Nova política e possíveis cidades no feminino

150602-CidadesB

Oportunidade civilizatória à vista: estão surgindo condições para substituir selvas de cimento áridas, segregadas e competitivas, por espaços de afeto, compartilhamento e cuidado. Eleições espanholas sugerem caminho  

Por María Eugenia R. Palop | Tradução Inês Castilho

A morfologia de nossas cidades mudou muito nos últimos anos. Devastadas tanto pela corrupção urbanística e pela bolha imobiliária quanto pela privatização do espaço público e fragmentação social, elas se debatem entre um mundo infame de espaços vazios e a bunkerização dos novos ricos em urbanizações fechadas e “seguras”. No emaranhado cinzento de estradas em movimento, rotatórias com esculturas horrendas, hipermercados, shopping centers e população encapsulada, as grandes construtoras criaram um lugar estranho que poderíamos chamar de não-cidade. Um buraco negro que impossibilita as relações urbanas, o diálogo e a gestão cidadã, e no qual os indivíduos são fundamentalmente eleitores e consumidores (se é que esses papeis podem ser diferenciados em nossa democracia de negócios), unidos por vínculos líquidos e instáveis.

Nessas (não) cidades, o que impera é a despersonalização (porque o que não se vincula, não é, como diria meu bom amigo e poeta Angel Calle), e os mais vulneráveis estão segregados por barreiras e fronteiras arquitetônicas — que são também sexistas, classistas e racistas. As mulheres, os migrantes, as crianças, os portadores de deficiência, os idosos … aqueles que mais têm necessidade de proximidade e integração, lutam diariamente num metabolismo urbano inacessível e predatório.

Hoje, graças ao esforço de muitos, uma mudança parece possível: transformar estas cidades para sociopatas em cidades para o bem comum, cidades no feminino, e não apenas porque são em boa parte as mulheres que estão liderando as transformações, mas porque ela se apoia, fundamentalmente, na feminização das instituições. A nova política entendeu que o futuro passa por fazer comunidade, por recuperar uma narrativa comum e por fortalecer os vínculos; uma política com rosto humano que assuma nossa dependência mútua. Aí estão os bairros e distritos empoderados, no programa da coligação Agora Madri, que pode governar a capital da Espanha. Aí estão também as declarações de Manuela Carmena  ou de Ada Colau, possíveis prefeitas de Madri e Barcelona falando da necessidade de cuidar(-nos) a partir das prefeituras.

TEXTO-MEIO

Quando algumas feministas reivindicamos a feminização da instituições, estamos nos referindo a isso: a cidades acolhedoras que se organizam em torno da interdependência e do cuidado. E pensamos que são as mulheres no feminino quem pode garantir essa virada para um espaço relacional, dada sua experiência psicossocial e à aprendizagem moral que dela extraíram. O papel que as mulheres vêm desempenhando na esfera privada, familiar e doméstica fez com que as relações interpessoais fossem constitutivas de sua identidade como mulheres, e as tem ajudado tanto a enxergar os mais vulneráveis como a valorizar a importância da empatia e dos afetos. Hoje Carmena se reivindica “avó”, como Colau se reivindica “mãe”. Esta reivindicação é a de um papel social de cuidado que carrega habilidades associadas e capacidades especiais e que, naturalmente, vão além do fato biológico da maternidade (a prova é que a política conservadora Esperanza Aguirre é avó, como também é mãe Dolores de Cospedal).

Enfim, a experiência de uma autonomia negada durante séculos e o isolamento que as mulheres sofreram no âmbito privado, invisibilizado e/ou inferiorizado, é precisamente o que as capacitou a liderar essa nova radicalidade institucional baseada na preservação desses bens comuns e desses vínculos que elas se ocuparam em produzir, reproduzir e manter ao longo da história.

Não faria falta esclarecer que o interessante aqui é a feminilidade e o feminino como um fato diferencial, e que se se fala de mulheres é porque elas são as que majoritariamente o geram e o vivem, mas há também, obviamente, mulheres masculinizadas, como homens feminilizados que souberam revisar e reler sua masculinidade, e que se despojaram voluntariamente de sua virilidade violenta. Esses homens chegaram também a algumas prefeituras, apoiados pelas diferentes ondas e marés que geraram a unidade popular. São e serão parte ativa nesse processo de feminização de que tanto necessitamos.

Logicamente não avançaremos nessa direção sem recuperar o espaço público, os serviços públicos, e articular genuínas políticas sociais. Há que reverter os processos urbanísticos que fomentaram o isolamento e a exclusão, e dotar de identidade e sentido o imenso vazio da não-cidade. Há que reverter os processos de privatização a que nos vêm submetendo impunemente nesses anos; processos de despossessão e expropriação pelos quais não fomos nem de longe compensadas e dos quais não se livraram nem o ar (contaminado até o envenenamento), nem a água, nem o solo, nem sequer as fontes de energia que nos proporcionam o sol e o vento. Sabemos hoje, por exemplo, que a megalômana e endeusadíssima prefeitura de Madri entregou 4 bilhões de euros a umas poucas grandes empresas (ACS, FCC, ferrovial, Sacyr y OHL) para que controlem os serviços públicos, externalizando assim, por uma década, a gestão de bens comuns que deveriam estar nas mãos da cidadania. O resultado foi o encarecimento e a perda de qualidade dos serviços municipais, um enorme prejuízo para a comunidade em benefício do setor empresarial, assim como mais precariedade entre os trabalhadores e aumento do desemprego.

Como explica Imanol Zubero no último número da revista Papeles, a cidade não é um espaço físico apenas, nem um aglomerado de indivíduos, serviços e aparatos administrativos; a cidade é sobretudo um espaço social e relacional, um imaginário que reflete o modo como as pessoas vivem e se reconhecem. As cidades no feminino, que elegemos nas urnas, podem hoje representar um novo imaginário que gire em torno da comunidade, e no qual o medo do outro e as psicopatias sociais sejam substituídas, finalmente, por uma identidade comum mais inclusiva e mais amável. Não acham que vale a pena lutar por elas?

 

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Maria Eugenia R. Palop

Professora titular de Filosofia do Direito na Universidade Carlos III de Madri. Pesquisadora no Instituto de Estudos de Gênero e no Instituto de direitos humanos “Bartolomé de las Casas” na mesma universidade, onde dirige a Cátedra Norberto Bobbio de “Igualdade e Não discriminação”, o Grupo de Estudos Feministas e a Cátedra Unesco sobre violência e direitos humanos.

Latest posts by Maria Eugenia R. Palop (see all)