O vazamento da Chevron ocultado pela mídia

Petróleo vaza no litoral brasileiro, mas os jornais minimizam o fato e reproduzem acriticamente “informações” da empresa. Porém, se fosse a Petrobras…

Por Pedro Migão, em seu blog

Me causou profunda estranheza nesta semana ter passado praticamente despercebida a notícia de um grande vazamento de petróleo ocorrido na Bacia de Campos, em campo operado pela empresa norte americana Chevron.

Tal vazamento vem ocorrendo desde quarta feira passada e, embora não pareça ser de grandes proporções, no momento em que escrevo (noite de terça) estava se começando a controlar. A empresa norte americana alega que dezoito navios foram enviados para conter o vazamento, mas não há registros factuais de tal presença.

Segundo informações fornecidas pela empresa, o poço onde ocorreu o vazamento de petróleo era de avaliação, ou seja, não era de produção contínua. Isso contribuiu para diminuir o potencial de danos da intercorrência, por se tratar de perfuração de menor vazão.

A informação oficial da empresa é de que vazaram cerca de 880 barris de petróleo, em uma mancha de óleo de 160 quilômetros quadrados. Entretanto, como bem lembra o excelente “Tijolaço” (fonte da foto de satélite que abre o post), se houver 10 mililitros de óleo por metro quadrado já se chega a 10 mil barris de óleo – ou seja, os números não batem.

Embora esta tenha sido a informação oficial da empresa à ANP (Agência Nacional do Petróleo), em matéria publicada pelo site G1 a informação é de que estariam vazando 330 barris por dia. Se multiplicar sete dias por este valor já temos 2,3 mil barris em superfície – acima do valor de 800 barris informado na mesma notícia.

Ou seja, os números não batem.

Existem duas graves suspeitas sobre este caso. A primeira é de que, para economizar, a Chevron estaria utilizando o que se chama “perfuração de batelada”: não se perfura o poço de uma vez só, utiliza-se a mesma sonda para vários poços – no caso, três – para dar andamento ao trabalho de forma concomitante.  Isso gera instabilidade no poço por manter trabalho incompleto em cada um deles, já que a perfuração é feita por etapas e para-se o trabalho para se avançar em outro poço.

A segunda é que a empresa estaria fazendo perfuração em profundidades típicas de pré-sal — até onde se sabe, sem ter tecnologia e conhecimento para tal. A exploração de petróleo é uma atividade onde o risco é inerente e a tecnologia precisa ser bem dominada para minimizar o risco ao mínimo possível.

Contudo, como escrevi na primeira frase deste post, o mais incrível é o total silêncio da chamada grande imprensa sobre o assunto. Nas grandes redes de televisão não houve menção destacada ao tema e em grandes portais da internet o destaque foi mínimo. Por exemplo, no site do jornal O Globo somente ontem o vazamento apareceu em sua página de entrada – assim mesmo para informar que já estaria controlado.

Outro ponto a se estranhar é que todo o material publicado sobre o assunto nos grandes portais e redes de informação teve como fonte a própria Chevron, através de seus releases. Não houve um único repórter a ir a campo, a fazer entrevistas e questionamentos sobre as evidentes contradições deste caso – como aponto aqui mesmo neste texto. Nada.

Não tem como não comparar ao tratamento que a Petrobras tem recebido da mesma grande imprensa, com perseguições e críticas ferrenhas – até com a publicação de matérias inverídicas sobre a companhia. Parece claro que, uma vez mais, temos o ideológico acima do jornalístico – criticar a Chevron é ruim porque a postura dos referidos órgãos é a defesa da entrega do petróleo brasileiro às empresas americanas, ou seja, pode “atrapalhar”.

Eu fico me perguntando se tal vazamento fosse em campo de petróleo da estatal brasileira. Com certeza estariam exigindo intervenção na estatal brasileira e sua imediata privatização. Daria editorial no “Jornal Nacional” e duzentos repórteres em barcos e helicópteros no local da mancha de óleo. Mas como não foi…

Para os leitores que pensam estar eu exagerando, basta lembrar da campanha ferrenha empreendida pelo principal jornal carioca à época da abertura de capital da Petrobras. Visivelmente havia por trás interesses visando à diminuição do preço das ações da petroleira.

Há cerca de um ano atrás, na verdade um pouco menos, escrevi post sobre as revelações do Wikileaks sobre o lobby que as petrolíferas americanas estavam fazendo junto a setores da imprensa e a políticos do PSDB para terem o controle do pré sal – que é a última fronteira petrolífera mundial. Parece claro que o silêncio da imprensa agora tem a ver com esta questão, haja visto o seu posicionamento anti-nacional e pró-americano de seus donos e líderes.

Finalizando, embora eu não seja jornalista me parece claro que, pelo menos nos grandes veículos, o jornalismo está subordinado a questões ideológicas, partidárias e comerciais dos veículos. E quem perde é a população.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

3 comentários para "O vazamento da Chevron ocultado pela mídia"

  1. ZENIO disse:

    Essa é a liberdade de imprensa que querem, a liberdade de “e$colher” o que é e o que não é notícia…

  2. Zorato disse:

    Isto é absolutamente revoltante. Por que diabos não se fez um estardalhaço na imprensa sobre esse desastre até agora !?
    Cadê a cobertura da “tão honesta” Veja sobre isso!? Cadê a dignidade do Brasil diante desta situação !?
    É uma vergonha total. Coisa de país atrasado, submisso!!
    Vai ver se em um país de primeiro mundo iam deixar isso passar assim!! Isso é absolutamente inaceitável!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *