festejava a queda de Perón e os pobres não. Evidentemente, existe aí algo que deve ser escutado. Se os pobres estão tristes pela queda de Perón, há uma relação direta entre Perón e os pobres. Essa era a leitura que ele fazia de tudo”.

Um sacerdote que discutia abertamente temas como imperialismo e desigualdade social não era bem visto pelo alto clero. Para Alberto Sily, sociólogo e ex-padre integrante do MSTMU: “Carlos era um transgressor. Sua opção ‘agrediu’ os poderes estabelecidos, político, econômico e eclesiástico (…) Na nossa sociedade, dentro do sistema que a aprisiona e dentro de uma Igreja institucionalmente cúmplice, não se tolera a renúncia pública a uma classe social, nem a eleição da pobreza em vida e a convivência com os pobres, além de pobres, peronistas (…) Carlos também leu, como muitos, nas paredes do bairro Norte (habitat da oligarquia e sede do seu poder), nos dias que ia morrendo Evita, o grafite “viva o câncer”. Expressão de ódio mais cruel e inumano à mulher que os pobres mais amaram.”

Em 1973, esteve no voo que traz Juan Domingo Peron de volta a Argentina após um exílio de 18 anos na Espanha. Era uma época de grande polarização política no país, com a atuação de organizações paramilitares de extrema-direita, como a Triple A (Alianza Anticomunista Argentina), que entre 1973 a 1976 executa 1.122 pessoas, entre elas artistas, advogados, políticos de esquerda, estudantes e ativistas sociais. Foi esse grupo o responsável pela morte de Carlos, em 11 de maio de 1974 , alvejado pelas balas de uma metralhadora do lado de fora da igreja após a realização de uma missa. Em 1976 inicia-se a ditadura militar, que duraria até 1983, deixando um saldo de 30 mil mortos e desaparecidos, dentre eles aproximadamente 500 crianças.

Antes de falecer, teria dito a uma enfermeira:

Ahora más que nunca tenemos que estar junto al pueblo”.


Notas:

1) Em 2012 foi lançado o filme “Elefante Branco”, dirigido por Pablo Trapero, inspirado na vida de Carlos Mugica e estrelado por Ricardo Dárin, Martina Gusman e Jeremie Renier.

Vídeo com o trailer do filme: https://www.youtube.com/watch?v=upeqO7aIZ2I.

2) Oração aos pobres, letra de Carlos Mugica:

Señor: perdóname por haberme acostumbrado a ver que los chicos parezcan tener ocho años y tengan trece.
Señor: perdóname por haberme acostumbrado a chapotear en el barro. Yo me puedo ir, ellos no.
Señor: perdóname por haber aprendido a soportar el olor de aguas servidas, de las que puedo no sufrir, ellos no.
Señor: perdóname por encender la luz y olvidarme que ellos no pueden hacerlo.
Señor: yo puedo hacer huelga de hambre y ellos no, porque nadie puede hacer huelga con su propia hambre.
Señor: perdóname por decirles “no sólo de pan vive el hombre” y no luchar con todo para que rescaten su pan.
Señor: quiero quererlos por ellos y no por mí.
Señor: quiero morir por ellos, ayúdame a vivir para ellos.
Señor: quiero estar con ellos a la hora de la luz.

3) O papa Francisco mantém diálogo constante com os “curas villeros”, chegando a indicar dois destes padres como bispos, o que incomodou alguns setores conservadores da Igreja argentina.

4) Pequeno vídeo em homenagem ao padre.

Referências: http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/10030-carlos-mugica-e-o-sonho-da-revolucao-argentina-entrevista-especial-com-daniel-garcia-gaston-pauls-e-alberto-sily

https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/01/1950326-para-evitar-uso-politico-de-seu-nome-papa-francisco-nao-vai-a-argentina.shtml

https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Midia-e-Redes-Sociais/Igreja-e-poder-nas-favelas-de-Buenos-Aires/12/27434

http://www.resumenlatinoamericano.org/2018/05/11/argentina-el-padre-mugica-el-que-no-es-idealista-es-un-cadaver-viviente/

https://www.elhistoriador.com.ar/carlos-mugica-padre-mugica/

https://www.elhistoriador.com.ar/el-padre-mugica-y-su-conversion-al-peronismo/

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *