Como os EUA temem os imigrantes

Crescem os sinais de que políticas xenófobas causam prejuízos à sociedade e economia. Mas preconceito regride muito pouco

Por Carolina Mazzi

Uma sondagem divulgada pela Gallup Poll, agência de pesquisas nos EUA, mostrou que a maioria dos americanos não está satisfeita com a presença de imigrantes no país. De acordo com o estudo, 64% dos nativos gostariam de diminuir o número de imigrantes. Ainda assim, é uma redução discreta – quatro pontos percentuais – em relação aos que manifestavam o mesmo ponto de vista na última pesquisa, em Janeiro de 2008.

A pesquisa também mostrou que os partidários do Partido Republicano são os que demonstram maior preocupação em relação aos estrangeiros: apenas 19% deles estavam satisfeitos com o número de imigrantes do país, contra 33% dos democratas e 29% dos independentes.

As políticas anti-imigração adotadas por diversos estados no país já demonstravam uma insatisfação dos norte-americanos em relação aos estrangeiros. Culpando os altos níveis de desemprego e uma “perda de identidade” nacional, diversos políticos utilizavam-se destes argumentos para implementar leis severas e com isso, angariar votos. O que surpreende na pesquisa é que, antes da crise, os americanos demonstravam insatisfação ainda maior em relação aos estrangeiros.É comum que as políticas em relação aos imigrantes serem mais duras, durante momentos de dificuldades econômicas. Porém, em uma sociedade conservadora como a norte-americana, esta parece ser uma tendência que ultrapassa os limites da economia. Já foi comprovado que os “forasteiros” tendem, ao contrário, a estimular a economia com novos negócios e inovação, e a maioria deles realizam os trabalhos que os nativos não querem. A política de expulsão dos estrangeiros no Arizona, por exemplo, já começa a causar estragos e prejuízos nas colheitas do sul, já que os latino-americanos (principalmente os mexicanos) eram a principal força de trabalho nos campos.

Números ainda apontam um leve, porém crescente esvaziamento no movimento em direção a América do Norte. O número de apreensões feitas na fronteira entre o México e os Estados Unidos, por exemplo, é o menor dos últimos tempos. O crescimento de outras potências tem atraído pessoas para novos rumos, em um movimento que caminha muito mais para uma integração sul-sul. O problema dos imigrantes nos Estados Unidos pode enfim, acabar. Mas é provável que eles lamentem muito mais a perda do que imaginam.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

2 comentários para "Como os EUA temem os imigrantes"

  1. Otavio Silva disse:

    Deve por isso que ninguém quer ir para lá, certo? Por isso que a fronteira com o México é aberta assim como as demais fronteiras, e o sonho americano não é algo que exista na mente de milhares de pessoas, ao redor do mundo…

  2. João Roberto Barbosa disse:

    Temos que construir nossa sorte no nosso próprio país. Quem vai em busca da sorte no estrangeiro, principalmente em país de gente besta, merece tudo que lhe acontecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *