Que a “batalha do tatu” revela sobre nossas cidades

Governos e mídia promovem entrega do espaço público a grandes empresas. Oposição institucional é débil. Novidade é que juventude despertou.

Por Marco Weissheimer, em seu blog

Governos e mídia promovem entrega do espaço público a grandes empresas, num fenômeno que vai muito além de Porto Alegre. Oposição institucional ao processo é débil. Novidade é que juventude despertou

Por Marco Weissheimer, em seu blog

Na reta final da campanha eleitoral, Porto Alegre vive uma situação paradoxal. Se, por um lado, as pesquisas dão amplo favoritismo ao atual prefeito José Fortunati (PDT), nas ruas eclodiu um movimento social formado basicamente de jovens protestando contra a privatização de espaços públicos e culturais da cidade e também contra o crescente cerceamento de espaços e tempos de lazer. Na quinta-feira à noite, quando Fortunati passeava tranquilamente pelo debate da RBS, cujo formato permitiu que ele fosse questionado uma única vez pela deputada federal Manuela D’Ávila (PCdoB) e nenhuma vez pelo deputado estadual Adão Villaverde (PT), as duas principais candidaturas da oposição, o protesto que iniciara no final da tarde em frente à prefeitura terminou em choque com a polícia no Largo Glenio Peres, na área agora sob a responsabilidade da Coca-Cola, onde estava instalado um boneco inflável do Tatu-Bola, mascote da Copa de 2014.

Para quem não vive em Porto Alegre, as referências podem ser confusas. A prefeitura de Porto Alegre repassou para a Coca-Cola a tarefa de “cuidar” do Largo Glênio Peres, uma das áreas mais tradicionais do centro da capital e espaço histórico de manifestações sociais, culturais e políticos. Em troca de algumas “obras” no Largo, como um insólito conjunto de chafarizes, cujo maior feito até agora foi alagar o comício de encerramento do candidato Villaverde, a Coca Cola está explorando publicitariamente o Largo. A iniciativa não é isolada. Outros espaços públicos da cidade estão sendo repassados pela gestão Fortunati para a iniciativa privada, como é o caso do Auditório Araújo Viana, agora sob os cuidados da produtora Opus. O ufanismo empreendedorista embalado pelas “obras da Copa” justifica a invasão privada de espaços públicos na cidade.

Na terça-feira desta semana, uma inacreditável manchete do jornal Zero Hora afirmava em tom de denúncia: “Norma que restringe altura dos prédios impede a capital de crescer na Zona Norte”. Como bem observou Cristóvão Feil, no Diário Gauche, o grupo RBS perdeu todo o pudor, reivindicando diretamente os interesses da livre especulação imobiliária selvagem em Porto Alegre. RBS que tem um braço no setor imobiliário chamado Maiojama. Nos últimos anos, boa parte dos chamados formadores de opinião dos veículos do Grupo RBS cumpre o papel de defender com denodo os interesses comerciais e econômicos estratégicos de seus patrões, silenciando sobre os atropelos de normas urbanísticas ou ambientais ou defendendo abertamente tais interesses. Não foi nada surpreendente, portanto, que surgidas as primeiras notícias sobre o confronto no largo Glênio Peres, jornalistas da RBS já denunciassem os “vândalos” que estavam destruindo o boneco do Tatu Bola. Alguns deles se apressaram a associar ao episódio à destruição do relógio dos 500 Anos, durante o governo Olívio.

Mas voltemos ao paradoxo da reta final dessa eleição. Uma das razões possíveis pelas quais Fortunati transitou com relativa tranquilidade pela campanha eleitoral foi a não tematização dos assuntos citados acima pelas principais candidaturas da oposição. Esse tema já foi abordado aqui no blog. O vazio, na política, sempre cobra seu preço. Vazio, neste caso, causado por escolhas feitas pelos principais partidos de oposição. Escolhas, aliás, que não se limitam ao processo eleitoral. A crescente privatização de espaços públicos em Porto Alegre passeia também com relativa tranquilidade pela Câmara de Vereadores, com algumas honrosas exceções no PT e no PSOL, insuficientes porém para gerar um debate público na cidade.

Diante da fragilidade política dos partidos, as ruas começam a canalizar a insatisfação que vem se acumulando há alguns meses. Aí está o paradoxo. Fortunati poderá ser eleito neste domingo com uma fraca oposição partidária, mas já com uma forte oposição social nas ruas.

Cabe um registro ainda sobre a ação da Brigada Militar no episódio. Os vídeos que circularam durante todo o dia pela rede são suficientes para expor a violência desmedida por parte dos brigadianos. Mesmo diante de eventuais excessos por parte de alguns manifestantes, não há nenhuma justificação para as cenas que se vê, incluindo agressões contra quem estava filmando o episódio (o que, aliás, não é a primeira vez que acontece). Erra o governo do Estado ao não proferir nenhuma palavra crítica à ação da Brigada que, infelizmente, parece sempre pronta a demonstrações de força equivocadas, contra quem deveria proteger. Nos últimos anos, entre outras coisas, matou um sindicalista e um sem-terra aqui no Rio Grande do Sul em função dessa truculência. As fotos de quinta à noite mostram uma barreira de viaturas e policiais para defender o Tatu-Bola dos “vândalos”.

De fato, Porto Alegre vem sendo alvo de uma onda de vandalismo. Os espaços públicos da cidade estão sendo privatizados. A especulação imobiliária avança sobre áreas públicas e de preservação ambiental. A população mais pobre está sendo empurrada cada vez mais para a periferia. A criminalização das áreas frequentadas pela juventude é crescente. O maior grupo midiático da cidade defende abertamente a subordinação do interesse público aos interesses comerciais do setor imobiliário. E as chamadas forças de segurança estão aí para defender essa agenda e seus agentes públicos e privados. Mas as ruas começam a opor resistência aos vândalos e ela pode estar só começando.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

8 comentários para "Que a “batalha do tatu” revela sobre nossas cidades"

  1. Bruno Codeman disse:

    Estão "sãopaulizando" Porto Alegre.

  2. Samuel Thomaz disse:

    Só acho estranho um protesto ás 23h, sem placas, ou quaisquer outras coisas que identifiquem como tal. Acho estranho pessoas invadindo um local cercado (com acesso restrito) e achando ruim que os policiais os tirem de lá, e a falta de bom senso de alguém filmar os policiais junto deles, no momento em que estão jogando coisas neles.
    Só acho estranho furar um boneco ao invés de ir a câmara de vereadores reclamar com quem sancionou a lei.
    Só "acho" estranho…

  3. Louis Fergon disse:

    Oa que se opõem devem mostrar alternatvas, do contrário seus argumentos são inválidos. Alternativas inclusive á truculencia. Provocar truculência também é ser truculento.

    • Lauro A L disse:

      Ah que beleza então, Louis: vamos justificar o desmedido uso da força policial com seu argumento.
      Bombas de gás, porretes e balas de borracha contra cidadãos armados com câmeras de vídeo.
      Pessoas com seu tipo de visão nem tomando porrada da polícia mudam de opinião. Não há argumentos pra você.

  4. Ademar disse:

    De um lado uns falam contra, do outro uns falam a favor, os partidos se matam, mas ninguém questiona a urna eletrônica.
    A urna é uma fraude, há varios estudos acadêmicos que provam isso, as pesquisas servem apenas para legitimar essa imensa fraude da votação eletrônica.

  5. Que tal algo do tipo: PORTO ALEGRE, NÃO TOME COCA-COLA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *