O luxo arrasador dos super ricos

Um voo, em seus jatos, consome o combustível de um ano, numa cidade africana. É preciso cortar seu poder. Um começo: limitar a renda e a riqueza individuais; e defender a frugalidade pessoal, combinada com vida coletiva abundante

Por George Monbiot, no The Guardian | Tradução: Gabriela Leite | Imagem: Bill Bragg

Não é exatamente verdade que por trás de cada grande fortuna há um grande crime. Músicos e romancistas, por exemplo, podem tornar-se extremamente ricos oferecendo prazer a outras pessoas. Mas parece ser uma verdade universal de que diante de toda grande fortuna está um grande crime. Riquezas imensas traduzem-se automaticamente em imensos impactos ao meio ambiente, independentemente das intenções daqueles que as possuem. Os muito ricos, quase por definição, estão cometendo ecocídio.

Algumas semanas atrás, recebi uma carta de um funcionário de um aeroporto privado, no Reino Unido. “Eu vejo coisas que realmente não deveriam estar acontecendo em 2019”, escreveu. Todo dia, observa aeronaves do modelo Global 7000 [para 10 a 19 passageiros], Gulfstream G650 [11 a 18 passageiros] e até Boeings 737 decolarem com apenas um passageiro, a maior parte a caminho dos EUA e da Rússia. Os Boeing 737 privados, construídos para levar 174 passageiros, são abastecidos no aeroporto com cerca de 25 mil litros de combustível. Essa é a mesma quantidade de energia fóssil que uma pequena cidade africana utiliza em um ano.

Aonde estão indo esses passageiros solitários? Talvez, visitar uma de suas supercasas, construídas e geridas a um enorme custo ambiental, ou a uma viagem em seus superiates, que podem queimar 500 litros de diesel por hora em velocidade de passeio, e são construídos e mobiliados com materiais raros, extraídos às custas de paisagens naturais.

+ Em meio à crise civilizatória e à ameaça da extrema-direita, OUTRAS PALAVRAS sustenta que o pós-capitalismo é possível. Queremos sugerir alternativas ainda mais intensamente. Para isso, precisamos de recursos: a partir de 15 reais por mês você pode fazer parte de nossa rede. Veja como participar >>>

Não deveria nos surpreender o fato de que quando a Google articulou uma reunião dos ricos & famosos no resort de Verdura, na Sicília, em julho, para discutir o colapso climático, seus delegados chegaram em 114 jatos privados e em uma frota de megaiates, e dirigiram pela ilha com seus supercarros. Mesmo quando têm boas intenções, os ultrarricos não conseguem deixar de destruir o mundo vivo.

Uma série de pesquisas mostra que a renda é, de longe, o fator mais determinante no impacto ambiental. Não importa quão ecológica a pessoa pensa que é: se tem dinheiro excedente, ela gasta. A única forma de consumo que está clara e positivamente correlacionada com suas boas intenções perante o meio ambiente é a dieta: pessoas que se veem como “verdes” tendem a comer menos carne e mais vegetais orgânicos. Mas estas atitudes têm pouca influência na quantidade de combustível de transporte, energia doméstica e outros materiais consumidos. O dinheiro domina tudo.

Os efeitos desastrosos do poder de compra são agravados pelos impactos psicológicos de ser rico. Estudos abundantes mostram que quanto mais rico você é, menos tem capacidade de se conectar a outras pessoas. A riqueza suprime a empatia. Um dos estudos revela que pessoas que dirigem carros caros têm menos probabilidade de parar para pessoas nas faixas de pedestre do as que dirigem carros populares. Outro, revelou que pessoas ricas tinham menos capacidade que as pobres de sentir compaixão por gente com câncer. Apesar de serem desproporcionalmente responsáveis por nossa crise ambiental, os ricos serão os últimos e os que menos sofrerão com o desastre planetário, enquanto os pobres serão os primeiros e os mais prejudicados. Quanto mais ricos, sugere a pesquisa, menos o conhecimento das mudanças climáticas os perturba.

Outro problema é que a riqueza limita as perspectivas até das pessoas com as melhores intenções. Na semana passada, Bill Gates argumentou, em uma entrevista ao jornal Financial Times, que desinvestir em combustíveis fósseis é uma perda de tempo. Seria melhor, segundo ele, despejar dinheiro em novas tecnologias disruptivas com emissões mais baixas. É claro que precisamos de novas tecnologias. Mas ele não entendeu o ponto crucial: para prevenir a catástrofe climática, o que conta não é o que você faz, mas o que você para de fazer. Não importa quantos painéis de energia solar você instala, se não fechar, simultaneamente, usinas de carvão e gás. A menos que usinas de combustível fóssil sejam retiradas antes do fim de suas vidas úteis, e toda exploração e desenvolvimento de novas reservas de combustível fóssil sejam interrompidas, há pouca chance de impedir que a Terra aqueça 1,5ºC.

Mas isso requer mudanças estruturais, o que envolve intervenção política tanto quanto inovação tecnológica: uma abominação para os bilionários do Vale do Silício. Exige o reconhecimento de que dinheiro não é uma varinha mágica que faz todo o mal desaparecer.

Na semana passada, me uni à Greve Global pelo Clima, na qual nos levantamos junto aos jovens, cujo grito ressoou pelo mundo. Como sou um trabalhador autônomo, me pergunto contra quem será minha greve. Contra mim mesmo? Sim: contra um aspecto meu, pelo menos. Talvez, a coisa mais radical que possamos fazer agora seja limitar nossas aspirações materiais. A hipótese com a qual governos e economistas operam é que todos nós lutamos para maximizar nossas riquezas. Se formos bem sucedidos nessa tarefa, inevitavelmente demoliremos o sistema em que nossa vida se apoia. Se os pobres viverem como ricos e os ricos viverem como oligarcas, destruiremos tudo. A busca contínua por riqueza, em um mundo que já possui o bastante (apesar de muito mal distribuído) é a fórmula para destruição em massa.

Uma greve significativa em defesa do mundo vivo é, em parte, uma guerra contra o desejo de aumentar nossa renda e de acumular riqueza: desejo moldado, mais do que possivelmente nos damos conta, pelas narrativas sociais e econômicas dominantes. Eu vejo que minha greve é em apoio a um conceito radical e perturbador: já basta. Individual e coletivamente, é hora de decidir o que “basta” significa, e como saber em que momento alcançamos esse ponto.

Há um nome para essa abordagem, cunhado pela filósofa belga Ingrid Robeyns: limitismo. Robeyns argumenta que deveria haver um limite para a quantidade de renda e riqueza que uma pessoa pode acumular. Da mesma forma como reconhecemos a linha da pobreza, abaixo da qual ninguém pode estar, deveríamos reconhecer a linha da riqueza, acima da qual ninguém poderia subir. Esse chamado a um nivelamento talvez seja a maior blasfêmia para o discurso contemporâneo.

Mas seus argumentos são sólidos. Excedente de dinheiro permite que algumas pessoas exerçam poder desordenado sobre outras: no trabalho; na política; e sobretudo na captura, uso e destruição da riqueza natural do planeta. Se todos quiserem florescer, não podemos pagar pelos ricos. Tampouco podemos bancar nossas próprias aspirações, que a cultura da maximização da riqueza encoraja.

A triste verdade é que os ricos conseguem viver como vivem simplesmente porque outros são pobres: não há espaço nem físico, nem ecológico, para todos buscarem o luxo privado. Ao invés disso, deveríamos lutar por c frugalidade privada e luxo público. A vida na Terra depende da moderação.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

2 comentários para "O luxo arrasador dos super ricos"

  1. Gustavo Horta disse:

    *PODE ATÉ PARECER QUE PARECE QUE NÃO SEI*
    > https://youtu.be/qT_12VPMLv8
    > https://gustavohorta.wordpress.com/2019/09/23/pode-ate-parecer-que-parece-que-nao-sei/

    É estranho assim mesmo. É mesmo muito estranho.
    Quando tantos se amedrontam pelo risco de uma abordagem dois pivetes na sinaleira do trânsito, grandes massas da população se amedrontam simplesmente ao ouvir o som das asas giratórias  dos helicópteros.
    Sabe-se logo o que está lá dentro. Sabe-se lá o que está lá dentro.
    Nós pusemos fogo no céu.
    Nós queimamos todas as pontes e não podemos voltar.
    Nós pusemos fogo nos empregos.
    Nós pusemos fogo nos velhos.
    Nós pusemos fogo na infância.
    Hoje em dia nós só entendemos de ânus, de pirocas, de jesuses em goiabeiras, de rosa e de azul.
    Disparamos metralhas contra famílias em seu carrinho branco, disparando metralhas do céu. Com nossos fuzis em punho somos Bravos Guerreiros contra o povo, contra o pobre, contra o preto e contra as putas.
    Enquanto isso os branquinhos desfrutam felizes do surf nas praias da Zona Sul.
    Enquanto esse pessoal ficar lá nos guetos da pobreza, enquanto esse pessoal não invadir a zona Sul, onde estão os ricos brancos da Lagoa que apoiam estas ações dos milicianos e militares sob o comando do governador evangélico assassino e genocida, nada vai mudar.
    É preciso invadir a zona Sul.

    BALAS PERDIDAS TAMBÉM NA ZONA SUL.
    SÓ NA PEDRADA.

    gustavohorta.wordpress.com

  2. josé mário ferraz disse:

    A permissão para que alguém possa ser super rico é o único problema do mundo. Contando com a indiferença da massa de frequentadores de igreja, axé e futebola, estes marginais se apossaram de noventa e nove da riqueza do mundo. O outro lado desta moeda trará consequências imprevisíveis. Para tanto, basta substituir as múmias e adotar o método de ensino de Paulo Freire, que propõe uma educação da qual faça parte uma matéria destinada a desenvolver a capacidade de raciocínio da meninada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *