O sofisticado descolonialismo de Roberto Retamar

Poeta e ensaísta cubano faleceu no sábado (20/7). Ao analisar a luta contra o colonialismo cultural e político, foi, segundo Boaventura Santos, “um dos grandes intelectuais dos últimos 100 anos”. Outras Palavras traduz três de seus poemas

Por Boaventura de Sousa Santos

MAIS:
Leia, ao fim do breve texto de Boaventura Santos, três poemas de Roberto Fernández Retamar. O poeta e ensaísta cubano morreu no dia 20, em Havana, aos 89 anos. O ensaio Caliban, publicado pela primeira vez na revista Casa das Américas, em 1971, é considerado um clássico do pensamento latino-americano e pode ser lido (em espanhol) aqui.

Acabo de saber que Roberto Fernández Retamar morreu na tarde de ontem, dia 20 de julho. É uma perda irreparável para a cultura cubana, latino-americana e mundial. Admirei-o durante toda a minha vida profissional e fomos amigos desde que, há quinze anos, ele me convidou como jurado do Prêmio Casa das Américas. Há pouco mais de dois meses, durante a recente XIII Bienal de Arte de Havana, tive o privilégio imenso de compartilhar com meu querido companheiro Jorge Fornet, da Casa das Américas, mais de duas horas de uma conversa maravilhosa com Roberto. Falamos de tudo: de sua grande paixão, José Marti, do imperialismo, de seus tempos na Europa e nos EUA, da Revolução Cubana, do rol de intelectuais em nossos dias, de poesia e da cultura latino-americana.

Roberto foi um dos intelectuais mais brilhantes do mundo dos últimos cem anos. Digo isso sem nenhuma hesitação porque reconheci nele uma estranha qualidade dos intelectuais do último século: a capacidade de conhecer profundamente a cultura europeia sem ser eurocêntrico, de conhecer profundamente a cultura do Caliban latino-americano sem ser trivialmente descolonial. Se os séculos que os separam não criassem tanta confusão, eu diria que Roberto é um ensaísta tão notável quanto Montaigne — e só comparável a ele. E, além de ser ensaísta, era um grande poeta.

Leia dois poemas do autor:

Com as mesmas mãos
[Tradução: Rôney Rodrigues]

Com as mesmas mãos de te acariciar estou construindo uma escola.
Cheguei quase ao amanhecer, com o que pensei que seriam roupas de trabalho,
Mas os homens e os meninos que em seus trapos esperavam
Ainda me disseram senhor.
Estão em um casarão meio a ruir,
Com alguns estrados e paus: ali passam as noites
Agora em vez de dormir embaixo das pontes ou nos portais.
Um sabe ler, e o mandaram chamar quando souberam que eu tinha biblioteca.
(É alto, luminoso, e usa uma barbinha no insolente rosto mulato)
Passei pelo que será a cantina da escola, hoje só indicada por um rodapé
Sobre o qual meu amigo traça com seu dedo no ar as janelas e portas.
Atrás estavam as pedras e um grupo de meninos
As transladavam em velozes carriolas. Eu pedi uma
E me pus a aprender o trabalho elementar de homens elementares.
Logo tive minha primeira pá e tomei a água silvestre dos trabalhadores,
E, fatigado, pensei em ti, naquela vez
Em que estiveste fazendo a colheita até tua visão ficar nublada
Como agora a minha.
Que longe estávamos das coisas verdadeiras,
Amor, que longe – como um do outro!
A conversa e o almoço
Foram merecidos, e a amizade do pastor.
Até houve um casal de apaixonados
Que se ruborizava quando apontávamos, rindo
Fumando, depois do café.
Não há momento
Em que não pense em ti.
Hoje talvez mais,
E enquanto ajudo a construir essa escola
Com as mesmas mãos de te acariciar.

Con las mismas manos

Con las mismas manos de acariciarte estoy construyendo una escuela.
Llegué casi al amanecer, con las que pensé que serían ropas de trabajo,
Pero los hombres y los muchachos que en sus harapos esperaban
Todavía me dijeron señor.
Están en un caserón a medio derruir,
Con unos cuantos catres y palos: allí pasan las noches
Ahora en vez de dormir bajo los puentes o en los portales.
Uno sabe leer, y lo mandaron a buscar cuando supieron que yo tenía biblioteca.
(Es alto, luminoso, y usa una barbita en el insolente rostro mulato.)
Pasé por el que será el comedor escolar, hoy sólo señalado por una zapata
Sobre la cual mi amigo traza con su dedo en el aire ventanales y puertas.
Atrás estaban las piedras, y un grupo de muchachos
Las trasladaban en veloces carretillas. Yo pedí una
Y me eché a aprender el trabajo elemental de los hombres elementales.
Luego tuve mi primera pala y tomé el agua silvestre de los trabajadores,
Y, fatigado, pensé en ti, en aquella vez
Que estuviste recogiendo una cosecha hasta que la vista se te nublaba
Como ahora a mí.
¡Qué lejos estábamos de las cosas verdaderas,
Amor, qué lejos —como uno de otro!
La conversación y el almuerzo
Fueron merecidos, y la amistad del pastor.
Hasta hubo una pareja de enamorados
Que se ruborizaban cuando los señalábamos, riendo
Fumando, después del café.
No hay momento
En que no piense en ti.
Hoy quizá más,
Y mientras ayude a construir esta escuela
Con las mismas manos de acariciarte.

Os feios
[Tradução: Rôney Rodrigues]

Para Alejo Carpentier
A mão ou o olho imortal
Que fez o céu estrelado, esta baía,
Este restaurante, esta mesa
(E até fez o tigre de Blake),
Também fez ela, e a fez feia.
Algo nos olhos, no nariz,
Na boca um pouco pequena demais,
Ou na testa interrompida antes do tempo
Pelos cabelos de cor confusa;
Algo intransponível para sempre,
Que resiste ao batom nos lábios e ao pó,
Faz com que esta noite, junto à baía,
No restaurante El Templete,
Esta noite de suave brisa marinha
E vinho tinto e amizade,
Ela esteja sozinha em uma mesa
Olhando talvez no prato de sopa
A imagem movediça de sua cara,
De sua cara feia, que faz hesitar
A ordem de todo o universo
Até que chega um homem feio
E se senta em sua mesa.

Los feos
A Alejo Carpentier

La mano o el ojo inmortal
Que hizo el cielo estrellado, esta bahía,
Este restorán, esta mesa
(Y hasta hizo el tigre de Blake),
También la hizo a ella, y la hizo fea.
Algo en los ojos, en la nariz,
En la boca un poco demasiado pequeña,
O en la frente interrumpida antes de tiempo
Por cabellos de color confuso;
Algo insalvable para siempre,
Que resiste al creyón de labios y al polvo,
Hace que esta noche, junto a la bahía,
En el restorán El Templete,
Esta noche de suave brisa marina
Y vino tinto y amistad,
Ella esté sola en una mesa,
Mirando quizá en el plato de sopa
La imagen movediza de su cara,
De su cara de fea, que hace vacilar
El orden de todo el universo,
Hasta que llega un hombre feo
Y se sienta a su mesa.

Felizes os normais
[Tradução: Simone Paz]

A Antonia Eiriz
Felizes os normais, esses seres estranhos.
Os que não tiveram uma mãe louca, um pai bêbado, um filho delinquente, Uma casa em lugar nenhum, uma doença desconhecida,
Os que não foram calcinados por um amor fulminante,
Os que viveram os dezessete rostos do sorriso e mais um pouco,
Os cheios de sapatos, os arcanjos com chapéus,
Os satisfeitos, os gordos, os lindos,
Os rin-tin-tin e seus seguidores, os que como não, por aqui,
Os que ganham, os que são amados até o talo,
Os flautistas acompanhados por ratos,
Os vendedores e seus compradores,
Os cavaleiros ligeiramente super-humanos,
Os homens vestidos de trovões e as mulheres de relâmpagos,
Os delicados, os sensatos, os elegantes,
Os amáveis, os doces, os comestíveis e bebestíveis.
Felizes as aves, o esterco, as pedras.
Mas que deem licença aos que fazem os mundos e os sonhos,
As ilusões, as sinfonias, as palavras que nos devastam
E nos constroem, os mais loucos que suas mães, os mais bêbados
Que seus pais e mais delinquentes que seus filhos
E mais devorados por amores fulminantes.
Reservem a eles seu lugar no inferno, e basta.

Felices los normales
A Antonia Eiriz

Felices los normales, esos seres extraños.
Los que no tuvieron una madre loca, un padre borracho, un hijo [delincuente,
Una casa en ninguna parte, una enfermedad desconocida,
Los que no han sido calcinados por un amor devorante,
Los que vivieron los diecisiete rostros de la sonrisa y un poco más,
Los llenos de zapatos, los arcángeles con sombreros,
Los satisfechos, los gordos, los lindos,
Los rintintín y sus secuaces, los que cómo no, por aquí,
Los que ganan, los que son queridos hasta la empuñadura,
Los flautistas acompañados por ratones,
Los vendedores y sus compradores,
Los caballeros ligeramente sobrehumanos,
Los hombres vestidos de truenos y las mujeres de relámpagos,
Los delicados, los sensatos, los finos,
Los amables, los dulces, los comestibles y los bebestibles.
Felices las aves, el estiércol, las piedras.
Pero que den paso a los que hacen los mundos y los sueños,
Las ilusiones, las sinfonías, las palabras que nos desbaratan
Y nos construyen, los más locos que sus madres, los más borrachos
Que sus padres y más delincuentes que sus hijos
Y más devorados por amores calcinantes.
Que les dejen su sitio en el infierno, y basta.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *