Sérgio Machado e Romero Jucá: diálogo entre um fazendeiro e um minerador

romero

Representante exemplar de uma elite arcaica (Foto: Geraldo Magela/ Ag. Câmara)

Pivôs da crise têm atividades tão pouco republicanas quanto suas conversas; ex-diretor tem fazenda questionada pelo MST; ex-ministro é um conflito de interesses ambulante

Por Alceu Luís Castilho (@deolhonoagro*)

No dia 18, quarta-feira, 2 mil famílias de sem-terra que ocupavam desde março a fazenda Santa Maria, no oeste do Paraná, foram expulsas pela polícia do governador Beto Richa, a mando do Judiciário. Um dos donos da fazenda, ao lado dos irmãos? Sérgio Machado, ele mesmo, o ex-presidente da Transpetro – agora famoso por causa das conversas pouco republicanas com o senador Romero Jucá (PMDB-RR). “Homens, mulheres, crianças e até um cadeirante foram expulsos com extrema violência para garantir uma propriedade adquirida com dinheiro oriundo da corrupção”, resume o jornalista Aluizio Palmar.

Do outro lado do Brasil, Jucá. Dono de TV (em nome dos filhos), minerador. Entre outras cositas más. “Em 1987, em plena epidemia de malária e gripe, trazida pela invasão de garimpeiros, o então presidente da Funai, Romero Jucá, alegando razões de segurança nacional, retira as equipes de saúde da área Yanomami”. É um trecho do relatório final da Comissão Nacional da Verdade. Resultado? Aumento de 500% dos casos de malária. “Mais de 4 mil yanomamis morreram de malária, tuberculose, de assassinato”, resume o líder indígena David Kopenawa.

Avancemos no relatório:

– O caso mais flagrante de apoio do poder público à invasão garimpeira se deu na gestão de Romero Jucá à frente da Funai, na região do Paapiu/Couto de Magalhães, onde o garimpo se iniciou a partir da ampliação de uma antiga pista de pouso pela Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (Comara), em 1986. A Funai e os demais agentes públicos abandonaram a região, deixando a área livre para a ação dos garimpeiros.

Diz o relatório que a inoperância da Funai na retirada dos garimpeiros, agravada pela expulsão dos profissionais de saúde, “teve como consequência direta as mortes decorrentes de conflitos”.

CONFLITO DE INTERESSES

A fortuna de Romero Jucá vem em boa parte da mineração. A maior parte dos bens foi transferida ainda nos anos 90 para os filhos, sócios de 12 empresas. O que não o impede de fazer projetos de lei relativos ao setor. Ele é autor de uma PEC que permite a exploração mineral dentro das reservas indígenas. Essa prática – muito comum no Congresso – atende pelo nome de conflito de interesses. E tudo pode sempre ser pior:  David Kopenawa diz que Jucá e sua família incentivam a invasão de terras indígenas por garimpeiros.

O senador foi afastado do Ministério do Planejamento não por seu histórico peculiar. mas porque foi flagrado em uma conversa conspiradora. Golpista. O que um político como ele pode planejar? A serviço de quem? Neste texto de 2013 explico a teia de interesses que liga políticos às mineradoras. Especialmente do PMDB – o partido que chega mais um vez por vias tortas ao poder. Conto também uma curiosa história – enterrada pelo STF – sobre a relação entre Romero Jucá e uma empreiteira (sempre as empreiteiras), a Diagonal. O ministro Dias Toffoli não viu problema nenhum no caso.

Machado e Jucá resumem a face violenta e ilegal do Brasil rural. Esse da grilagem, da invasão de terras indígenas, da expulsão de camponeses. E que sempre acaba ganhando o aval do Judiciário. Ou do governo de plantão – golpista ou não. Das incursões do ex-presidente da Transpetro pelo oeste do Paraná (região que também dizimou indígenas, ao longo do século 20) às estripulias de Jucá, temos um mesmo Brasil arcaico. Que, em meio ao nosso sistema político ruralista, costuma ser muito bem representado em Brasília.

LEIA MAIS:

É o PMDB, jornalistas! Na mineração, é o PMDB

|| * O projeto De Olho nos Ruralistas está em campanha de arrecadação. Para fazer um programa de webTV, um site e oficinas. O titular deste blog é o editor do projeto e apresentador do programa. Contribua agora! ||

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Um comentario para "Sérgio Machado e Romero Jucá: diálogo entre um fazendeiro e um minerador"

  1. Izaura Bezerra Francini disse:

    Todo apoio a iniciativas que informe o povo sobre a realidade, especialmente que denuncie homens que foram para defender interesses do povo e não passam de gangsters envolvidos com interesses pessoais como Jucá, Temer, Aécio, Serra, ….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *