A Venezuela pelos olhos de alguns jovens

Integrantes da geração que cresceu sob o bolivarianismo, analisam o longo governo de Hugo Chávez, suas conquistas, defeitos e contradições.

Por Marina Terra, no Opera Mundi

Integrantes da geração que cresceu sob o bolivarianismo, analisam o longo governo de Hugo Chávez, suas conquistas, defeitos e contradições.

Por Marina Terra, no Opera Mundi

“Uma geração de ouro”, como define em seus discursos Hugo Chávez. Mais da metade dos venezuelanos cresceu sob o comando da “revolução bolivariana”. A maioria não viveu na pele os sucessivos governos neoliberais da chamada IV República, mas foi fundamental para a reeleição do presidente, há exatamente uma semana. Agora, os militantes chavistas dessa nova geração – um total de 35% do eleitorado –, debatem quais foram as principais conquistas e falhas do processo revolucionário até agora. E como deve ser o futuro.

“É uma grande responsabilidade”, analisa Andrés Rodríguez, de 22 anos, estudante da UCV (Universidade Central da Venezuela). “Ao contrário das gerações anteriores, temos espaço político pleno. Não podemos deixar essa oportunidade passar”. Andrés lembra que tinha quase oito anos quando Chávez assumiu o primeiro mandato, em 1998, e descreve o sentimento que predominou no país. “Era um alívio generalizado. Parecia Carnaval”, conta, sorrindo.

Jonatas Campos/Opera Mundi

Sua colega Maira Albornoz (à esquerda), de 24 anos, também estudante da UCV, diz que a insatisfação naqueles anos anteriores à chegada de Chávez ao poder era enorme, atingindo até as classes médias. Nesses 14 anos “houve um despertar, em muitos sentidos. De consciência, principalmente”, explica.

Desde então, o caminho para uma maior participação da juventude na política se ampliou. Seja por meio de missões sociais voltadas à educação, como a Ribas, dedicada aos venezuelanos secundaristas, ou ao Esporte, chamada “Bairro Adentro Deportivo”, a juventude tem cada vez mais espaço.

“Houve uma primeira tentativa de política juvenil, mas muito fetichista, com alguns valores desatualizados, clichês narrativos das juventudes politizadas de décadas passadas, que não conseguem abordar com profundidade a espiritualidade atual”, critica o jornalista Diego Sequera, de 29 anos.

Para ele, porém, houve exemplos de movimentos autênticos, como o denominado “Chávez es otro beta”, que surgiu antes da eleição presidencial. “Beta” seria ser diferente, ou ser “o cara”. Na campanha, desvinculada da oficial, Chávez aparecia em murais e cartazes carregando códigos visuais da juventude, como brinco e jeans apertado, cabelo raspado, ou jogando basquete. “A campanha queria aproximar os jovens da imagem do presidente”, explicou o coletivo Miranda es Otro Beta na época.

“Ajustes”

Para Maira , o papel fundamental da juventude nesse momento é trabalhar para que o processo revolucionário seja aprimorado. “Somos um Estado burguês. Ainda estamos construindo um projeto socialista, gerando mudanças, mas há muita ‘limpeza’ a ser feita”, destaca. Maira se refere principalmente às decisões “impostas de cima”, como a escolha de candidatos às eleições regionais, feita sem prévias dentro do PSUV (Partidos Socialista Unido da Venezuela), partido do presidente.

Jonatas Campos/Opera Mundi

Andrés concorda com a amiga: “Ainda estamos construindo o socialismo, ele ainda não existe aqui. Mas vimos como muitos pilares que antes sustentavam nossa sociedade foram quebrados. Sempre nos foi negada a possibilidade de participar e tomar decisões”, contemporiza.  “Não temos a melhor democracia do mundo, mas estamos bastante avançados, principalmente com relação a países como Espanha e Portugal, atualmente passando por uma crise não só econômica, mas social. A consciência política foi uma das conquistas mais importantes dessa geração”, diz.

Diego sustenta que ainda restam elementos de conservadorismo e burocracia no atual governo, que se refletem em políticas atrasadas sobre temas fundamentais, como o da comunicação e da descriminalização das drogas. “Caímos na mesma profilaxia. Se não são criminosos, no melhor dos casos, são doentes”, diz. “Um comportamento maniqueísta, mas que não exclui grandes processos de exclusão, como alimentício e educacional.”

Educação

De acordo com o instituto de pesquisa GIS XXI (Grupo de Pesquisa Social Siglo XXI), 67,7% dos jovens qualificaram como “muito bom” ou “bom” o desempenho do presidente no último ano. O aumento do acesso à educação é a chave para compreender parte desse apoio.

Partindo da chamada educação “inicial”, de 3 a 5 anos, a mudança foi grande. Entre 1998 e 1999, 43% das crianças estavam matriculadas, enquanto entre 2010 e 2011 foram 71%, um salto de 28 pontos percentuais. No ensino médio, a porcentagem é parecida: 48% em 1998-99 e 73% em 2010-11, um aumento de 25 pontos.

Entre 1998 e 2011, a matrícula universitária cresceu 298%, tornando-se 2,4 vezes maior do que a média latino-americana. Segundo o GIS XXI, antes de 1998, entre 70% e 99% dos estudantes vinham das classes A e B e parte da C, ou 20% da população. Hoje, 15,3% vêm das classes A e B, 32,2% da C e 52,2% da D e E. “Qualquer um pode estudar na Venezuela hoje. É onde enxergamos uma sensível inclusão social”, pontua Maira.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *