Imigrantes ilegais também pagam impostos

Novos dados desmistificam, nos EUA, um dos principais argumentos de quem quer ver estrangeiros pelas costas

Por Carolina Mazzi

Um dos argumentos mais utilizados pelos ativistas anti-imigração nos Estados Unidos é de que os ilegais não pagam impostos e, portanto, não tem direito aos serviços do governo. Porém, dados revelados pelo jornal Seattle Times parecem desmistificar estas razões. Segundo o jornal, números comprovam que os imigrantes ilegais pagam, sim, impostos ao receber seu salário e contribuem para os programas sociais do governo, como a previdência e o Medicare.

A publicação afirma que, em 2009 (ano com os últimos dados disponíveis), do total de U$ 72,8 bilhões que foram arrecadados com os trabalhadores, cerca de U$ 7,7 bilhões – mais de 10% – não possuíam lastro, ou seja, não tinham conexão com nenhuma pessoa registrada. Segundo o jornal, este valor vem da remuneração de imigrantes ilegais e é utilizado para benefícios sociais e o pagamento de aposentadorias.

Num ano de eleições presidenciais norte-americanas, o debate sobre imigração continua em alta. Candidatos republicanos seguem firmes com a política de expulsar e impedir que os estrangeiros cheguem aos Estados Unidos. Alguns estados do sul do país aprovaram leis severas, que transformam a imigração em crime. Já o presidente Barack Obama, candidato democrata, reforça a proposta de uma política imigratória mais igualitária, apesar de ser o líder que mais deportou ilegais do país.

No entanto, a crise que assola os países desenvolvidos do hemisfério norte e o crescimento de outras potências econômicas, têm afastado os trabalhadores. Os novos fluxos migratórios apontam para uma interação maior entre os países do sul do planeta. Com um cenário incerto para o futuro, é provável que a discussão em relação ao imigrante comece a se tornar irrelevante para os antigos “donos do mundo”.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

4 comentários para "Imigrantes ilegais também pagam impostos"

  1. Esther disse:

    Mesmo que não arrecadassem impostos através do trabalho, arrecadam indiretamente através do consumo. O imigrante come, veste, bebe e compra pelo menos artigos de 1ª necessidade e tudo isso leva impostos acrescentados.

    • Sturt Silva disse:

      É isso ai o imposto não é aquele que gente paga (IPTU, IPVA, etc) mas aquele que já vem embutido na mercadoria que o cidadão consome, na taxa cobrada na relação de produção que o trabalhador faz e etc…
      Tem que ser muito ingenuo para acreditar que imigrante não paga imposto, se esta inserido no mercado de produção e consumo já esta contribuindo.
      Alias isso mostra que quem paga mais imposto não são só os pobres mas também os ilegais, ateé por que dificilmente consegue servir dos serviços sociais por exemplo.

  2. Marcelo M. Mazzi disse:

    Bastante interessante o artigo. Os republicanos sabem dos impostos. No entanto, o preconceito é maior que qualquer imposto. No fundo a questão contunua a mesma: a América para os americanos (EUA).

  3. O artigo é muito ilustrativo. Qual seria a “proposta de uma política imigratória mais igualitária” de Obama? Obviamente não há a possibilidade de um país, nos dias de hoje, simplesmente liberar totalmente as imigrações. Obviamente não se pode não aplicar as leis a ilegais ( sejam eles imigrantes ou infratores de outra natureza). Obviamente não se pode impedir que parte da humanidade imigre, legal e ilegalmente. Para questões como essa, existem os legisladores e governantes. O problema está muito bem conhecido e divulgado. Mas quais são, na pratica, as propostas dos governantes? Legalizar todos os imigrantes ilegais uma vez que eles pagam impostos? Pouco provável, traria um fluxo imigratório sem precedentes para o país. Ou, aniquilar todos os imigrantes ilegais? Impossível, pelo preço ( tanto de investigação para mapeá-los um a um quanto pelos aspectos mais práticos como transporte e alimentação de tanta gente ) e pela moral. Seria ótimo uma matéria imparcial sobre as propostas concretas dos governos sobre isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *