SP: e se o Centro fosse ocupado pela Cultura?

Entre hoje e domingo, em torno do Minhocão, sequência de atividades artísticas lança Festival BaixoCentro, que ocorrerá em março

Por Georgia Nicolau
(Veja também: Sábado, às 16h, Churrascão Diferenciado, em protesto contra a ocupação policial da Luz)
As ruas são para dançar!
Sem ingenuidade para pensar que vamos solucionar problemas seculares, mas sem também o ceticismo daqueles que pensam que “de nada adianta”, escrevo para apresentar o  BaixoCentro. O BaixoCentro é um movimento, uma ideia, uma causa, mas que começa reunindo pessoas e forças em um festival: um mês de programação cultural na região que chamamos Baixo Centro; Campos Elisios, Santa Cecília, Luz, Barra Funda e Vila Buarque. Uma proposta de ocupação do centro, uma disputa política e uma resposta para aqueles que acreditam que a violência, a repressão, a truculência são a “solução” pra problemas urbanos, de saúde pública, sociais, e econômicos.

Creio que é mais do que hora de nós nos posicionarmos enquanto cidadãos, e juntos, agirmos para uma cidade mais humana. Uma cidade que sim, é possível.A  ideia do BaixoCentro é produzir um festival de um mês, em março de 2012, com eventos propostos por nós (todos com o conceito de ocupação urbana com arte, ativismo etc), e deixar uma plataforma aberta para os espaços de cultura da região se articularem com novas ideias. O festival seria esse pacotão de atividades, nossas, dos espaços, nossas com os espaços etc. Um vídeo para entender melhor: http://vimeo.com/31394159.

Iniciamos uma campanha de captação por crowdfunding no site Catarse, um novo jeito de financiar projetos, onde qualquer um pode contribuir em quantias diversas, desde 20 reais a 15 mil reais. Cada uma das quantias possui uma recompensa. É fácil e rápido. Eu mesma já apoiei, alem desse, mais três projetos, um de foto, um filme, e o ônibus hacker.

 Deixamos o orçamento aberto para que as pessoas se apropriem do conceito de ocupação civil da rua e financiem de forma alternativa ao que se faz normalmente, via leis de incentivo ou editais públicos. Nossa página no Catarse é http://catarse.me/pt/projects/437-baixocentro. Precisamos de R$ 56.000 para fazer o BaixoCentro acontecer (nosso orçamento está aberto aqui: https://docs.google.com/spreadsheet/ccc?key=0AmNi4hRTVanWdFB2cHd0UWVhdTMwM25NRGVSZkJPRVE&hl=en_US#gid=0).Já saímos no Estadão: http://blogs.estadao.com.br/divirta-se/centroexpandido/

E no Catraca Livre: http://catracalivre.folha.uol.com.br/2011/12/ajude-a-ocupar-o-baixo-centro-com-cultura/

Colabore, é bem fácil doar. E participe da construção deste festival, deste movimento, desta disputa pelo espaço público. Divulgue!

E neste final de semana teremos atividades pré-Baixo Centro. Confira:

Serviço:

DIA 13, sexta (duas atividades)

CORTEJO DO BLOCO FILHOS DA SANTA

O bloco Filhos da Santa sairá às 19h da frente do Galpão do Folias e tocará pelas ruas até o Largo Santa Cecília, onde normalmente se apresenta. No Largo, o bloco continua tocando até 22h.

+

PEDAL CRU PELA CIDADE: EDIÇÃO BAIXOCENTRO

O Coletivo CRU liderará uma pedalada pela região, para desbravar ruas, praças, edifícios e monumentos importantes da cidade, com paradas para contar um pouco da história de cada local. Mais info: http://coletivocru.tumblr.com/post/15566314660/pedal-cru-pela-cidade-edicao-baixo-centro e http://www.facebook.com/events/315326805179071/

Local: Galpão do Folias – Rua Ana Cintra, 213

Horários:

– concentração: 18h

– cortejo/pedalada: 19h-20h

– samba: 20h-22h – Largo Santa Cecília

DIA 14, sábado

ROLÊ ÔNIBUS HACKER

O Ônibus Hacker fará um trajeto pela área do Projeto Nova Luz, da Prefeitura (que já está em plena época de “higienização” institucional o_O) para fazer um “tour-procissão-intervenção” com a intenção de produzir registros sobre o local – seja com imagens, vídeos, textos e qualquer tipo de documentação. Dentro do ônibus, debates sobre a região. Um exercício de “olhar a cidade”. Mais info: http://www.facebook.com/events/303084666396106/

Local da saída: Casa da Cultura Digital – Rua Vitorino Carmilo 459

Horários:

– concentração: 13h

– rolê: 14h-19h

DIA 15, domingo

SAMBA NA CASA DO GATO

É a festa que a Casa da Cultura Digital promove em algumas tardes de domingo, para conectar pessoas via chorinho e cachaça. Mais infos: http://www.facebook.com/events/248035888599219/

Local: Casa da Cultura Digital – Rua Vitorino Carmilo 459

Horário: 13h-19h

Entrada: $ 5

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

4 comentários para "SP: e se o Centro fosse ocupado pela Cultura?"

  1. preta disse:

    O Coletivo Yopará em torno de 1980 fez um projeto para desenvolvimento de atividades artística no Minhocão, esse movimento chamava-se Yopará apenas, e contava com a colaboração de poetas, músicos, atores que tinham o objetivo de promover saraus, oficinas, festas, atividades lúdicas, um coletivo que passou por várias barreiras, principalmente a interferência policial. Acredito que esse trabalho possa ser desenvolvido em parceria com outros coletivos, caso necessite temos esse material documentado de todas as atividades ja realizadas e manifestos e zines criados em todos os eventos no minhocão em 80 e 90. Hoje em dia é feito um trabalho com as crianças A VACA MIRIM que acontece um domingo por mês no Minhocão. Digo isso apenas para que saibam que existe um projeto mais antigo com a mesma finalidade.

  2. alfonso tarallo disse:

    È um sonho que pode ser realizado!

  3. Paulo disse:

    Uma ideia que pode ser adaptada a qualquer cidade do país !!! Menos turismo predatório, megaeventos para enriquecer alguns, menos das mesmices e mais cultura !!!

  4. Utopias imprescindíveis……humanasampa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *