Um duelo de imagens entre o Mestre e o Divino

161109_o-mestre-e-o-divino3-jpg

Filme apresentado na próxima segunda, no espaço de Outras Palavras, traz um instigante desafio entre as visões de mundo de um velho missionário alemão e de um jovem cineasta Xavante

__

“O Mestre e O Divino”, seguido de bate-papo com

Tiago Campos Torres (diretor do filme)

Vincent Carelli (Vídeo nas Aldeias)

Sylvia Caiuby Novaes (LISA USP)

Alceu Castilho (De Olho Nos Ruralistas)

Dia 14/11, segunda, às 19h, no Outras Palavras

Rua Conselheiro Ramalho, 945, Bixiga – São Paulo

Confirme sua presença.

__

O desafio entre um velho missionário alemão e um jovem cineasta xavante, feito por meio de imagens e documentado por um terceiro cineasta, branco, resultou num filme divertido e instigante: uma metalinguagem antropofágica, em que um digere o outro por meio da câmera.

Às vezes ácida, às bem humorada, a disputa se dá em torno das imagens da vida na aldeia e na missão salesiana de Sangradouro, no Mato Grosso. Cumplicidade, competição e ironia marcam o diálogo em torno dos registros históricos do missionário Adalbert Heide, que revelam os bastidores da catequização indígena no Brasil.

Os personagens são ao mesmo tempo próximos e antagônicos. O jovem cineasta Xavante Divino Tserewahú, que conviveu com Adalbert desde criança, começou a realizar seus filmes nas oficinas do projeto Vídeo nas Aldeias e a montá-los com a ajuda de Tiago Campos, diretor e também personagem do filme.

161109_mestre-e-o-divino-doc_div

Já Adalbert Heide é um excêntrico missionário alemão que chegou ao Brasil em 1954 sonhando conhecer “os índios” e, a partir de 1957, passou a trabalhar com os Xavante na missão de Sangradouro (MT), registrando sua cultura em Super 8. De vez em quando adornava-se com peruca e pinturas, como um Xavante, e registrava a própria presença na caça tradicional da etnia. Dizia-se cacique.

Embora unidos por laços de amizade e admiração mútua, os dois encontram-se ao mesmo tempo separados por insuperáveis abismos culturais. Colonização e raízes indígenas, conflitos e contradições pessoais são a matéria-prima desse filme, uma produção pernambucana dirigida pelo mineiro Tiago Campos – que revela o grande acervo de imagens produzidas por Heide.

O Mestre e o Divino, falado em português, xavante e alemão, foi premiado como melhor filme, melhor montagem e melhor trilha sonora no Festival de Brasília de 2013. Participou também de vários outros festivais, no Brasil e no exterior.

161109_adalbert-heide

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

2 comentários para "Um duelo de imagens entre o Mestre e o Divino"

  1. Nelio Nivaldo Guazzelli disse:

    Como posso assistir este filme?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *