O Fórum Social Mundial a caminho de Dakar

Um encontro capaz de destacar o papel da África na construção de novas lógicas sociais?

A cinco meses de sua realização, o 10º Fórum Social Mundial (FSM) começa a tomar forma. Em 2011, o encontro voltará à África, desta vez no Senegal (o 6º FSM ocorreu em Nairóbi, Kênia). A volta permite estabelecer forte simbologia em torno de “outro mundo possível”, o slogan do FSM. Diante da capital senegaleza está a Ilha de Gorée, principal ponto de partida dos escravos africanos que ajudaram a povoar a América: um fulcro histórico de infâmia e esperanças, portanto.

Nas últimas décadas, a globalização e as desigualdades internacionais produziram, além disso, o que se chama na África de “segunda diáspora”. Seu foco principal é a Europa, um dos pólos da riqueza mundial. Há descendentes de africanos (negros ou árabes) nas principais seleções europeias de futebol, por exemplo. Em alguns países (como França e Itália), estas comunidades estão começando a se tornar socialmente ativas. Numa época marcada pela emergência das periferias, um FSM na África pode ter forte efeito simbólico e mobilizador.

Esse sonho será realidade? Algumas das marcas do próximo Fórum Social Mundial começaram a ser definidas no final de julho, num seminário aberto de trabalho realizado em Dakar. Participaram membros do Conselho Internacional do FSM e de organizações dispostas a colaborar. Houve forte presença africana (havia organizações de 19 dos 53 países do continente). Algumas questões organizativas e logísticas foram definidas: (continua)

a) O 10º FSM ocorrerá entre 6 e 11 de fevereiro de 2011. Não coincidirá, portanto, com o Fórum Econômico Mundial, de Davos.

b) O período será organizado em três etapas (no dia 6, haverá apenas a marcha de abertura).

.. 7/2 será dedicado a debates sobre a África e a Diáspora, propostos por organizações afins a estes temas.

.. Entre 8 e 9/2, ocorrerão as inúmeras ativadades decentralizadas, propostas por qualquer organização do mundo (quem propõe, também se responsabiliza pela concretização do evento)

.. 10/2 está reservado para Assembleias Temáticas. O objetivo é permitir que organizações proponentes das atividades dos dias anteriores possam articular suas reflexões e iniciativas.

.. Na manhã de 11/2, continuam as Assembleias Temáticas. À tarde, há a chamada “assembleia de assembleias”, uma fórmula tentada em Belém (9º FSM, em 2009), sem sucesso.

c) As inscrições de organizações, pessoas e atividades ainda não estão abertas. Isso deverá ocorrer em setembro, apenas. O passo prévio é uma consulta sobre os “espaços temáticos do 10º FSM. Para ter maiores informações e participar, basta clicar aqui.

d) Além do site institucional do FSM, há um outro, em construção, para o evento africano. Está em www.fsm2011.org. Lá é possível, entre outras funções, ter noções sobre hospedagem em Dakar, no período do encontro.

e) As atividades do Fórum estarão concentradas num grande espaço: a Universidade Cheik Anta Dioup, (no Maps). Serão utilizadas salas de aula, auditórios e, possivelmente, os espaços abertos. Como em Porto Alegre (2005), a ideia é realizar boa parte das atividades em tendas. A universidade abrigará ainda o Acampamento Intercontinental da Juventude.

Além de questões organizativas, o seminário de julho discutiu alguns temas políticos. A participação dos chefes de Estado se dará, preferencialmente, numa Mesa de Diálogo e Controvérsias com a sociedade civil. A intenção é evitar o clima de comício, presente em edições anteriores do FSM. Como o Senegal viverá eleições presidenciais em 2011, a realização deste propósito ainda é incerta.

O comitê organizador senegalês preocupa-se em evitar a recorrência de aspectos criticados em edições anteriores do FSM. Ao contrário do que ocorreu no Kênia, haverá esforço para que a comida e bebida servidas no local do evento sejam produtos da economia solidária, com ênfase nas culturas alimentares locais. Pretende-se implantar na universidade uma rede de fontes públicas de água limpa.

No Brasil, uma questão poderia mobilizar movimentos sociais, organizações da sociedade civil, comunicadores alternativos, pessoas que se identificam com o FSM. Como ir a Dakar. Em eventos anteriores realizados no exterior (Índia-2004, Venezuela-2006, Kênia-2007), articulações sociais conseguiram, com apoio material do Estado, assegurar uma presença importante do Brasil. Os laços entre o Brasil e a África Ocidental permitem esperar uma participação ainda mais ativa, em 2011.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

3 comentários para "O Fórum Social Mundial a caminho de Dakar"

  1. SOLON MOTA disse:

    Em Dakar,haverá grande oportunidade de discutir-se os problemas dos continentes africano e da América do Sul,com foco nos programas sociais e combate á fome e amiséria.

  2. Maria Teresa Azevedo Barreto disse:

    I was in the last forum in belem,I would like to know about costs in transportation from Brasil and hostage,Thanks,Maria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *