Dez documentários que irão mudar suas ideias sobre alimentação

Eles debatem obesidade, uso descontrolado de agrotóxicos, crueldade com animais. E propõem encarar boa comida como parte essencial da cultura humana

Por Constantino Oliveira, no Obvious

FeaturedImage

Eles debatem obesidade, uso descontrolado de agrotóxicos, crueldade com animais. E propõem encarar boa comida como parte essencial da cultura humana 

Por Constantino Oliveira, no Obvious

Acredito que o ser humano se condiciona a determinados hábitos para facilitar a sua vida diária na sociedade. Criamos rotinas, processos e conceitos sociais para vivermos de forma harmoniosa entre nossos pares e para usufruir de um convívio pacífico e prazeroso. Muito do que fazemos são heranças atávicas de como os nossos pais nos criaram e dos valores que nos foram passados durante a nossa infância. E essa cultura e seus valores estão impregnados no nosso inconsciente, fazendo com que nos comportemos de uma ou de outra maneira. De certa forma, agimos e tomamos decisões nas nossas vidas baseados em crenças e valores das quais não temos consciência e não discernimos.

Assim, a nossa relação com a comida é também exercida, na sua maior parte, de maneira inconsciente. A mesa não é apenas um local para nos abastecer nutritivamente, mas um local de convívio importante. Um local de encontros familiares ou encontro com os amigos. Também é um local para relaxar e se desligar do trabalho, seja sozinho, com uma boa conversa, ouvindo uma música ou um noticiário, ou assistindo à televisão. Nesse sentido, a comida é um elemento agregador e de apaziguamento interno.

A comida também serve como um refúgio psicológico contra o estresse. Para algumas pessoas, quanto mais estressados e ansiosos, maior o desejo de comer. Assim, a comida funciona com uma válvula de escape para as nossas frustrações diárias.

A nossa relação atávica e social com a comida não se refere só à forma em que nós comemos, mas, principalmente, ao que comemos. Desde pequeno, ouve-se que uma criança saudável é aquela gordinha e bochechuda. Já, na mais tenra idade, o indivíduo cria estereótipos que vão se perpetuar ao longo da sua vida. Um docinho como prêmio por ter comido todo o prato, um sorvete pelo mérito de alguma conquista, um lanche em uma franquia fastfood midiática, no final de semana, para sair da monotonia doméstica. Mensagens subliminares que vão sendo incorporadas a nossa percepção sobre alimentação e sobre a nossa relação com a comida.

Dessa forma, chegamos a práticas alimentares que destoam, verdadeiramente, do que o nosso corpo está apto a receber. Somos produtos daquilo que ingerimos, seja mental ou fisicamente, portanto aquilo que lemos, assistimos, ouvimos e comemos é causa, na razão direta, daquilo que nos tornamos. Devemos analisar o tipo de alimento que estamos ingerindo e repensar, distante dos nossos atavismos e das nossas conveniências sociais, o que é melhor para o nosso corpo. Hoje, 33% das crianças brasileiras pesam mais do que deviam e, pela primeira vez, essa geração de crianças vem apresentando sintomas de doenças que só existiam anteriormente em adultos.

Longe de querer doutrinar ou propagar ideais vegetarianos ou de qualquer outra forma, penso que o dialogo, mais do que as disputas de filosofias e crenças pessoais, é extremamente relevante. Nunca fiz, nem acredito que regimes, em sua conotação estrita, funcione a longo prazo. Mas, creio que possamos melhorar nossos hábitos alimentares diários. Também entendo que não há uma “receita de bolo” para todos os indivíduos, mas acho que podemos tirar proveito da quantidade e qualidade (tem que filtrar muita coisa!) de informações que estão disponíveis nas livrarias, locadoras e na internet, e nos questionar sobre aquilo que realmente é importante para nós. Hoje, podemos agir melhor informados, diferentemente do que fomos “programados” a pensar durante a nossa vida, seja através da nossa cultura familiar, nossa cultura social, de uma cultura médica totalmente descompromissada ou das informações midiáticas da nossa indústria de alimentos. Podemos discernir melhor sobre o que é importante para uma criança e para um adulto ingerir.

Abaixo, segue a relação dos dez documentários que achei mais interessantes. Alguns desses documentários estão disponíveis nos seus próprios sites e outros se encontram facilmente no youtube ou por outros meios na internet. Boa sorte!

DOCUMENTÁRIOS

1. Muito além do Peso (Way Beyond Weight)

Pela primeira vez na história da raça humana, crianças apresentam sintomas de doenças que antes só existiam em adultos. Problemas de coração, respiração, depressão e diabetes tipo 2. Todos têm em sua base a obesidade. Esse documentário discute por que boa parte das crianças brasileiras pesam mais do que deviam. As respostas envolvem a indústria, o governo, os pais, as escolas e a publicidade. Com histórias reais e alarmantes, o filme promove uma discussão sobre a obesidade infantil no Brasil e no mundo.

2. A Carne é Fraca

Esse documentário mostra aspectos da indústria da carne de aves e gado que normalmente não são divulgados. Através de depoimentos de técnicos ambientais, médicos, pediatras e de jornalistas, ele nos possibilita entender a realidade de como e por que comemos.

3. Terráqueos (Earthlings)

Talvez, desta lista, é o documentário contém as imagens mais impactantes sobre como os animais são tratados até chegarem ao nosso prato. É um documentário sobre a absoluta dependência da humanidade em relação aos animais (para estimação, alimentação, vestuário, diversão e desenvolvimento científico).

4. Forks over Knives (Garfos ao invés de Facas)

Esse documentário talvez seja o que traga o maior número de dados substanciais para a mudança de um novo paradigma alimentar. Apesar dos avanços das tecnologias médicas, o ser humano se encontra cada dia mais doente. Cerca de 50% da população dos EUA toma, ao menos, um remédio receitado e as cirurgias de grande porte viraram rotina. Doença cardíaca, câncer e AVC são as três principais causas de morte no país, mesmo gastando-se bilhões anualmente para combatê-las. Os dados científicos mostrados nesse documentário são impactantes e instigantes.

http://www.alluc.to/documentaries/watch-forks-over-knives-2011-online/329436.html

5. Meet the Truth – Uma Verdade Mais que Inconveniente

Meat the Truth é um documentário que fala sobre o porquê tem se ignorado, repetidamente, uma das mais importantes causas da mudança climática no mundo: a pecuária intensiva. O documentário demonstra com dados estatísticos que a criação de gado gera mais emissões de gases de efeito estufa em todo o mundo que todos os carros, caminhões, trens, barcos e aviões somados. O título é uma provocação ao documentário de Al Gore e o porquê do ex-vice-presidente dos EUA não mencionar coisa alguma sobre o dano ecológico da pecuária intensiva no seu filme.

6. Food Matters (O Alimento é Importante)

Esse documentário é extremamente provocativo sobre diferentes aspectos dos nossos hábitos alimentares. Ele é contrário ao argumento da medicina moderna de que existe uma pílula para cada doença (a pill for every ill). Esse filme propõe educação e não medicação como uma forma de melhorar a vida do indivíduo.

7. Food Inc (Comida S/A)

O documentário concorreu ao Oscar em 2010. É um filme que traça muito bem o perfil sobre como são criados e abatidos os animais pela indústria de carnes, utilizando de excessos de hormônios e antibióticos. Através de entrevistas com pessoas que mudaram seus hábitos alimentares, ele também aponta possíveis soluções.

8. Planeat

O documentário fala da historia de três homens que dedicaram as suas vidas para descobertas de uma dieta alimentar que seria a mais indicada para o ser humano. Ele apresenta uma variedade de alimentos que são verdadeiramente importantes para a saúde e o meio ambiente. Esse documentário serviu de “matéria-prima” para o filme Forks over Knives.

http://planeat.tv/

9. Hungry for Change (Faminto por Mudança)

Dos mesmos diretores e produtores de “Food Matters”, esse é mais um filme que, de forma bem orquestrada, dá importantes argumentos para mudança de hábitos alimentares. Esse documentário mostra que, nós educando sobre o que se come e de onde vem a comida, nos podemos ter o controle da nossa aparência, da nossa saúde e da nossa vida.

http://www.frequency.com/video/famintos-por-mu/78882123

10. Fat, Sick & Nearly Dead (Gordo, Doente & Quase Morto)

Finalizo essa seleção com um documentário leve, mas inspirador. O documentário fala da saga de alguns personagens que, através da mudança de hábitos e da alimentação, conseguiram mudar as suas vidas e contornar doenças físicas e emocionais.

Para assistir com legenda acesse: http://www.methodus.com.br/video/105/gordo-doentequase-morto.html

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

33 comentários para "Dez documentários que irão mudar suas ideias sobre alimentação"

  1. Luana disse:

    Excelentes indicações! Já vi alguns da lista e estou ansiosa para ver os outros.
    Se me permite, acrescentaria à lista mais dois vídeos: 1) a palestra sobre carnismo, da psicóloga americana Melanie Joy (http://www.youtube.com/watch?v=7vWbV9FPo_Q), na qual trata da cultura de que consumir alimentos de origem animal é necessário, e 2) o documentário Carne Osso, nacional, (http://globotv.globo.com/globonews/globonews-documentario/v/carne-osso-mostra-a-dura-rotina-de-quem-trabalha-em-frigorificos-no-brasil/2557412/), que mostra a rotina dos funcionários de frigoríficos e outras empresas ligadas à pecuária.

  2. Valquiria Padilha disse:

    Faltou mencionar “O veneno está na mesa”

  3. Manoela disse:

    Otima lista, mas voces nao incluiram “We feed the world” (Nos alimentamos o mundo), um documentario brilhante sobre a industria alimenticia, vale muito a pena! Infelizmente nao tem inteiro no youtube, mas tem disponivel no Netflix e talvez em outras fontes…

  4. André Pinnola disse:

    Faltou o incrível King Corn.

  5. Francisco disse:

    Muitas inverdades e poucos estudos, não nego o prejuízo da pecuária ou o uso de hormônios, mas o vegetarianismo puro seria um desastre ecológico ainda maior. A maioria da poluição da agropecuária em nossas águas vem do uso excessivo de adubos na agricultura. Da mesma forma os agrotóxicos são responsáveis por ameaças ao meio ambiente como um todo.

    • Flavio Silva disse:

      Esse que é o desafio achar o equilíbrio, tecnologia sadia para alimentação já está disponível e viável. Bate de frente com as grandes corporações em todos os níveis ninguém quer. Entanto o meio mais forte e eficaz é mudar hábitos e exigir mudanças.

    • Maicous disse:

      O senhor está bastante desinformado amigo. A monoagricultura, que só existe na sua maior parte para alimentar os animais e não os humanos, é que usa adubo e agrotóxicos escessivo. Já existem muitos métodos de plantio que respeitam e convivem harmonicamente com o meio ambiente. Por favor, não justfique sua incapacidade de mudar com falsas ideias.

    • Renan Vitinho disse:

      Você só esqueceu de mencionar que a maior parte da agricultura é utilizada para alimentação do gado. Deveria estudar mais.

    • Tem algo para indicar para leitura sobre isso?

  6. Luiz disse:

    já assisti alguns destes filmes, principalmente ” a carne é fraca” é muito exagerado e sensacionalista. Fazem uma coleta de cenas chocantes que não são a rotina e a realidade dos abatedouros e criadouros. Existem praticas com abate humanitário e de bem-estar nas criações que estão cada vez mais difundidas e comuns.

  7. Isaura Ferreira disse:

    Já assisti alguns desses “documentários” que muita das vezes são sensacionalistas em relação a produção e abate de animais para consumo.Todo alimento em excesso faz mal. O que temos a fazer é equilibrar o que ingerimos e o que gastamos , como atividade fisíca por exemplo. Sabemos que para a produção de produtos orgãnicos,não é somente o uso de drogas veterinárias e agrotóxicos que faz a diferença.Se nós humanos fossemos criados para o vegetarianimso, nossa dentição e aparelho digestivo deveria ser igual ao dos cavalos ou coelhos (uma parte do intestino como câmara fermentativa) e não como é hoje, também teríamos que suplementar com aminoácidos essencia is. Um pratao chei para a indústria farmacêutica.

    • Maicous disse:

      Te desafio a buscar mais informações. Procure por pessoas que nasceram e são vegetarianas até hoje, como eu por exemplo.
      http://www.youtube.com/watch?v=8bH-doHSY_o

    • Desculpe querida, mas somos bem mais parecidos biologicamente com um cavalo do que um leao… Sou vegetariano a mais de 6 anos, fix exames gerais, inclusive do complexo b12 minerais etc e esta td acima da media, nunca fiz complementação, só boa alimentação.. conheço muita gente que tem anemia e come carne pra caramba, alem das crianças hj em dia, que estão com diabetes, pressão alta etcc… te informa :p

  8. luiz donizetti disse:

    sou carnívoro, os humanos em sua primícia, era somente carnívoro, mas já inventaram os garfos, as facas, e descobriram o fogo e como se prepara um bom biff, já tentaram deixar um repolho em descanso por tres ou quatro dias fora da refrigeração? ou uma batata inglesa apodrecer? os dois além de fazer o mesmo papel de deteriorar uma bacia de plástico, nos fazem multo mal em flatulência e diarreia

  9. Quase todos esses documentários podem ser vistos em: http://docverdade.blogspot.com.br/search/label/sa%C3%BAde
    E outros mais.

  10. Prezados,
    O link oficial para o filme “Muito Além do Peso” é:
    http://www.youtube.com/watch?v=8UGe5GiHCT4

  11. daniguerreiro disse:

    Faltou FÓRMULA FIX sobre a indústria do leite em pó para bebês
    http://youtu.be/YQU43TdLYrE

  12. Silva mendes disse:

    Pagina bem bacana, achei um documentario muito bom pelo google, vale apena dar uma olhada, o link esta aqui http://www.vulpesdocumentarios.com/sub_conteudos.php?view=todos&id=31

  13. Lucas disse:

    Sugiro também um documentário bem interessante sobre a real necessidade biológica de consumo de produtos lácteos.
    “Got the facts on Milk? The Milk Documentary”

  14. rox disse:

    Os comentários dos que querem justificar essa bendita industria de produtos processados não entendem que, muitos aqui só querem que as verduras e legumes e a carne tenha procedência saudável. Eu não sou obrigada a consumir um produto estragado em sua origem porque essas empresas tem poder econômico e político. Pelo amor de Deus, ou do que vocês acreditam que é certo, sensacionalismo é querer desmentir a morte de pessoas por infecção por carne de procedência obscura, o aumento absurdo de doenças ligadas a alimentação… e o pior querer colocar a culpa somente no consumidor… especialmente o pobre que tem um conflito recorrente entre ter de escolher o produto saudável e o produto processado (rico em sal, açúcar e gordura) barato (por ser subsidiado pelo governo manipulado)… Não, não é possível que tenha gente que veja essa realidade e se faça de cego.

  15. Alissa disse:

    Gostaria de acrescentar um filme interessante “Bugs” ( http://filmesonline.video/1246-bugs-2015.html ) 🙂

  16. Lore disse:

    Faltou o FED UP.. documentário incrível e esclarecedor sobre a influência da indústria alimentícia na saúde das crianças.

  17. Faltou também o documentário americano “Cowspiricy”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *