A banalidade do mal

Dore-Dante

Há quem critique a “caixinha de bondades de Dilma”. São os mesmos que a pressionaram a adotar, candidamente, “ajuste fiscal” que levou seu segundo governo à ruína

Por Laura Carvalho | Imagem Gustave Doré: Especuladores e Perdulários, no Inferno de Dante

Sobre o reajuste médio de 9% no Bolsa Família e as outras medidas anunciadas pela presidente Dilma Rousseff em seu discurso no domingo passado (1º), Eduardo Cunha, o bondoso, afirmou ao jornal O Globo que “(…) não são bondades. São maldades com a população, porque o déficit tem consequências e quem paga são todos os contribuintes”.

A tal caixinha de bondades aberta por Dilma antes de seu afastamento pelo Senado parece estar causando mais indignação do que a articulação entre o STF (Supremo Tribunal Federal) e os líderes de partidos na Câmara para a aprovação rápida do reajuste salarial de servidores do Judiciário e magistrados, ainda que com custo superior para os cofres públicos.

A ideia de que a solução para a crise é um bem maior, que justifica o sacrifício de todos – ao que parece até mesmo das nossas instituições democráticas –, não apareceu pela primeira vez na declaração do presidente da Câmara ou no ensaio de discurso de posse do vice-presidente Michel Temer, cujo spoiler já recebemos. Foi esse também o discurso da presidente Dilma desde o início do ano passado.

TEXTO-MEIO

Ainda que a Câmara dos Deputados possa ser responsabilizada por não ter fechado a caixa de bondades aberta para os grandes empresários durante o primeiro mandato de Dilma, a caixinha de maldades aberta pela presidente em 2014 não serviu nem para minimizar sua falta de sustentação política nem para levar todos ao paraíso pelo poder redentor dos sacrifícios.

Ao contrário, o ajuste fiscal implementado, que se deu com uma redução de cerca de 40% nos investimentos públicos e sem aumento de impostos sobre a renda e o patrimônio, só agravou a crise econômica.

Como ressaltou o pesquisador do Ipea Marcelo Medeiros em seminário na segunda-feira (2), o tipo de ajuste fiscal realizado é determinante para a trajetória da desigualdade no país: “Se o ajuste não for pesado para o 1% mais rico da população, não haverá queda”.

Como as maldades nunca atingem o andar de cima, a elevação do desemprego e a queda dos salários de trabalhadores pouco qualificados vêm se encarregando de reverter rapidamente a redução da desigualdade salarial conquistada nos anos 2000.

Mesmo com o fracasso da estratégia, já evidente ao fim de 2014, Dilma ainda insistiu uma última vez em tentar se livrar da fama de caridosa. Em 15 de janeiro, declarou a jornalistas no Planalto: “Acho que a questão mais importante para o país é a Previdência”.

Não que em qualquer momento no tempo e em qualquer país do mundo um cálculo simples não possa demonstrar que o aumento da expectativa de vida e a queda da natalidade tornarão insustentável o regime de Previdência em vigor. Claro que o excesso de imediatismo prejudica qualquer projeto de desenvolvimento coerente e de longo prazo.

Mas a escolha da Previdência – e não do emprego – como a maior de todas as suas preocupações em meio à crise econômica e política mais profunda dos últimos tempos pode fazer de Dilma a maior líder antipopulista da história brasileira. Infelizmente, para a nossa infante social-democracia, no fundo da caixinha de maldades, só costumam aparecer mais maldades.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.
Economista pela UFRJ e PhD pela New School For Social Reseach, em Nova York. Professora na FEA-USP.