Algumas hipóteses sobre o futuro do jornalismo

Após crise da velha mídia, outro caminho para compreender o mundo a tempo de transformá-lo

No momento em que lançamos um novo programa para ampliar nossa rede de colaboradores, queremos compartilhar um pouco mais profundamente nossas visões sobre os rumos do jornalismo, na era das redesPensamos que a comunicação comercial de massas deixou, por diversas razões, de cumprir o papel destacado que desempenhava na democracia – também ela em crise, aliás. Porém, imaginamos que este papel – examinar e relatar realidades sociais complexas, de modo compreensível e atraente, no tempo em que ainda é possível interferir sobre o desfecho dos acontecimentos – pode ser exercido por outros atores.

Acreditamos na força da comunicação compartilhada. Se o futuro da internet está em aberto e em disputa (esta é uma das encruzilhadas mais importantes de nossa época…), é porque a rede foi apropriada, também, pelo ser humano, em seu desejo de multiplicar conexões diretas, sem a intermediação de grandes estruturas empresariais ou burocráticas. Esta libertação se dá em múltiplos terrenos. Nas comunicações, está ruindo a crença castradora que associava “verdade” ao que “saiu no jornal” – e, portanto, elevava um pequeno oligopólio de empresas à condição de narradoras exclusivas de nosso presente.

Todos podemos assumir este papel. O universo de informações que circula na internet é infinitamente mais vasto e mais rico do que o que está nas tevês, revistas e jornais. Os blogs e redes sociais revalorizaram a narrativa sobre a vida social. Mas foram muito além disso. Tornou-se possível encontrar, na rede, informação relevante sobre qualquer tema com peso na construção do futuro coletivo. Do novo Código Florestal brasileiro às descobertas e polêmicas sobre a velocidade dos neutrinos. Das alternativas diante da crise financeira internacional à discussão sobre o que fazer com as reservas de petróleo brasileiras no pré-sal. Do questionamento às patentes farmacêuticas à multiplicação de iniciativas ligadas à cultura das periferias, ou aos coletivos voltados à arte questionadora.

Neste universo ultra-expandido, o jornalismo precisa encontrar um novo sentido. Já não lhe cabe nenhuma exclusividade na narração da vida. Mas ele pode articular a informação disponível – reunindo, reprocessando e valorizando a infinidade de dados que circulam pela rede e passam quase sempre despercebidos.

Num mundo de tempos cada vez mais exíguos, os seres humanos não podem conhecer sequer uma ínfima fração das novas informações disponíveis. Surge o conhecido paradoxo do caos comunicativo. Há hiperabundância de dados sobre todos os fatos – porém, é cada vez mais difícil estabelecer bases comuns para dialogar e interferir sobre eles.

Um novo jornalismo não terá a pretensão de organizar este universo infinito e em permanente expansão – mas, sim, pode oferecer narrativas capazes de sensibilizar e dialogar com públicos específicos. Outras Palavras quer cumprir um papel neste cenário.

MAIS:

> Post anteriores:

Outras Palavras busca novos colaboradores

Uma participação com desafios claros

Para continuar, sobre o mesmo tema:

A comunicação que queremos fazer juntos

> O formulário para inscrição de colaboradores está aqui

> Seminário “Jornalismo de Profundidade na Era da Comunicação Compartilhada”

Sábado (1º/10) e Domingo (2/10), das 9h30 às 15h30

Em nossa redação: Rua Augusta, 1239 – sala 11 – São Paulo

Fone: (11) 3449.3747 Veja mapa

 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

3 comentários para "Algumas hipóteses sobre o futuro do jornalismo"

  1. Arthur Araujo disse:

    É realmente importante essa iniciativa. É preciso quebrar definitivamente esse oligopólio das comunicações, e da falsa democracia, aquela que só serve aos interesses do grande capital.

  2. Caro “xará”: estou lançando um jornal voltado para Cultura, Artes e Turismo no Vale do Paraíba paulista. Gostaria de pedir-lhe autorização para reproduzir este seu chamamento, naturalmente acompanhado do seu endereço.
    Afinal, estamos falando em compartilhamento de informações e opiniões.
    Agradeço antecipadamente, e desejo muito sucesso à sua iniciativa.
    [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *