Uma carta para a nova editoria do jornal Extra, a Editoria de Guerra

extra-guerra

Vamos ter enviados especiais para as terras indígenas isoladas? Correspondentes nos presídios? Editoriais contra as reintegrações de posse e destruição dos modos de vida?

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Querida Editoria de Guerra do jornal carioca Extra. Você, tão jovem, tão original. Editoria de… Guerra! Vi amigos falando sobre sua existência. Por causa do tráfico, né? Digo, por causa das ações tresloucadas da polícia – do Estado – há algumas décadas, essa ações (não lembro se já disse que elas são tresloucadas) que a embalaram no berço, alimentaram-na durante a gestação, mas sempre de forma a dar uma disfarçada, como se não fosse com ela. Como se fossem da Paz.

Chacina de Osasco e Barueri, em 2015. Que guerras urbanas serão pautadas?

Não me lembro de tantas Editorias de Guerra por aí nesse mundão velho de… guerra. Por isso pergunto: Guerra Urbana ou Guerra Agrária? Ou Guerra como um todo, uma Guerrona, nossa Guerra estrutural, a mãe de todas, aquela que dá origem ás demais?

Veja, eu não falo em Guerra Agrária por fixação, por pensar só nisso. Eu sou da cidade e vejo diariamente sua musa, a Guerra segue firme e forte por aqui, deparo-me com a Guerra no Trânsito, vejo seus espasmos, a Batalha da Especulação Imobiliária, a Marcha das Balas de Borracha acompanhada da Orquestra de Despejos. Sei que essa Guerra é rude, essa Guerra é intensa. (Não creio que você possa estar falando apenas da Guerra Urbana localizada, aquela com alguns personagens mais facilmente detectáveis pelo senso comum, jovens com fuzis na mão, não, não, eu não quero levá-los para casa, Editoria de Guerra, eu imagino que uma pessoa que conviva tanto com generais deva saber que essa é a apenas sua expressão mais noticiada, pois não?)

"A Noite de São Lourenço" (Paolo e Vittorio Taviani, 1982)

“A Noite de São Lourenço” (Paolo e Vittorio Taviani, 1982)

Mas enfim. Falo da Guerra Agrária, sim, porque ela tem uma certa precedência – histórica, cronológica – em relação às demais guerras. Dizem até que revoluções saíram do campo, não? Sim, sim, batalhas sangrentas. Assistiu “A Noite de São Lourenço”, dos Irmãos Taviani, um filme lindo dos anos 80? Lá tem uma batalha incrível entre resistentes e fascistas, no meio de um campo de trigo. E em filme anterior deles, “Allonsanfan”, outra cena imponente, revolucionários urbanos e camponeses irmanados – só que apenas em sonho.

Tá bom, tá bom, viajei. É que a Europa falou tanto de Guerra Primeira, Guerra Segunda, traumatizada que é, enquanto nós, por aqui, nós que nos distraímos tanto, não a assumimos. Mas agora temos, temos… uma E-di-to-ri-a. Uma Editoria de Guerra! Pois todo o resto é normal, imagina você, a Grande Marcha dos Psicopatas e dos Exploradores, entre estupradores e executivos em série, tudo isso seguirá na cobertura ordinária, esse desfile de vendedores de venenos e fuzileiros políticos, desnecessário fazer uma Editoria da Dívida Genocida ou uma Editoria dos Despejos Cruéis. Afinal, temos, temos… uma Editoria do Rubinho e da Bibi, uma Editoria de Guerra! Com vista para ele, para o Cristo Redentor.

Ah, Editoria de Guerra. Mal posso esperar para saber quem será o Subeditor de Grilagem, o repórter especializado em jagunços, já estou louco para conferir a cotação das motosserras e as investigações sobre a sagrada propriedade assassina. Vamos ter enviados especiais para as terras indígenas isoladas? Correspondentes nos presídios? Editoriais indignados contra as reintegrações de posse e destruição dos modos de vida? (Claro – claaaaaro – que você sabe que Guerras não existem a partir do Rio, por geração espontânea, que elas são fruto de processos históricos. Complexos. E que são objetos de narrativas. “Aos vencedores, a versão das batalhas”.)

Massacre de Pau D'Arco (PA) deixou 10 mortos em maio.

Massacre de Pau D’Arco, no Pará, deixou 10 mortos em maio. Chacinas no campo são “guerra”?

Me conta. Teremos também uma Editoria de História? Talvez vocês possam fazer umas matérias interdisciplinares. Editoria de Geografia sim, né? “A Geografia serve, em primeiro lugar, para fazer a Guerra”. (Como dizia aquele francês.) Lógico que sim. Posso sugerir também uma Editoria de Sociologia? Outra de Antropologia, outras de Psicologia e Psiquiatria. Economia eu sei que vocês já têm, Editoria de Guerra, mas ela anda muito focada, fala sempre para os mesmos – e desconfio que aqueles que estão do lado errado, posto que artífices daquilo que eu chamei de Guerra Mais Ampla, a Guerrona.

Ou será que não dá para agrupar tudo numa verdadeira Editoria de Política, uma Editoria de Política séria, uma Editoria de Política que contemple – efetivamente – todos os lados da disputa, e que não esteja a serviço de exércitos de fanáticos? E-vi-den-te-men-te não essa editoria de política que está aí, Editoria de Guerra, e isso fica entre nós, porque sei que os donos de seu jornal talvez não assimilem tão bem essa crítica, que vem do fundo de meu coração, com a melhor das intenções, apenas aqui pedindo licença para uma contribuição singela, mas uma Editoria de Política que…

Continuar lendo

Massacre de Pau D’Arco e Massacre de Brasília: duas faces de um país que regride

Brasília, 2017. (Foto: Walter Serra/Mídia Ninja)

Brasília, 2017. (Foto: Walter Serra/Mídia Ninja)

O assassinato de dez camponeses no Pará remete o Brasil aos anos 90; o Exércico reprimindo manifestações na capital, aos anos de chumbo; tudo no mesmo dia

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Em Pau D’Arco, no Pará, dez camponeses foram mortos pela polícia, nesta quarta-feira. O mesmo número do Massacre de Corumbiara, em Rondônia, em 1995. No ano seguinte foram mortos 19 sem-terra em Eldorado dos Carajás, também no Pará. As duas matanças marcaram o governo de Fernando Henrique Cardoso. Por isso é preciso que se dê o nome de massacre, com todas as letras: o Massacre de Pau D’Arco já passa a ser uma das marcas do governo de Michel Temer.

Outra marca desse presidente transitório ficará gravada para sempre na história brasileira da infâmia. A indefensável e intempestiva decisão – curiosamente corroborada por um ministro que já foi de um partido comunista, Raul Jungmann – de autorizar o uso do Exército para reprimir uma manifestação. Isto em um país supostamente democrático. Ocorreu ontem, em Brasília. Mas demorará a ser esquecido. Continuar lendo

“Carne Fraca”: por que a imprensa blinda Blairo Maggi?

blairo-ebc

(Foto: EBC)

PF fez busca a apreensão no gabinete do ministro, em sala que abriga responsáveis por contato com o Congresso; em agosto ele reduziu fiscalização sanitária

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

De Olho nos Ruralistas informa: ““Carne Fraca”: PF fez busca e apreensão no gabinete de Blairo Maggi“. Não na sala específica do ministro da Agricutura, mas no gabinete, no mesmo andar – na sala onde ficam os responsáveis pela articulação política e pela relação com o Congresso. A grande imprensa não deu, embora a informação (com endereço e tudo) esteja escancarada na lista de busca e apreensões divulgada pela Polícia Federal.

Não deu porque é distraída ou porque há interesse de patrões e editores em blindar o ministro?

Em agosto, Maggi anunciou que reduziria a fiscalização sanitária. Foi uma das medidas anunciadas no plano Agro+. A imprensa também ignorou. É novamente o De Olho nos Ruralistas – um observatório sobre agronegócio no Brasil – que informa, em notícia na semana de inauguração do site, em setembro: “Maggi reduz fiscalização sanitária: ‘É o mercado que vai punir quem faz coisas erradas'”. Continuar lendo

FHC, Alckmin, Serra, Blairo Maggi e o Vale das Notícias Ignoradas

fhc

Governador recebeu o ex-presidente e os dois ministros no Palácio dos Bandeirantes; em pauta, a defesa do agronegócio; mas leitores não deram bola

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Todo jornalista deve ter sua lista de notícias-que-não-emplacaram. Você vai lá, apura, descobre algo, sente aquele comichão de repórter, algo entre o orgulho e a expectativa de que repercuta, e… simplesmente a notícia não vinga. Até é publicada, não necessariamente desprovida de destaque. Mas ninguém dá bola. E a notícia não precisa ser sua. Às vezes você percebe que um colega deu algo importante. Espera que aquilo vá rodar o país. Mas nada.

Acaba de acontecer comigo. Duplamente. Lia distraidamente a Coluna do Estadão, nesta terça-feira (07/02), quando me deparei com a seguinte informação: o governador Geraldo Alckmin recebeu em pleno Palácio dos Bandeirantes o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e os ministros José Serra e Blairo Maggi. Em pauta, o agronegócio. O ministro da Agricultura queixa-se da percepção da sociedade em relação ao setor. E FHC se dispôs a abrir o espaço de seu blog, em prol da causa.

Não vi ninguém – absolutamente ninguém – comentar a notícia. E escrevi a seguinte nota, no De Olho nos Ruralistas, observatório sobre agronegócio que coordeno: “Alckmin recebeu FHC, Serra e Blairo Maggi para defender agronegócio“. Mas novamente… nada. Uma das piores repercussões da história do site. O leitor não se interessou. E fiquei pensando…

… no Vale das Notícias Ignoradas. Um imenso vale com notícias soterradas, ignoradas ou instantaneamente esquecidas (o Vale das Notícias Esquecidas é outro, contém notícias que ao menos foram destaque por algum tempo), criaturas natimortas. Notícias que atravessaram algum Rubicão, driblaram os muros de pauteiros e editores, interesses dos patrões, foram estampadas. O leitor que as rejeitou.

Sim, bem sei que leitores são induzidos. Que as notícias que se repetem, sistematicamente, que aparecem nos editoriais e nas colunas dos articulistas, que ganham suítes, têm muito mais chance de entrar na memória coletiva, de fazer parte do debate público efetivo. Mas não estou a falar do Vale das Notícias Censuradas, rejeitadas, derrubadas, vetadas. E sim de notícias que saíram.

Qual a importância, então, de um governador receber – em pleno Palácio dos Bandeirantes – um ex-presidente da República, estrela de seu partido, um dos intelectuais mais influentes de certas décadas do século 20, junto com dois ministros de um governo golpista, um deles de seu partido, o conhecidíssimo José Serra? O outro, o vice-rei da soja, cotado em alguns círculos até mesmo para a Presidência da República?

(Foto: Marcos Corrêa/PR/Portal Planalto)

(Foto: Marcos Corrêa/PR/Portal Planalto)

Eu não estou louco. Vejo relevância do encontro no contexto da própria nomeação de um tucano, Alexandre de Moraes, outro ministro do constitucionalista Michel Temer (nesta terra de constitucionalistas distraídos), para o Supremo Tribunal Federal. Vejo relevância na reunião de três grão-tucanos nesse lugar específico – mesmo que fossem só eles. Vejo importância política na costura entre governo estadual (e entre outro presidenciável, Alckmin) e ministros de Temer.

Por fim, e como editor de um site sobre o universo dos ruralistas, vejo com certa perplexidade Fernando Henrique Cardoso abrir o espaço de seu blog – tradicionalmente reservado para a defesa da legalização da maconha – para promover um setor econômico que se vende por um preço muitíssimo maior do que aquilo que realmente oferece. Ultrasubsidiado, com uma fatia do PIB muito menor do que sugere sua auto-estima nas alturas, patrocinador de violências históricas no campo e de uma das desigualdades estruturais da sociedade brasileira, a que diz respeito ao acesso à terra.

“FHC vai abrir seu blog para defender o agronegócio”. Esse foi outro título que pensei. Será que daria certo? A notícia subiria para algum morro, eventualmente o Morro das Notícias Sobre Tucanos, ou o Pico dos Leitores que Odeiam FHC (ou o Planalto das Notícias sobre Agronegócio, ou sobre Blairo Maggi), ou continuaria no Vale das Notícias Ignoradas? Não sei.

Paola Carossella: “Elite também come agrotóxicos”

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Conhecida como jurada do Masterchef, argentina aponta comunicação como questão-chave no combate ao uso de venenos na comida

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

A chef argentina Paola Carossella defendeu nesta sexta-feira a comunicação com os consumidores como forma de combater o uso de agrotóxicos. “As pessoas não sabem o que está acontecendo”, disse ela, durante seminário promovido pela Comissão Especial sobre Fitossanitários da Câmara dos Deputados. “Existe uma enorme desinformação. O que a gente pode fazer é comunicar”.

Jurada do Masterchef, reality show sobre gastronomia da Band, contou que, ao se tornar mais conhecida, as pessoas começaram a perguntar sobre a viabilidade do consumo de comida orgânica. E a falar que se trataria de uma comida elitista. “Será? Conheço restaurantes caríssimos que não servem orgânicos. Não creio que as pessoas que produzem agrotóxicos estejam comprando cesta orgânica”. Continuar lendo

Idec: Brasil importa frutas com agrotóxicos ilegais

Dados constam de última pesquisa do governo; pesquisadora Ana Paula Bortoletto diz que Brasil trabalha com amostras insuficientes para tamanho do problema

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Da Espanha vem a uva. Com agrotóxicos proibidos, no Brasil, para a produção dessa fruta – em todas as amostras analisadas pelo governo brasileiro. Da Itália, o kiwi: quatro entre as cinco amostras apontam utilização de agrotóxicos não permitidos. Do Uruguai, a maçã. Igualmente envenenada, com quantidade de pesticidas acima do limite tolerável. Todos os dados constam de um levantamento divulgado em junho pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que passou despercebido da imprensa.

“Os alimentos que a gente está importando para consumir no Brasil também estão contaminados, e com alimentos impróprios para a cultura”, aponta Ana Paula Bortoletto, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec). Ela analisou os dados do Ministério da Agricultura em entrevista ao De Olho nos Ruralistas, um observatório sobre agronegócio no Brasil. Continuar lendo

Sobre moradores de rua, sem-teto, Olimpíadas e o higienismo nosso de cada dia

Exclusões de moradores de rua, sem-teto ou indígenas são feitas pelo poder público a pedido do poder econômico; mas e quando são solicitadas pelo cidadão comum?

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Vejamos duas notícias aparentemente díspares reunidas pelo Observatório do Autoritarismo.

1) “A pedido de moradores do Centro, Brigada Militar retira população de rua do viaduto na Borges” (Sul 21). Em Porto Alegre. Continuar lendo

SP, RJ, RS, PR e SC têm 60% das feiras orgânicas do país

 

Mapa de Feiras Orgânicas do Idec mostra necessidade de políticas públicas para se atingir lugares mais pobres; movimento atual do governo é no sentido oposto

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Entre 490 feiras identificadas pelo Mapa de Feiras Orgânicas do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (idec), 60% delas (292) ficam em apenas cinco estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. No restante do país há Unidades da Federação com apenas uma feira conhecida, como Amapá, Amazônia e Rondônia.

A pesquisadora Ana Paula Bortoletto, do Idec, diz que para se fazer uma melhor distribuição geográfica são necessárias políticas públicas. E é aí que mora um dos problemas. O governo interino de Michel Temer tem feito sinalizações no sentido contrário. Com a extinção do Ministério do Desenvolvimento Agrário e medidas que estimulam ainda mais o setor do agronegócio, e não a agricultura familiar. Continuar lendo

Idec avisa: consumidor pode ser outra vítima do governo Temer

Pesquisadora do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, Ana Paula Bortoletto diz que riscos ambientais e para saúde são maiores com governo interino e instabilidade

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

O direito do consumidor à informação está ameaçado. No Senado, um projeto de lei – relatado pelo suplente do Ministro da Agricultura – pode retirar a obrigatoriedade dos rótulos para produtos transgênicos. Confirmando o que foi aprovado, em 2015, na Câmara dos Deputados. Uma pesquisadora do Idec, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, diz que a instabilidade política joga a favor da aprovação – e convida a sociedade a se mobilizar contra.

Para Ana Paula Bortoletto, que também faz parte de um grupo de pesquisa na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), são grandes as chances de retrocesso em relação aos direitos sociais, em meio ao governo interino de Michel Temer. “E isso inclui o direito do consumidor à informação clara, correta, sobre o que está sendo ofertado no mercado e quais os riscos que os produtos apresentam para a saúde, ou o impacto ambiental dos alimentos”. Continuar lendo

Crianças envenenadas: nem bebês estão a salvo dos agrotóxicos

agrotoxicos-crianças02

Pesquisa da USP traz detalhes sobre distribuição etária da contaminação por pesticidas no Brasil; 40% dos casos até 14 anos em MG e MT atingem faixa até 4 anos

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Crianças e adolescentes até 14 anos estão entre as vítimas – e entre as vítimas fatais – de pesticidas no país. E não há limite de idade. Em Estados como Minas Gerais e Mato Grosso, a incidência entre crianças de 0 a 4 anos supera 40% do total de crianças e adolescentes envenenados.

Esses são alguns dados organizados pela professora Larissa Bombardi, do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP), e que farão parte da Geografia do Uso dos Agrotóxicos no Brasil, uma pesquisa que será finalizada e divulgada neste semestre. Continuar lendo