2011: o ano em que tudo começou

Voltou-se a falar em política radical. Isso não significa que devamos voltar ao socialismo real, tão fracassado quanto capitalismo real

Por Bruno Cava, do Outras Palavras e Universidade Nômade

O muro de Berlim caiu em 1989. Nos anos seguintes, o socialismo real desabou como um castelo de cartas. Colapsou em poucas semanas o império que vencera quase sozinho o Terceiro Reich e assombrara o planeta com o Sputnik. Menos do que por conspiração imperialista, pela própria incapacidade do regime socialista. As emendas de Gorbatchov haviam saído piores que o soneto. Nas décadas anteriores, os insatisfeitos atravessaram en masse a cortina de ferro. Até que um dia eram tantos os descontentes que os muros perderam a sustentação e os ditadores caíram um após o outro. A esquerda não adianta se iludir: as pessoas desertaram dos países do antigo bloco soviético. Migraram voluntariamente para o capitalismo de mercado. Diante dos blocos cinzentos de apartamentos em Tirana e Bratislava e do tédio do realismo soviético; o ocidente com suas BMW, Disneylândias, Big Macs e Michael Jackson só poderia mesmo parecer uma utopia maravilhosa.

Assim como vazaram da URSS e seus satélites, as pessoas desistiram dos partidos socialistas pelo mundo, convertidos em curiosidades anacrônicas. E foi tudo por água abaixo em 1991. Aí veio a tese do fim da história. A luta de classe acabou. Marx estava certo, mas perdeu. Não cabem mais grandes narrativas históricas. Em gabinetes e coquetéis, os capitalistas celebraram a vitória na Guerra Fria e o triunfo de seu modo de produção. Do outro lado, a ressaca das forças de esquerda. Rendida à ideologia, paulatinamente se acomodou no insosso discurso de direitos humanos, numa militância descafeinada “contra todas as formas de preconceito”. Os partidos de esquerda tucanaram a prática.

Mas por trás do fim das narrativas, se consolidou uma única grande história. Se não estamos no melhor dos mundos na política, estaríamos no menos pior. Isto é, democracias constitucionais representativas, baseadas na propriedade privada e na divisão social do trabalho, numa ordem global partilhada entre a monarquia imperial dos EUA, a aristocracia financista-empresarial e a plebe explorada.

O totalitarismo passou a ser o outro do capitalismo. Todo o século 20 achatado entre a humanidade-que-prevaleceu e a ditadura das ideologias. Constituir novos sujeitos revolucionários? Seria repetir os erros do século. Porque, não tem jeito, o poder do povo acaba usurpado pela vanguarda revolucionária e então toda a revolução se perde em nome de quem a enuncia. Não arrisquemos o pouco conquistado, vamos com calma, com reformas graduais aqui e ali, na medida do possível. A divergência aceitável passou a ser entre neoliberais e social-democratas. Os primeiros, convictos defensores da aristocracia do “mercado livre”. Os segundos, a favor de reformas graduais e pontuais, por um capitalismo mais humano ou sustentável. A palavra “revolução” passou a atestar a ingenuidade ou falta de bom senso do interlocutor. Não é pra levar a sério, em pleno raiar do século 21, quem ainda acredita em revolução, comunismo, política radical… Somente em 2001, na esteira das marchas anticapitalistas de Seattle e Gênova, o filósofo Antonio Negri e o professor Michael Hardt viriam a publicar um manifesto revolucionário à altura dos desafios, com o livro Império, perturbando o consenso.

Nessa terra arrasada que foi a década de 1990, se formou a minha não-geração. Ao som do Nirvana, Plebe Rude, Garotos Podres, Pearl Jam, fragmentada e desorientada como num filme de Quentin Tarantino, entre partidos esquerdistas falidos e a rendição cabal à classe dominante presidida por Collor e FHC; muitos afundaram no niilismo eclético do pós-tudo. Pior do que o pavor do holocausto nuclear e da AIDS dos 1980, a completa ausência de perspectiva em meio à banalidade do showbiz, ao politicamente correto reformista e ao neoliberalismo.

Kurt Cobain se matou aos 27 com um tiro na cara, enquanto Ewan MacGregor mergulhava nos esgotos lisérgicos dessa geração ausente, em Transpotting. Não poderia ser mais oportuno o gran finale, quando os Estados Unidos comeram o pão que seu governo amassou durante o século. O Centro do Comércio Mundial (WTC) estremeceu e ruiu, abatido pelo Frankenstein que ele próprio despertou e alimentou: a Al Qaeda de Osama bin Laden. Naquele 11 de setembro, um sentimento ambíguo de horror e júbilo percorreu a não-geração em todo o planeta. Ressentida, foi ao delírio sádico com as imagens hollywoodianas ao vivo, excitação mais intensa do que assistir à Tropa de Elite.

Portanto, não dá pra passar em branco a singularidade deste ano. Se a geração somente se constitui na sua luta afirmativa por uma vida menos ordinária, começamos. O século acabou em 2001, mas recomeçou em 2011. Só interessa o sujeito quando em atividade: subjetividade. A resistência já é em si um mundo, que se autovaloriza e autolegitima. Erra feio quem não enxerga os pontos de convergência, o comum de primavera árabe, Túnis e Tahrir, a onda 2.0 pela nova Europa, Itália, Grécia, Inglaterra, Espanha, entre a afirmação de direitos de indígenas e negros por toda a América do Sul, as ocupações de Wisconsin, o software livre, o Wikileaks, zapatistas, autonomistas, pós-operaístas, comunistas, hackers, anonymous e anarquistas, o movimento pela cultura digital e tantas e tantas coisas que estão rolando e só não vê quem não quer ver.  Nisso não importa a idade, porque juventude e velhice não podem ser conceitos biológicos. A grande imprensa finge que não, mas o movimento da geração é local no choque de forças, mas global na proliferação de afetos ativos, na formação de redes.

A história não acabou. A revolução não saiu da moda. Quem saiu da moda foi a ideologia dos 1990. Confrontada com os acontecimentos, não está conseguindo se sustentar. Hoje, os neoliberais têm dificuldade para socializar a crise, distribuindo as perdas. Se todos passaram a falar em “capitalismo”, é porque as coisas não vão bem para a ordem vigente. A aristocracia de mercado apenas agravou a crise. Os sábios de olhos azuis faliram de vez a economia mundial. No território dos estados-nações ricos, generalizam-se a pobreza, a violência policial, o racismo civil. 1% da população americana detém 80% da riqueza. Não há mais sinal de estado de bem-estar em boa parte da Europa, mas warfare state, fundado no controle social e na ideologia da guerra. A grande imprensa não consegue esconder o mal estar, ao mesmo tempo que novas mídias e redes sociais lhe arrancam a opinião pública. Voltou-se a falar sem pudor em política radical.  Isto não significa que devamos voltar às apostas do socialismo real, tão fracassado quanto o capitalismo real.

O esquerdismo também continua fora da moda. Porque não possui leitura do movimento generacional. Como sempre, desde o socialismo utópico e dos esquerdistas contra Lênin, se recusa a viver o seu tempo histórico. Não consegue se identificar com as lutas reais, nem sabe como funcionam. Para o esquerdismo, as resistências, marchas e novos sujeitos não seriam anticapitalistas o suficiente. Pretendem uma Antígona de negação abstrata. Curioso como os mais “revolucionários” serão os últimos a percebê-la. Talvez quando se derem conta a revolução já terá passado. Não perceberam que a contestação radical não parte contra o Sistema. Não se formula assim, não circula assim entre as pessoas e movimentos, sequer depende de uma concepção clara do que seja o Sistema. Ninguém vai se revoltar porque alguém o convenceu que um outro sistema seria mais interessante ou produtivo ou igualitário. Essa conscientização é simplória.

A geração, os jovens, os precários, os pobres, os oprimidos, os humilhados, os movimentos insurgentes e as multidões queer já lutam o tempo todo e se revoltam todos os dias. Constituem eles mesmos os horizontes da geração, suas narrativas e organizações políticas. São múltiplos focos, pautas e frentes das lutas reais que, intensificados em sinergia, aos poucos vão revolucionando, por dentro e para além, o sistema político-econômico, ou seja, a cultura de seu tempo.

Em suma, nem capitalismo real, nem socialismo real. Querem outra coisa. O quê? Vá e veja!

——————–

PS.

Outro texto deste Quadrado, a respeito: Marchas, revolta e geração

Aproveito para recomendar Marchas contra a corrupção, sendo um pouco contra, do blogue amigo Ágora com Dazibao no Meio. É uma discussão crítica da recente marcha anticorrupção em Brasília, que, a meu ver, está pegando carona no movimento generacional para reeditar o mais-do-mesmo, na forma e no conteúdo, ou seja, pretender apenas tornar o sistema dominante mais eficiente e correto, melhorá-lo, em vez de propugnar pela sua destruição.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

4 comentários para "2011: o ano em que tudo começou"

  1. Carlitos da Goméia disse:

    O capital tem um ponto fraco, visível desde a Comuna de Paris, 1917 e outras revoluções: aceita perder os anéis, para não perder os dedos. Concede. E foi assim desde o final do séc. XIX até a era Reagan/Thatcher.
    O capital só se sente intimidado com fuzis, cabeças roladas e prejuizos financeiros. As “revoluções” árabes não vão levar a lugar nenhum. Mas o crack financeiro de agora, se repetir os efeitos dos ocorridos com o de 1929, o medo do prejuizo levará o capital a fazer novas concessões, administradas não por sociais-democratas como Olaf Palme e sim pelos hipócritas de hoje.

  2. Fabio Bianchi disse:

    Gostei do texto.
    Mas tem essa questão do 11/09 que me incomoda há tempos. Por que todos aceitam como certo a versão oficial de que foi a Al Qaeda quem atacou o WTC? Na minha opinião, há evidências contrárias suficientes para que duvidemos dessa verdade.

  3. renato machado disse:

    Uma palavra é tabu para o esquerdismo e o ronda: anarquismo

  4. Leandro disse:

    ótimo texto
    Acho que o quinto parágrafo resume o lugar nenhum que foi os anos 90. As primaveras de 2011 parecem um sinal de um novo zeitgeist que passa a deixar o mundo virtual dos wikileaks, dos hackers revolucionários para ganhar as ruas.
    Mas não sei se bastará. Talvez eu tenha pré-disposição a ter amigos estanhos, mas não me sai da cabeça que o seus niilismos não são meros produtos dos seus fracassos individuais e das suas predisposições à depressão, algo maior ocorre, e atribuo ao zeigest nascido em 90 , essa falencia generalizada da crença no bem que teima em coloca-los para baixo. Almas confusas pela idade, e fatalmente perdidas pela ignorancia. São aturdidas pelo vazio do showbiz , o sucesso dos humoristas egoistas e sádicos, os discursos plásticos dos telejornais, a falta de projetos coletivos, o discurso competitivo nas escolas e universidades, os empregos idiotas, os chefes semiletrados e prepotentes e as famílias imbecilziadas.
    Espero que 2011 possa representar o início de um novo projeto. “Sem teoria não há revolução” dizem os marxistas, mas eles se esquecem que novos paradigmas demoram para nascer , a sua gestação se dá sem um claro rumo ou ordenamento intelectual , foi assim com as teorias sociais que sacudiram o capitalismo e depois se esgotaram, mas tudo tem seu fim para dar espaço ao novo. Por isso espero muito deste novo projeto o qual dá o “sinal de vida” da história que Fukuyama espancou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *