Extradições: as duas caras de Berlusconi

Um artigo de Luiz Sérgio Henriques, editor do site “Gramsci e o Brasil”, aponta um aspecto curioso, relacionado ao obsessivo pedido de extradição de Cesare Battisti, feito pelo governo italiano.

Henrique traz à luz uma história pouco conhecida. O mesmíssimo primeiro-ministro Sílvio Berlusconi, que alega complacência do Brasil com crimes de sangue (jamais provados, no caso de Battisti) abriga um reconhecido terrorista internacional. Trata-se do uruguaio Jorge Troccoli. Ex-capitão dos Fuzileiros Navais do Uruguai, ele envolveu-se na Operação Condor, uma ação coordenada dos serviços de repressão do Chile, Argentina, Uruguai e Brasil para eliminar oposicionistas. Participou do “desaparecimento” de homens e mulheres, vítimas da ditadura uruguaia.

Refugiou-se na Itália quando o Uruguai finalmente começou a rever a memória dos “anos de chumbo”. Sua extradição tem sido insistentemente requerida pelas autoridades de Montevideo. O governo Berlusconi resiste de todas as maneiras, alegando “dupla cidadania”. É como se o nascimento em solo italiano expiasse os crimes de assassinato…

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

2 comentários para "Extradições: as duas caras de Berlusconi"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *