Argentina: as garotas que desafiam o patriarcado

Tomam as ruas — muitas, com menos de vinte anos. Exigem, batucam e dançam. Querem o direito ao aborto e o fim de um mundo de homens ricos e tristes

São multidão — muitas, com menos de vinte anos. Tomam as ruas. Exigem, batucam e dançam. Querem o direito ao aborto e o fim de um mundo governado por homens ricos e tristes

Reportagem do Coletivo Lavaca | Imagens: M.A.F.I.A |Tradução: Inês Castilho

Olhar o que se passa através dos olhos da geração que está abarrotando as ruas argentinas hoje é ao mesmo tempo uma tarefa simples e complexa. As jovens falam até pelas faces pintadas com purpurina, mas o que dizem é tão interessante que faz falta algo mais que aguçe a escuta para compreender o significado de cada palavra. Chiara, Laura e Angelica chegaram com uma dezena de companheiras do ensino secundário. Uma pintou a outra: os olhos, os lábios, as unhas ficaram verdes. Cada uma tem um lenço amarrado no pescoço, nos cabelos ou no braço. É o uniforme desta geração, advertiu Ofelia Fernández no recinto do Congresso.

Tomaram o trem, caminharam desde o bairro de Constitución e ao chegar à 9 de Julho se apropriaram, como todas, da avenida.

Vão cantando, vão de mãos dadas e vão contentes.

A chuva não as molha: as rega. Florescem a cada passo.

O frio não as congela. As faz arder.

Gritam cada vez mais forte e em cada batucada – que há por todos os lados – sacodem as cadeiras para dançar ao ritmo de um dia que elas estão tornando histórico, porque lhe impregnam com seu ritmo. Qual é ele? “Tem que se mexer”, respondem. “São dias importantes e você não pode ficar sentada. Está em jogo o nosso futuro e não podemos deixá-lo nas mãos de ninguém.” Quem responde é Chiara, séria.

De onde vêm? “Vivemos num subúrbio de Lomas, que está pior do que nunca porque as pessoas estão amargas, mal.” O que entristece o bairro? “As pessoas não têm nenhuma esperança.” Vocês têm? “Não sei se temos esperança, mas ao menos temos claro que as coisas precisam mudar e não vamos esperar que sejam mudadas pelos mesmos que fizeram todo esse mal.” A que responde é Laura. A quem se refere? Aos políticos, aos mais velhos, a sua família? “A todos. Minha família me apoia, mas eu digo para minha mãe que ela tem de fazer alguma coisa mais por si, que venha às manifestações, que são pelo bem de todas. Ela foi afastada do trabalho, está fazendo de tudo um pouco, e isso a cansa. Digo que se vier às marchas vai renovar as baterias, mas a entendo: não tem um grupo que a apoie e isso torna tudo mais difícil.

Nós estamos juntas o tempo inteiro, falando de tudo, apoiando-nos em tudo, e isso deixa a vida mais fácil. Nos dá força. Nos dá energia. Se uma cai, as outras a levantam.” O que faz com que caiam? “Eu fico pra baixo quando tornam tão difícil coisas que estão tão claras. Veja o que acontece hoje. Tem de ser muito careta para não se dar conta de que, se tanta gente vem aqui, com este clima, é porque o aborto legal não é uma moda, mas uma necessidade. Por que, então, não votam a lei? O que imaginam que vai acontecer se não a aprovarem? Querem que festejemos que se caguem de rir de nós? Às vezes penso que o fazem para provocar um desastre. Escuto os que falam das “duas vidas” e não sei se rio ou se choro. São cínicos: acreditam que não vamos nos dar conta de que a única coisa que lhes importa é que calemos a boca. E não se dão conta de que isso é impossível: nós não vamos mais nos calar.” Quem fala é Angélica.

As três têm 16 anos.

Quantas como elas há, hoje?

Dizer milhares é pouco.

Algumas sustentam cartolinas com frases que impactam.

“Existo porque resisto”

“A pornografia é a escola da violação”.

“Mulher, não gosto quando se cala.”

“Basta é basta.”

“Nos queremos vivas, livres e sem medo.”

Outras se abraçam para ocupar a amplidão da avenida Maio ao ritmo de uma coreografia de cancan.

Muitas procuram um lugar para entrar na coluna que ocupa mais de 15 quadras e, enquanto vêm passar bandeiras, organizações e palavras de ordem, escolhem seu lugar. Não por acaso, apesar de não estar à frente, a coluna da Campanha Nacional pelo Aborto legal, seguro e gratuito é a mais bem nutrida: mais de duas quadras, maioria de jovens, contidas por um tecido verde infinito que funciona como abrigo, mas também como convite: verde é sua cor.

Cantam que o patriarcado vai cair, que tirem seus comentários de nossos ovários, que não são nem suas nem asus [ni tuyas ni yuta] e que Não é Não. Essas demandas são as que unem as ativistas “soltas” e as manifestações artísticas que, ao longo da Avenida de Maio, denunciam a violência com a convicção de que elas próprias vão freá-la.

As ações comemorativas e agitadoras do Ni Una Menos começaram sábado em vários pontos do país. E mulheres de todas as coordenadas levantaram firmes seus lenços verdes. A mensagem segue sendo Basta, mas neste caso o pedido se dirige a um Congresso que deve representá-las e todavia não se pronuncia a favor. Essa catarata de concentrações que uniu províncias terminou hoje em frente ao Palácio Legislativo com uma maré que lhes lançou um só grito, que teve uma só cor: verde furioso.

Pedimos, assim, algo muito concreto: que o aborto seja legalizado.

As meninas cantam agora o que deve ser cantado: “Agora que estamos juntas/ agora que sim, nos veem.”

Vê-las é compreender.

Não são especiais, não são únicas, não são diferentes.

São.

E são muitas.

E estão dançando.

Vai cair.

 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

2 comentários para "Argentina: as garotas que desafiam o patriarcado"

  1. Claudio Ribeiro disse:

    Magnífica demonstração de luta por um mundo melhor, mais justo, fraterno e solidário, feita na Argentina. Só um ponto a discordar: o apoio ao aborto. Isto é crime.

  2. Adriano Picarelli disse:

    Dias atrás, escrevi o seguinte comentário para uma matéria do El País…
    Matéria que me provocou indignação, a despeito da qualidade do jornal…
    Aqui, apenas eliminei repetição de palavras…
    “Acho este artigo incrível… Leio coisas muito parecidas nos jornais das pequenas oligarquias de interior… Ele é ótimo porque expõe claramente a visão de que quem faz política são os políticos e partidos – nesta ordem… Mesmo que haja referências a ‘movimentos’, ‘manifestantes’, ‘consumidores’… não é aí que está o centro do artigo… Um ganha e perde, num tabuleiro, entre políticos, partidos… Articulações de bastidores… E as reformas, políticas… aparecem como realmente são – e o artigo repõe, sem crítica: conexão alguma com o povo, com cidadãos e cidadãs, a não ser pelas consequências que pagamos todos… ‘[…] agenda de recuperação econômica, sua última base de sustentação junto a influentes investidores e empresários’. O fecho completa perfeitamente a visão ideológica do artigo – a visão de política que ele apenas reproduz, sem crítica alguma… ‘Os governistas não conseguiram nem explicar que, quando se faz uma bondade aos caminhoneiros, quem paga o boleto é o resto da sociedade’, resume Paulo Kramer.’… Nenhuma menção a nossa estrutura de impostos, que taxa fortemente o consumo e não a renda – as maiores -, o que tem tudo a ver também com o preço da gasolina, ou não? A ideia de política que o artigo repõe é, A MEU VER, o que está ferindo de morte a democracia, há muito… Como não sou do MBL e movimentos afins, considero que o jornalista tem todo o direito de manifestar seu pensamento… Um bom livro para refletir sobre o assunto, A MEU VER, é ‘O ódio à democracia’, de Jacques Rancière… e pensar cada um pensa por si… não há aqui nenhuma sugestão que se deva concordar ou discordar inteiramente com o filósofo francês…”
    Bem, este texto, traduzido por Inês Castilho, e suas imagens…
    São um belo pontapé no tabuleiro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *