Penduka: mulheres, produção e liberdade

Na Namíbia rural, empreendedoras contrariam “produtividade” capitalista para criar bordados e artesanato que fazem sucesso em todo o mundo. 

Por Flora Pereira e Natan de Aquino, do Projeto Afreaka

Outubro foi mês de festa no Penduka. São 20 anos de trabalho em direção ao empoderamento feminino na Namíbia sendo celebrados. Nas línguas locais Oshiwambo e Herero, a palavra Penduka quer dizer ‘Acorda!’. Para Luísa, Cecília, Martha e outras centenas de mulheres que fizeram ou fazem parte do projeto significa também oportunidade para o desenvolvimento financeiro e pessoal. Bordando vestimentas, tecidos, acessórios e roupas de cama mesa e banho ou produzindo contas de vidros com material reciclável, elas criaram, com uso de técnicas seculares de artesanato, uma coleção original, vendida nacional e internacionalmente.

 

 

 

 

Apesar de o artesanato ser a base do projeto, as mulheres do Penduka também oferecem em sua sede uma vasta gama de pequenos empreendimentos e atividades turísticas tradicionais, em que elas apresentam suas respectivas culturas através de narrações de histórias, danças e seções de gastronomia. E o melhor modo para conhecê-las é assistindo o processo de confecção em si, também aberto ao público, inclusive para aprendizagem.

Para elas, contar e reviver suas experiências são partes essenciais do projeto e, inclusive, existem oficinas para que as recém-chegadas aprendam a fazê-lo enquanto trabalham em suas peças artesanais. Não só as novatas passam por treinamentos: até mesmo as mais veteranas não deixam de participar dos workshops. “Mulheres nunca podem ter apreendido o suficiente” é um dos lemas do grupo. Ali, o aprendizado é constante e contínuo. E elas explicam: “é isso que permite que a mulher se sinta livre o suficiente para fazer os próprios planos para o futuro, é isso que chamamos de desenvolvimento pessoal, de empoderamento”.

As oficinas são a marca oficial do grupo. São 110 mulheres com contrato permanente que capacitam outras 400 em diversas áreas rurais do país, focando em seis pontos de aprendizagem: técnicas de produção de artesanato, narração de histórias durante a produção, micro empreendimento, habilidades de gestão, cuidados familiares e saúde preventiva. E quem entra para o grupo fixo, também aprende a ensinar, criando assim um efeito de uma bola de neve, que já abraçou quase mil mulheres de 17 diferentes grupos culturais durante os últimos 20 anos. Motivos para comemorar não faltam no Penduka.

Conheça o site do projeto: http://www.penduka.com/en/

Penduka from site AFREAKA on Vimeo.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

3 comentários para "Penduka: mulheres, produção e liberdade"

  1. Um exemplo que podemos ter outra lógica de civilização:

  2. Elivanete Macêdo disse:

    Um outro mundo necessário !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *