Eleições-2014: é possível uma pauta feminista?

Dez questões incômodas, que você pode dirigir a candidatos e candidatas, em busca de uma disputa menos conservadora

140424-Feminismo

Por Marília Moschkovich, na coluna Mulher Alternativa

Então, parece que está dada a largada: a declaração do presidenciável Eduardo Campos sobre o aborto inaugura o show de horrores que assistiremos (de camarote, com bebida que pisca) durante as eleições de 2014. Se as questões de direitos humanos, em geral, costumam ser rifadas na lógica insana da disputa eleitoral, os assuntos especificamente ligados aos direitos das mulheres parecem ter cacife zero. Desde que temos figuras femininas com força na corrida, em 2010, então, isso tem sido uma constante. O fato de termos uma presidenta mulher, pelo jeito, tampouco ameniza esses ataques.

Do ponto de vista da militância feminista, o governo Dilma tem sido uma grande decepção no que tange os direitos sexuais e reprodutivos mas também em relação às políticas para mulheres. A decepção vem por uma série de pressões feitas pelo gabinete da Presidência respectiva secretaria de Politicas para as Mulheres (SPM), por alguns programas que contradizem princípios básicos do feminismo (como o tal Cegonha-qualquer-coisa) mas também pela absoluta falta de diálogo com a militância que desempenhou um papel importante na eleição da presidenta. Ao mesmo tempo em que, durante a campanha de 2010, percebemos que enfrentaríamos uma batalha após as eleições (sobretudo quando a fatídica questão sobre o aborto foi pautada), imaginamos que haveria pelo menos condições de disputar esses pontos. Na maior parte das vezes, nos últimos quatro anos, não houve. O fechamento do debate é grave e decepciona profundamente.

Isso não impede, porém, que um segundo mandato de Dilma seja diferente e atenda a esse tipo de expectativa de maneira mais satisfatória. Vai de cada um e de cada uma de nós decidir o quanto acredita nessa possibilidade. As demais candidaturas também mostram, no discurso e nas práticas de seus partidos, a maneira como provavelmente abordam esses temas. Cabe a nós saber olhar bem para esse ponto específico das plataformas e debates, e conseguirmos avaliar o quanto as respostas dos candidatos e candidatas a nossas reivindicações nos satisfazem. Pensando nisso, elaborei uma listinha de dez perguntas-armadilha que podem ajudar a construir um pequeno mapa de como cada presidenciável ou candidato ao legislativo de seu interesse trata as principais pautas feministas na política.

1) Seu partido já foi presidido por uma mulher? Quantas vezes?

2) Você defende a aprovação da lei Gabriela Leite, que regulamenta o trabalho sexual, mesmo que seus termos possam ser revistos depois?

3) No caso de uma reforma política que use o sistema de listas fechadas para nossas eleições, você é a favor da alternância de gênero sistemática na lista de seu partido? E dos outros?

4) No contexto das políticas ligadas à saúde pública, o aborto deve ser legalizado, seguro e acessível para mulheres que não correm risco de morte na gravidez/parto nem foram estupradas, ainda que haja algum tipo de prazo-limite para que seja realizado?

5) É possível combater as diferenças salariais entre homens e mulheres que ocupam um mesmo cargo profissional, com exigências e horas de trabalho iguais?

6) Você é a favor de igualar os tempos de licença-maternidade e licença-paternidade?

7) Na sua opinião, é correto o Estado decidir como, quando e onde uma mulher grávida vai parir (como no caso Adelir, por exemplo), em alguma circunstância?

8) Você acha que os assédios no transporte público acontecem por que algumas mulheres se vestem de maneira inapropriada ao frequentarem esses espaços?

9) Nos trotes de faculdade e nas festas universitárias, quando as jovens denunciam abusos, seria uma boa solução que elas simplesmente não se envolvessem nesse tipo de atividade, no seu ponto de vista?

10) Para você, deveria haver uma ação do Estado regulamentando e punindo campanhas publicitárias e outros materiais de mídia que ferem princípios de direitos humanos assegurados na nossa Constituição?

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

3 comentários para "Eleições-2014: é possível uma pauta feminista?"

  1. Fukh disse:

    Com todo respeito, mas essa pauta é extremamente “classe média”. O desprezo pelos programas direcionados aos mais pobres, que você desdenha chamando de “cegonha-qualquer-coisa”, evidencia isso. Você se esquece que Dilma tem um discurso contra a violência contra a mulher bem forte e firme (se se reproduz em programas, não sei lhe dizer). Esquece de falar que o Bolsa-Família é o programa mais feminista da face da Terra. Consegue êxitos que qualquer feminista de Twitter nunca sonhará em alcançar.
    Tá na hora do feminismo parar de ser elitista e VERDADEIRAMENTE focar, parafraseando Mujica, nas brasileiras “submersas, cheias de crianças”. Essa, como ele disse, as feministas não se lembram.

  2. Guilherme disse:

    No meu entender, o aborto é discutido de forma desonesta e incoerente por ambos os lados, progressistas e conservadores. Enquanto estes fundamentam sua posição anti aborto com base em dogmas religiosos e preconceitos, aqueles limitam o debate a uma esfera superficial, justamente para escapar das dificuldades de se debater o que realmente esta em jogo. Explico: a maioria esmagadora dos abortistas defende a pratica por compreendê-la como uma decorrência do direito de autonomia sobre o próprio corpo. Para que isso seja verdadeiro, precisamos aceitar uma das seguintes premissas: ou não há uma vida humana no útero da mãe ou o direito desta de dispor sobre o próprio corpo prevalece sobre o direito à vida do filho. Por óbvio, a segunda premissa não prospera, eis que em todas as hipóteses em que direito à vida e direito à autonomia sobre o corpo entram em conflito, o primeiro prevalece. Com efeito, o Estado não me autoriza a vender meus órgãos no mercado negro, ainda que isso seja uma expressão da minha autonomia sobre o meu corpo, posto que seria um atentado à minha vida, esta ultima muito mais valiosa que minha autonomia sobre meu corpo, já que tal autonomia sequer pode existir se eu não estiver vivo. Nos resta, portanto, a segunda premissa, segundo a qual não haveria vida no útero materno.
    Se as feministas realmente querem maior simpatia da população para com a questão do aborto, precisam perder o medo de adentrar no debate que está no centro do problema: o inicio da vida humana. Demonstrem, de maneira lógica e coerente, porque a vida de um embrião, até certo período, nao equivale à de um ser humano perfeito e acabado, e vocês conseguirão maior aceitação quanto a este assunto.

  3. Marcio Ramos disse:

    Marília, a otimista, escreve:
    “Do ponto de vista da militância feminista, o governo Dilma tem sido uma grande decepção no que tange os direitos sexuais e reprodutivos mas também em relação às políticas para mulheres.”
    (…)
    “Isso não impede, porém, que um segundo mandato de Dilma seja diferente e atenda a esse tipo de expectativa de maneira mais satisfatória.”
    (…)
    Josias da porcaria da Folha escreve:
    http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2014/04/26/lula-nao-pode-voltar-em-2014-porque-nunca-saiu/
    (…)
    “Dilma será vendida pelo marketing da campanha de 2014 como a pessoa mais indicada para corrigir os erros de Rousseff.” (…)
    .. eita nóis…
    … para perguntas-armadilhas respostas verdes para colher maduro ou para palavras loucas orelhas moucas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *