Supõe. Apenas supõe

Supõe que estamos em 2012, que as pessoas estão conectadas por redes e dispositivos digitais e que essas tecnologias fortalecem a possibilidade de acelerar as relações e os processos políticos

Por Rodrigo Savazoni, em Trezentos

Supõe que estamos em 2012, que as pessoas estão conectadas por redes e dispositivos digitais e que essas tecnologias fortalecem a possibilidade de acelerar as relações e os processos políticos

Por Rodrigo Savazoni, em Trezentos

Supõe que sou um tipo nostálgico, desses que acreditam que só nos anos 60 do século passado a balada era a boa, a grama verde e o sol dourado;

Supõe que sou um tipo fascinado pelos velhos festivais, organizados colaborativamente, como rolava na Inglaterra desbundada (Ilha de Wight) ou nos Estados Unidos doidão (Woodstock);

Supõe que sou um tipo encantado com o papel do artista engajado, como Gil, Chico e Caetano, que não se recusavam a subir gratuitamente num palco para manifestar suas posições em relação ao mundo;
Supõe que sou um tipo bem de esquerda, que acredita na capacidade de construir, de baixo pra cima, processos auto-gestionados, articulados com consciência por seres que se consideram livres;

Supõe que sou um tipo espiritualista, que vislumbra no aprofundamento da consciência individual o caminho para a articulação das verdadeiras revoluções;

Supõe que sou um tipo crédulo no amor livre, na possibilidade de usar meu corpo sem inibição, e que quer conviver com outros que também sentem assim;

Supõe que sou um tipo que curte expandir a consciência, cultuar formas de acessar informações qualificadas que estão escondidas em caixas fechadas do cérebro-máquina;

Supõe que sou um tipo que não gosta de probições, que quer poder andar livremente pela cidade, que acredita que as ruas são feitas paras as pessoas se encontrarem, conviverem, dançarem e amarem;

Supõe que sou um tipo que vive numa cidade que tinha uma praça abandonada na região central e que essa praça, mesmo abandonada, virou ponto de encontro.

Supõe que essa praça, outrora abandonada, ágora reformada, foi ocupada por uma multidão e essa multidão resolveu dar a ela um outro nome;

Supõe que essa praça virou palco de jovens artistas engajados, que subiram num palco simples, no meio de uma tarde de domingo, em um festival auto-organizado, com gente de toda a cidade, para declarar que o amor está vivo, e que ele pode transformar nossas vidas individuais e os nosso projetos coletivos;

Supõe que estamos em 2012, já na segunda década do século 21, que as pessoas estão conectadas por redes e dispositivos digitais e que essas tecnologias fortalecem a possibilidade de acelerar as relações e os processos políticos;

Supõe. Apenas supõe.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *