Dezenas de vídeos registram a ação ditatorial da PM paulista

https://www.youtube.com/watch?v=aRiGFuGCUF4

Vídeos com abuso policial na manifestação contra tarifas de ônibus em São Paulo podem ajudar a motivar uma investigação internacional; Estado precisa ser denunciado

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

O início da repressão policial desta terça-feira, em São Paulo, foi registrado de diversos ângulos. O jornalista Caio Castor estava no meio da multidão e registrou o início dos ataques, na Avenida Paulista. Thomaz Pedro, também. Helena Wolfenson e o coletivo Território Livre registraram tudo de cima. As imagens (como essas no vídeo do YouTube, acima) são impressionantes: a Praça dos Ciclistas virou praça de guerra.

Agressões pelas costas e uma covardia policial generalizada estão registradas em uma coleção de imagens reunidas pelo PSTU. E não tinha por onde escapar. Quem entrou no Instituto Cervantes, na Avenida Paulista, também foi atingido, como mostra gravação da repórter Laura Capriglione para os Jornalistas Livres. Alguns estavam feridos por balas de borracha.

Gustavo Basso gravava entrevista com um coronel da PM quando começaram a ser jogadas as bombas nos manifestantes. O policial dizia exatamente que garantia a segurança de todos, que nada ia acontecer. “Nós garantismos seu protesto pacífico”, afirmou:

No fim da entrevista todos se voltam para assistir ao bombardeio.

RUA SERGIPE

Os Jornalistas Livres registraram o momento em que manifestantes foram encurralados na Rua Sergipe, uma das travessas da Rua da Consolação:

Outros manifestantes encurralados foram vítimas de sprays com gás de pimenta.

Estes são apenas alguns exemplos dos vídeos que circulam desde a noite de 12 de janeiro na internet. Outros foram feitos – e precisam ser reunidos para ajudar em um esforço de reconstituição do terror promovido pelo governo estadual. Quem sabe com investigação internacional, na Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

Em 2015, diversos vídeos pelo país mostraram a extensão da violência policial pelo Brasil, em diversas Unidades da Federação.

DEPOIMENTOS

O massacre também motivou vídeos com depoimentos de manifestantes. Como estas duas amigas entrevistadas pelo coletivo Jornalistas Livres.

Uma atriz conta para a jornalista Rebeca Lerer como a PM começou a atirar bombas sem motivo em quem estava no início da concentração, na Avenida Paulista.

Um manifestante apanhou da polícia na Rua da Consolação e perdeu vários dentes.

E Éber Veloso Carlos conta que foi agredido com um livro na mão pela polícia, “essa herança colonial”.

OUTRO LADO

Coube à grande imprensa retratar os fatos do ponto de vista policial. Olhem como o repórter da Globo News estava atrás da Tropa de Choque:

https://www.youtube.com/watch?v=MI4M8LNRWX4

Pela Lei de Acesso à Informação, seria ótimo que a Secretaria de Segurança Pública divulgasse os vídeos gravados pelos próprios policiais. Ou tem algo a esconder?

LEIA MAIS:

Repressão histórica da PM em São Paulo tem centenas de relatos

2015 – Multiplicam-se os vídeos que flagram abusos de PMs

 

 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Um comentario para "Dezenas de vídeos registram a ação ditatorial da PM paulista"

  1. Ricardo Pereira da Silva disse:

    Quando as manifestações visam a abrir novos canais de intermediação e novas arenas de participação política. Quando enfatizam a participação direta nas lutas, em vez das formas representativas mais tradicionais e, geralmente corrompidas, o Estado aciona seu aparato repressor e garante o diapasão entre cidadania “representativa” versus cidadania participativa! Além de tornar conspícua a contradição entre os direitos legais de cidadania e sua concretude, isto é, a universalidade objetiva das leis e dos direitos e a defasada efetivação dessa universalidade vivida pelos indivíduos. Até mesmo direitos liberais são obliterados! Temos um Estado de Direito ou um Estado Oligárquico de Direito?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *