Quando Paulo Guedes afrouxa a gravata

Na reunião ministerial, ele é tratado com cortesia pelo presidente chulo, fala em “jogar granada no bolso” de servidores e tem pressa em privatizar o Banco do Brasil. Está à vontade: é o fiador do apoio da oligarquia financeira ao protofascismo

O registro da reunião ministerial de 22 de abril de 2020 vai ficar como um importante marco na história política brasileira. Ao tornar público o verdadeiro circo de horrores comandado pelo capitão que se tornou Presidente da República, o Supremo Tribunal Federal (STF) oferece uma importante lição de democracia e transparência na condução da coisa pública.

Tudo aquilo que se espera de um encontro do chefe do Executivo com seus principais auxiliares em um momento de profunda crise de múltiplas dimensões no país esteve ausente do evento. Xingamentos, baixarias, ilegalidades, irregularidades e desvios. Esse foi o tom principal da conversa, que termina por retirar as últimas esperanças de boa parte dos indivíduos, empresas e instituições que ainda imaginavam ter valido a pena o apoio oferecido a Bolsonaro nas eleições de outubro de 2018. É o marco do fim das ilusões para quem ainda vacilava em reconhecer a verdadeira natureza do governo: um misto de incompetência político-administrativa e de aprofundamento do autoritarismo fascistizante.

Um dos aspectos mais interessantes do chamado “Conselho de Ministros” (sic!), que entrou na berlinda a partir da denúncia do ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro, refere-se à sua pauta principal. Aquela reunião teria sido convocada para discutir o “Plano Pró-Brasil”, uma suposta tentativa do Ministro da Casa Civil, General Braga Neto, de se contrapor ao protagonismo austericida e hiperliberaloide Paulo Guedes. Ocorre que a divulgação dos áudios e da transcrição das intervenções durante o encontro permitem concluir que a inciativa foi abortada pelo superministro, ali mesmo no nascedouro.

Ao receber sinal verde de Bolsonaro para detonar a proposta que pretendia dar um norte de direção pública para os investimentos tão necessários para a saída da crise atual, Paulo Guedes acusou na frente de todos os integrantes do governo a tentativa como sendo similar aos programas de Lula e Dilma. Frente a tal carimbo nada receptivo nas hostes bolsonaristas, não se poderia imaginar mesmo que o projeto tivesse continuidade. A partir dali, nunca mais se ouviu falar em qualquer movimento de questionamento do protagonismo do superministro no comando da economia.

Granada nos servidores e privatização do BB

Além disso, o “old chicago boy” ainda perfilou outras cenas que ficarão registradas para sempre. Em uma clara reverência ao seu chefe capitão, lançou mão de imagem de sabotagem militar para verbalizar seu conhecido e reiterado ódio aos servidores públicos. De acordo com o preconceito do banqueiro, estes não passariam de vagabundos privilegiados, uns parasitas que não gostam de trabalhar e recebem salários astronômicos. Sabendo que Bolsonaro sempre se orgulhou de sua “especialidade em matar”, Guedes fala de colocar uma granada no bolso dos servidores. Imagine-se a real intenção por trás de tal imagem. O primeiro grande equívoco: identificar esse importante segmento de nossa sociedade como sendo seu inimigo. A seguir, o verdadeiro ato falho: expressar de forma cristalina a maneira como trata seus adversários na política: pela via de sua eliminação pura e simples.

A segunda cena digna de nota trágica refere-se à sua insistência em privatizar as empresas estatais. Essa verdadeira missão destruidora do Estado brasileiro parece perseguir a vida de Paulo Guedes. No encontro revelado ele volta a destilar todo o seu ódio à presença do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal e do BNDES na cena econômica brasileira na condição de bancos públicos. Revela sua profunda indignação em não ter conseguido, ainda, levar a cabo a privatização de todos eles, mas guarda um sanha assassina toda especial para o BB. E saiu-se com o desabafo revelador do tipo de estadista que guarda dentro de si:

(…) “Então tem de vender essa porra logo” (…)

Estamos em meio a uma das maiores depressões econômicas da história do capitalismo. Os olhos e as atenções dos principais dirigentes e líderes políticos mundiais estão voltados para a busca de mecanismos capazes de colaborar para a superação da crise provocada pela pandemia. Onze entre dez economistas do próprio establishment global reconhecem agora a importância da existência de instituições públicas para atuar nesse sentido. Mas Paulo Guedes e seus aliados do financismo tupiniquim resistem bravamente e seguem na direção oposta. Pretendem privatizar os principais agentes do Estado brasileiro na dimensão financeira. Seu projeto não é nem vender “bem”, mesmo que seja sob a ótica tacanha das finanças públicas – arrecadar mais para os cofres do Tesouro Nacional. Não, nem isso. Sua intenção é vender “logo”, o mais rápido possível. Ora, tal estratégia criminosa significa transferir o patrimônio público a preços irrisórios ao capital privado, uma vez que a recessão joga o preço dos ativos lá para baixo.

Turismo sexual a qualquer preço

A terceira participação escandalosa de Guedes na reunião remete à reafirmação do sentimento de subalternidade do Brasil na esfera internacional. O complexo de vira-lata se vê elevado à enésima potência e a calhordice impera no discurso a favor da transformação de nosso país em mero espaço de atração para os bilionários e milionários do mundo virem aqui gastar seus tostões. Essa autoentrega vale tanto para justificar a transformação de nossa costa cheia de belezas naturais em megaempreendimentos espelhados no péssimo exemplo de Cancún, quanto para estimular o turismo sexual. Afinal, se não se levar em conta as deformações e os abusos embutidos na prática, elas são atividades que trazem recursos externos, sempre na visão estreita e deformada do economista de planilha. E o mais impressionante é que ele dirige a sua fala àquela que pretende ser a porta-voz e o receptáculo dos setores mais moralistas e culturalmente conservadores do governo – a Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos Damares Alves.

O superministro é um profundo conhecedor dos meios e dos hábitos dos frequentadores do universo do financismo internacional. A corrupção pela força da grana não o incomoda. Esse foi o seu universo desde sempre, um espaço onde ele transita com conhecimento de causa e facilidade no trato. A ponto dele não ver nenhum problema em transformar nosso país em apenas mais um ponto no mapa a disputar a atração internacional desse tipo de gente para esbanjar seus dinheiros. E aqui, mais uma vez, ele não mede suas palavras, ainda que se reportando a uma mulher e pastora evangélica, teoricamente carregada dos valores pudicos do neopentecostalismo de nossas terras. E lá vai ele:

(…) “Damares, o presidente fala em liberdade. Deixa cada um se foder do jeito que quiser. Principalmente se o cara é maior, vacinado e bilionário. Deixa o cara se foder, pô!” (…)

O enredo todo da reunião se desenrolou como se tratasse de um papo de amigos homens em torno de uma mesa de bar. Decisões governamentais, teoricamente sérias, são tomadas em cima de suposições e achismos. Políticas públicas são tratadas como recomendações para a turma lá de casa.

Infelizmente, outra questão essencial a ser tratada, nem chegou a tomar o tempo dos conselheiros. O combate a covid-19 foi praticamente relegado, uma vez que o presidente o considera uma “gripezinha” e a liberação irresponsável da cloroquina ganha ares de grande panaceia redentora. Em 22 de abril, o Brasil registrava oficialmente 2.917 óbitos provocados pelo coronavírus. Um mês depois, no dia da liberação do vídeo do encontro, o total chegava a 21.048 mortes. Ao longo desta semana, infelizmente superaremos a marca dos 25 mil.

Guedes: vitória parcial e futuro incerto

Uma das poucas certezas que restam é a vitória política de Guedes no embate contra a tentativa de recuperar algo inspirado no “Plano Marshall” pelo General que ocupa a Casa Civil. Ao que tudo indica, Bolsonaro resolveu adiar a solução para o caso da economia. Valorizou o passe do Posto Ipiranga na reunião e fora dela, mas ambos sabem que algo precisa mudar. A recessão do ano que vivemos será muito acentuada. Os otimistas falam de uma queda do PIB de -5%. Já os mais realistas chegam a prognosticar -10%. É muito cedo para qualquer número, mas o baque será expressivo. 2019 já foi um ano perdido, com o Pibinho de Guedes mal chegando a 1,1%. Nos cálculos do Palácio do Planalto, as eleições municipais deste ano (caso sejam realizadas) já são dadas como caso perdido.

Mas se Bolsonaro pretende disputar com alguma chance sua reeleição em 2022, ele precisará apresentar um balanço com um mínimo de elementos positivos de seu mandato. Ele necessitará viajar o país com realizações a apresentar para o conjunto da população e não apenas discursos inflamados para sua militância tresloucada. Está evidente que sua estratégia passa pela tentativa de jogar no colo de governadores e prefeitos a responsabilidade pela recessão e pelo desemprego. Afinal, ele sempre teria sido a favor da retomada das atividades e pelo fim do confinamento. Só que não.

Mas apenas esse discurso não basta, por mais “competentes” que sejam seus operadores de marketing e das redes sociais. Ele precisará realizar despesas públicas em 2021 e 2022 para oferecer alguma mensagem positiva ao eleitorado. E isso vai totalmente contra a política da austeridade guediana. Assim, ou o Ministro da Economia muda sua orientação ou Bolsonaro provavelmente mudará o Ministro da Economia. As saídas recentes e atabalhoadas de Mandetta, Moro e Teich estão aí para ninguém esquecer.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Um comentario para "Quando Paulo Guedes afrouxa a gravata"

  1. Vital Caldas Alves disse:

    Enquanto o povo não despertar, em sua maioria, para protestar nas ruas contra
    este governo que este mesmo povo empossou através do voto, pouco resolverá
    os teóricos e importantes argumentos do respeitado quadro de “Outras Palavras”.
    O povo, a massa na rua é a solução contra o neoliberalismo que o voto nos impôs.
    Somente uma imprensa unida medirá forças contra a ditadura que palmo a palmo,
    vem sendo imposta por esta ente que assumiu o poder. Situação muito difícil!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *