Afeganistão: o fracasso dos EUA em sua guerra mais longa

Depois de matar e mutilar mais 100 mil, em 19 anos, Washington busca a paz com poucos trunfos. Torrou quase US$ 2 trilhões, sem nada conseguir. Talibã domina o país. Mesmo uma saída honrosa parece cada vez mais inatingível

Por Mike Ludwig, no Truthout, traduzido pela Carta Maior

Os Estados Unidos invadiram o Afeganistão há 19 anos hoje (7/10), desencadeando a guerra mais longa do país, que custou dezenas de milhares de vidas e cerca de US$ 2 trilhões aos EUA. Ao mesmo tempo em que os EUA originalmente expulsaram o Talibã como parte de uma campanha antiterrorismo mais ampla, o Talibã e outros militantes travaram uma insurgência sangrenta, e possivelmente bem-sucedida, por quase duas décadas. Apesar de bilhões de dólares em ajuda dos EUA e anos de operações de construção de estado e contraterrorismo, obscurecidos por desvios de missão e desinformação do governo, os afegãos continuam a sofrer uma sangrenta guerra civil, mesmo enquanto o Talibã se reúne, no Catar, com o governo apoiado pelo Ocidente para negociações históricas de paz .

Ataques aéreos e bombardeios mortais pontuaram as frágeis e lentas negociações de paz desde o início em meados de setembro, após meses de atraso. Na segunda-feira, um homem-bomba teve como alvo o comboio do governador da província de Laghman no Afeganistão, matando oito pessoas e ferindo dezenas de outras, incluindo civis e crianças. Ninguém assumiu imediatamente a responsabilidade pelo ataque, mas militantes do Talibã e do Estado Islâmico estão ativos na área, de acordo com a Associated Press.

As tropas dos EUA permanecem no Afeganistão e sua presença prolongada aponta para a realidade mais ampla do intervencionismo, militarismo e ocupação dos EUA em todo o mundo.

“Embora as pessoas neste país não sintam os efeitos físicos diretos dessas guerras, cada bomba lançada representa milhões de dólares a menos para nossas escolas, saúde, moradia acessível, transporte público, infraestrutura física e uma miríade de outros serviços sociais desesperadamente necessários em uma época de pandemia e recessão econômica severas”, diz um comunicado divulgado na terça-feira pelo Chicago Committee Against War and Racism (Comitê de Chicago contra a Guerra e o Racismo).

Enquanto isso, 19 anos de ocupação dos EUA claramente não derrubaram o Talibã. Vanda Felbab-Brown, pesquisadora sênior de política externa da Brookings Institution, que estuda o conflito afegão, diz que o Talibã continua forte politicamente e no campo de batalha. A expectativa é que o Talibã use sua capacidade de violência como alavanca na mesa de negociações, apesar de um acordo de paz com o governo Trump e dos apelos internacionais por um cessar-fogo.

“A guerra no Afeganistão não está paralisada, o Talibã está vencendo lenta mas seguramente”, disse Felbab-Brown em uma entrevista. “O grupo está em ascendência, está constantemente tomando partes do território do governo, com capacidade de criar todo tipo de insegurança.”

As baixas de civis atingiram o pico anos após a invasão dos EUA, com mais de 10.000 civis mortos ou feridos a cada ano desde 2013, incluindo centenas mortos em ataques aéreos dos EUA. As Nações Unidas estimam que mais de 100.000 civis foram mutilados ou mortos desde 2010.

Analistas dizem que o governo afegão, apoiado pelos EUA, continua desorganizado, corrupto e incapaz de controlar grande parte do interior do país, onde o Talibã controla grandes extensões de território. A economia do país agora depende amplamente da ajuda internacional e dos EUA. Funcionários do governo afegão e suas forças de segurança, treinados e fortemente financiados pelos EUA para afastar terroristas e manter a estabilidade, continuam sofrendo constantes ataques e lutando para manter o território e defender centros populacionais, de acordo com o Conselho de Relações Exteriores.

Embora as forças dos EUA não tenham sofrido baixas desde a assinatura de um polêmico acordo de paz com o Talibã em fevereiro, mais de 2.400 soldados americanos perderam a vida durante a guerra no país. Ainda que o presidente Trump tenha anunciado o acordo como uma virada histórica na guerra, alguns críticos dizem que o governo falhou em exigir concessões suficientes do Talibã, ao passo que Trump perseguia seu objetivo político de retirar as tropas norte-americanas, colocando os direitos das mulheres e das minorias étnicas em perigo. Embora a violência tenha diminuído por algumas semanas depois que o acordo foi finalizado, os combates entre o Talibã e as forças de segurança afegãs eclodiram logo depois, causando um aumento alarmante de vítimas civis.

Sob o acordo EUA-Talibã, os EUA concordaram com um cronograma para a retirada das tropas este ano e uma retirada completa no próximo verão. As pesquisas mostram amplo apoio público bipartidário ao fim do envolvimento dos Estados Unidos no conflito após anos de guerra, e Trump supostamente queria retirar todas as tropas antes das eleições de novembro, promovendo sua imagem desejada como presidente antiguerra (apesar de suas posições agressivas em relação ao Irã e outros países). No mês passado, o Departamento de Defesa anunciou que espera haver menos de 5.000 soldados americanos no Afeganistão até o final de novembro.

O Talibã concordou em entrar em negociações de paz com o governo afegão e tomar medidas para impedir que o país se torne um terreno fértil para grupos militantes que poderiam atacar os EUA, incluindo a Al-Qaeda, o alvo da ofensiva original dos EUA após os ataques de 11 de setembro. No entanto, relatos sugerem que o Talibã manteve laços estreitos com a Al-Qaeda, apesar de suas garantias ao governo Trump.

Embora o acordo EUA-Talibã tenha definido o cenário para as atuais negociações de paz entre o Talibã e Cabul, acabar com a ocupação dos EUA é um dos principais objetivos do Talibã, e o esforço de Trump para cumprir sua promessa de campanha de retirar as forças dos EUA coloca os ex-governantes do Afeganistão um passo à frente na mesa de negociações. O Talibã deixou claro que não concordará com um cessar-fogo até que ambas as partes concordem com um “sistema islâmico” de governo, garantindo ao Talibã um papel importante, senão dominante, no futuro do país. Muitos no governo afegão temem perder o apoio militar dos EUA e ceder poder ao Talibã, dada a forma como os EUA se instalaram como uma parte aparentemente necessária da precária infraestrutura governamental do país. Mas com os EUA de olho na saída, um acordo de divisão de poder é provavelmente o único caminho para a paz.

“[O Talibã] entende que é mais forte na mesa de negociações quando é mais forte no campo de batalha”, disse Felbab-Brown, acrescentando que o Talibã continua a degradar efetivamente as forças de segurança afegãs com ataques. “Então, eles vão pedir muito da mesa, e certamente vão pedir mudanças profundas no regime político do país”.

Embora analistas e interlocutores internacionais afirmem que as negociações são a melhor chance que o país tem de estabelecer a paz em décadas, Felbab-Brown e outros não esperam que a guerra civil acabe tão cedo, mesmo que as forças norte-americanas se retirem completamente.

“As chances de que as negociações resultem em um acordo de paz são mínimas, as chances são maiores de que as negociações sejam interrompidas ou, para ser mais precisa, que as negociações continuem com recomeços e paradas… nos próximos anos, à medida que a guerra civil se intensificar”, Felbab-Brown disse.

Anthony H. Cordesman, presidente de estratégia, da cátedra Arleigh A. Burke, do Center for Strategic and International Studies (Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais), disse que a situação atual no local – onde o Talibã e Cabul estão competindo abertamente por território – torna difícil a construção de uma estrutura para a paz.

“Veja esses relatos de quem controla o território e quem está lutando por ele – tende a ser distrito por distrito e, em muitos casos, o governo controla o principal centro populacional, a capital do distrito, e o Talibã controla o campo”, disse Cordesman em uma entrevista. “Como você distribui poder e autoridade em um novo governo?”

Enquanto alguns observadores esperam que o Talibã aceite mudanças na constituição afegã, Felbab-Brown é cética devido à ideologia religiosa e altamente autoritária do grupo. O melhor cenário que Felbab-Brown pode imaginar é um sistema parecido com o do Irã, com um conselho supremo de líderes religiosos chefiando o governo com alguns funcionários eleitos operando abaixo deles. No mínimo, disse ela, o Talibã espera desempenhar um papel dominante no governo afegão, como fazia antes da invasão dos EUA.

A perspectiva de um Talibã com poder apavora os afegãos educados e grupos de direitos das mulheres, que já estão se organizando por meio da sociedade civil para influenciar as negociações de paz. Há um impulso internacional para incluir minorias étnicas e mulheres, especialmente nas negociações, mas Cabul tem apenas quatro mulheres em sua equipe de negociação de 21 membros. O Talibã não tem nenhuma. Antes das negociações, aumentaram os ataques mortais a ativistas de direitos humanos e mulheres que serviam no governo afegão.

“Minha expectativa é que o Talibã queira um papel forte ou dominante no governo afegão e estará muito inclinado a tornar este espaço muito mais autoritário, muito mais religioso e muito mais repressor para os atores da sociedade civil e dos direitos das mulheres”, disse Felbab-Brown .

Embora os EUA apontem para um maior acesso à educação para as mulheres desde a derrubada do Talibã, Cordesman disse que os dados oficiais do governo dos EUA, sobre crianças que frequentam a escola, são provavelmente exagerados. Com as negociações de paz paralisadas em seus estágios iniciais, os afegãos urbanos e educados estão lutando com a realidade de que o preço da paz pode ser viver sob as duras regras do Talibã mais uma vez. No entanto, grande parte do país viveu sob essas regras o tempo todo: estima-se que 76 por cento das mulheres afegãs vivam em áreas controladas pelo Talibã e no interior conservador, onde pouco mudou desde a invasão, de acordo com Felbab-Brown. Para eles, a paz significaria pelo menos o fim das lutas sangrentas que ceifam a vida de irmãos, filhos e maridos em quem elas são forçados a confiar para sobreviver devido aos rígidos códigos patriarcais.

O que os EUA conquistaram para o povo afegão durante 19 anos de guerra e ocupação, se é que algo foi conquistado, permanece em questão, mas a quantidade de derramamento de sangue é inegável. No aniversário da guerra afegã, ativistas em todos os Estados Unidos clamarão pelo fim do massivo alcance e intervencionismo global das Forças Armadas dos Estados Unidos, e pela realocação dos enormes gastos de guerra do país para atender às necessidades das pessoas em casa. Atualmente, o exército dos EUA tem cerca de 800 bases em dezenas de países em todo o mundo e está envolvido em uma série de conflitos e guerras por procuração no Norte da África e no Oriente Médio. Durante esta época de dificuldades econômicas, os ativista estão chamando a atenção para a maneira como a guerra e o militarismo sugam dinheiro que poderia financiar prioridades de afirmação da vida, como saúde, habitação e educação.

“Com metade do orçamento federal discricionário indo para os militares dos EUA, e muito do resto destinado a subsidiar os que já são ricos, não é de se admirar que só haja migalhas para o resto de nós”, diz a declaração de o Comitê de Chicago contra a Guerra e o Racismo.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: