O crime de Guarapuava e as elites sem freios

Numa Ranger a 190 por hora, o filho de um ruralista destroçou Michelli, de dez anos. O que isso diz sobre uma lógica psíquico-política que acoberta a perversidade dos milionários e despreza a maior parte das vidas

Cena de “À prova de morte”, de Quentin Tarantino (2007)

No dia 11 de abril de 2019, Leonardo Kuntz, engenheiro agrônomo de 22 anos, atropelou e matou instantaneamente minha prima de 10 anos, Michelli Barbosa Szczpanski, na estrada rural que liga Guarapuava a Campina do Simão, municípios do estado do Paraná. O homicídio aconteceu diante da mãe da criança e do padrasto. O limite de velocidade da pista estreita e sem acostamento é de 60km/h. A camionete Ranger dirigida pelo engenheiro trafegava a quase 190km/h.

Minha prima foi morta em frente à sua casa, no sítio onde meus avós viveram, local em que passei a primeira infância, e onde depois viveu o irmão mais novo de meu pai, avô de Michelli, que não conheceu a neta, pois faleceu em 1999. Esta região é chamada de Canhada Funda, em virtude do vale ali existente, que faz com que a estrada em linha reta tenha um declive abrupto a aproximadamente 50m antes da entrada do sítio. Na perspectiva de quem observa a estrada da entrada do sítio, esta característica do relevo produz um efeito ótico como se os carros desaparecessem por alguns instantes no horizonte, para logo depois voltarem a ser vistos.

Michelli retornava do colégio no ônibus escolar da prefeitura, por volta do meio dia. Dizia que não tinha mais idade para atravessar ruas pegando a mão de um adulto. Ela desceu do ônibus, observada pela mãe. Olhou para os dois lados e atravessou. Não havia nada no horizonte quando iniciou a travessia, o dia era claro. No momento em que terminava de atravessar a pista, quase na entrada de sua casa, a camionete passou “como um vulto e a arrastou” – nas palavras do motorista do ônibus escolar, que naquele instante voltava a pegar a estrada.

Michelli, de dez anos, colhida pela Ranger ao lado de sua casa, quando descia do ônibus escolar numa estrada rural

Uma camionete grande e potente a 190km/h atravessa 53 metros em 1 segundo. Leonardo Kuntz não freou tampouco desviou. Michelli foi morta na pista contrária de seu desembarque, praticamente fora da estrada. Uma ponta do lado direito da camionete a atingiu, arrastando-a por 38 metros. A batida causou um rombo na camionete, só explicável pela velocidade desta no momento da colisão: para um corpo leve e desprotegido de uma menina de 10 anos produzir tamanho estrago em um automóvel feito para enfrentar condições extremas, foi necessária uma grande velocidade.

O homicida é filho de um latifundiário da região, um dos maiores plantadores de batatas do sul do Brasil. Mesmo que tenham presenciado o crime a mãe e o padrasto da criança, o motorista e o monitor do ônibus escolar, além de várias crianças presentes no ônibus, no relato feito pelo boletim de ocorrência do 16º Batalhão de Polícia Militar de Guarapuava consta apenas a palavra do homicida, que mente ao dizer que chamou o resgate e que prestou socorro – a criança estava morta na estrada e quem chamou o resgate foi o motorista do ônibus, a pedido da mãe da criança. A mãe e o padrasto permaneceram ao lado do corpo da filha durante todos os angustiantes momentos até a chamada do resgate, desmentindo as afirmações do atropelador. Um inquérito policial tramita na polícia civil de Guarapuava.

Uma filha de sitiantes pobres foi morta por um rico latifundiário que costuma andar nas estradas rurais da região como em uma pista particular de corridas. Os testemunhos dos moradores da Campina do Simão confirmam que o homicida é apreciador contumaz das grandes velocidades. O assassinato de Michelli foi veiculado nos jornais da região apenas como um trágico acidente, favorecido pelas péssimas condições do transporte escolar rural e possivelmente pela imprudência da vítima, que não foi acompanhada por monitores no momento da travessia. Omitiram-se detalhes importantes como o instante da colisão (ela praticamente já havia atravessado a pista, observada pelo motorista e pelo monitor) e a velocidade inadmissível com que a Ford Ranger de Lonardo Kuntz transitava em uma estrada vicinal. Se, na travessia da pista, estivessem ao lado de Michelli sua mãe ou o monitor do ônibus escolar, também teriam sido mortos.

Leonardo Kuntz trafegava em uma pista rural repleta de sítios e casas, teve condições de ver à distância o ônibus escolar, mas como um jovem rico que possui toda a institucionalidade em sua proteção (especificidades brasileiras), não hesitou em usufruir de sua fonte de adrenalina, a velocidade extrema. Assumiu o risco de causar mortes, mas no boletim de ocorrência da polícia militar e no início do inquérito da polícia civil seus gestos inconsequentes no momento do atropelamento foram qualificados de “condutas não delituosas”.

Alguns dias antes do homicídio cometido por Leonardo Kuntz, o próprio presidente da República Federativa do Brasil criticava a existência de radares em rodovias federais, dizendo que teriam o único intuito de “retorno financeiro ao Estado”, determinando o cancelamento da instalação de 8.000 novos radares eletrônicos no país. Também prometeu revisar contratos de radares já existentes em estradas federais, ampliar a validade da CNH de cinco para dez anos e aumentar o limite de pontos para sua suspensão, de vinte para quarenta. Até as lombadas eletrônicas foram colocadas em questão pelo atual presidente.

Não se trata apenas de implantar um neoliberalismo inconsequente em um país cujas rodovias interioranas lembram cenários distópicos. Na lógica governamental pós Bolsonaro, enquanto algumas vidas definitivamente não importam – ou seja, da maior parte da população, os pobres –, as elites e as forças policiais que a defendem atuam com a garantia de matar pessoas sem, paradoxalmente, cometer homicídio. Matar sem qualquer consequência jurídica, com proteção da lei e chancela presidencial. Governar, no vocabulário bolsonarista, não é proteger populações, mas resguardar que a perversidade de alguns poucos milionários e os interesses de empresas estadunidenses não sofram qualquer limitação política.

O assassinato de Michelli soma-se a lutos recentes que, juntos, compõem a insuportabilidade dos critérios do Brasil bolsonarista. Lutar por justiça em seu caso, assim como nos assassinatos de Evaldo Rosa e de Luciano Macedo, metralhados com 80 tiros pelo exército brasileiro, torna-se um gesto imediatamente político. Não são mortes por “incidentes lamentáveis”, como na expressão do ex-juiz que hoje assumiu o Ministério da Justiça e Segurança Pública. São homicídios que não podem ser esquecidos e, muito menos, encobertos.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

7 comentários para "O crime de Guarapuava e as elites sem freios"

  1. EUGENIO DE MORAES disse:

    Mesma cidade de Fernando Ribas Carli… T

  2. Pepino, O Grande! disse:

    Estava indo bem, até chegar na crítica ao presidente… O Carli Filho matou 2 e ainda está impune, e o governo da época do fato era outro. Esse irresponsável de hoje bem pode ser fruto da educação permissivista difundida pela esquerda nas últimas décadas, onde se prega o desrespeito às instituições como forma de “resistência”. Sinto muito pela menina e pela família. A culpa está na falta de educação para a responsabilidade tanto pelos pais desse motorista quanto pela escola que ele frequentou além das ideias libertárias do sistema que podem ter feito com que deixasse de observar regras, as de trânsito no caso, afinal deve ter feito autoescola, onde parece que também não aprendeu.

  3. Ana disse:

    Sou contra Bolsonaro, mas achei uma falta de respeito politizar esse episódio. Nem tudo precisa virar militância, qual culpa Bolsonaro tem neste caso? Foi ele quem redigiu as atuais leis brandas de trânsito? Que culpa Lula tinha no incidente do Carli Filho? Nenhuma. Essa ânsia por ideologia me enoja, a que ponto chega um ser humano doente que politiza uma situação dessas. Hoje as rodovias são cheias de radares, isso evitou a morte de Michelli? Não. Ao invés de clamar por justiça, acionar o MP, buscar compartilhamentos massivos, o que o autor prefere? Panfletagem. Mais lamentável ainda que o fato é a sua postura diante dele.

  4. Celina disse:

    ” Ju$ti$$a ” 🤔
    🙊🙉🙈
    BR país q ñ funciona.

  5. Lamartine Sander Cruz Dossantos disse:

    Tudo envolve problemas Sociológicos. A questão por ela abordada tem sentido sim.Não tem sentido mencionar a esquerda como algo de rebeldia. De revoltados.de criadores de caso. O que você quer mais que uma direita criada num ambiente insuportável para eles mesmos. Tudo está no contexto em nossas vidas. No Brasil .isso fica bem notorio. Nossas classes mais pobres .sempre foram tratadas com bem dados chutes nos traseiro. isso é a realidade nua é crua.Ditado muito popular.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *