Rio, 19ºC

“Alcançou o sobretudo azul, abandonou pelo vermelho, preferiu o preto, pensou no bege, decidiu-se pelo marrom, o único sem cheiro de mofo”

frio

Por Daniel Cariello

Andrezinho foi do sétimo ao térreo pela escada, acenou “e aê?” pro Seu Antônio, botou o nariz na rua, deu meia volta, justificou com “friaca, brother!”, voltou ao sétimo de elevador, vestiu casaco do Hard Rock Cafe, achou pouco e tacou jaqueta do Vasco por cima, catou a medalhinha de Nossa Senhora, trocou chinelo por tênis sem meia, desceu novamente a pé, soltou “agora eu fui!” e sumiu na multidão da Praça São Salvador.

Clément afastou a persiana, conferiu o Cristo nublado, checou doze sites meteorológicos, guardou o protetor solar na mala, colocou camiseta de 58, a 10 azul, combinou com calça Capri branca, estreou novo par de Havaianas, passou pela recepção, escutou “bom dia”, respondeu “obrigado”, caprichou no “r”, selecionou Jorge Ben, aumentou o volume, consultou o GPS e dobrou à direita depois dos arcos.

Lourdes mirou o espelho, empetecou-se de blush, ajeitou os cachos brancos, alcançou o sobretudo azul, abandonou pelo vermelho, preferiu o preto, pensou no bege, decidiu-se pelo marrom, o único sem cheiro de mofo, escolheu um cachecol de lã, um par de luvas de couro, o broche de Jesus, engoliu os dois remédios, reclamou do efeito do clima nos joelhos, disse tchau pro Byron, recebeu uma lambida de volta, abriu a porta de casa, fechou a grade da vila e pareceu pequena ao lado das palmeiras da Rua Paissandu.

Tati postou uma selfie, faturou cinquenta e seis likes, lamentou não inaugurar o biquini, ganhou mais trinta e sete, comentou três posts, compartilhou uma foto de gatinho, ignorou o ascensorista, marcou a Jana em texto sobre Miami, curtiu a página do Papa Francisco, saiu no segundo, percebeu tarde demais, pegou o próximo, deixou um “olá” sem resposta, mandou zapzap, ficou na garagem, tirou o casaco da Zara, escondeu a Victor Hugo no porta malas, ligou o Audi e furou o sinal no Aterro.

Jorge levantou-se do banco, ensaiou polichinelos, levou as mãos às costas, ergueu-as para os céus, tentou proteger os braços dentro da blusa, desistiu, procurou abrigo contra o vento, desviou de horda de pombos, invejou o pulôver da jovem, virou o último gole da garrafa, entrou na floricultura, espirrou de alergia ao pólen e distanciou-se do Largo do Machado.

Clément e Tati esbarraram-se na entrada da igreja, Andrezinho e Jorge estavam lá dentro, Lourdes subia lentamente a ladeira. Nenhum deles se conhecia. Todos foram ao Outeiro da Glória orar pelo fim do inverno carioca, que já durava três dias.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Um comentario para "Rio, 19ºC"

  1. É isto! Cariocas não gostam de frio em sua cidade. Perde a cor e o calor. Não sabemos lidar com ele quando aporta por aqui. Felizmente, não mais do que 20 dias no ano de frio, frio mesmo. Suficiente para irmos ao Outeiro ou para uma visita aos Capuchinhos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *