Adeus ao Ning

Outras Palavras prepara uma rede social construída coletivamente, usando software livre e sistema WordPress

Desde 2009, a revista virtual e o blog Outras Palavras mantinham também, em caráter experimental, uma rede social eletrônica, construída em plataforma Ning. Acessível em outraspalavras.ning.com, ela reuniu 195 membros. Será encerrada nas próximas horas e substituída em breve por outra, 100% software livre.

É uma pena deixar o Ning. Potente, cheio de recursos, muito facilmente configurável, ele era utilizado, até há alguns meses, por centenas de milhares de redes sociais. No Brasil, servem-se dela, por exemplo, o Portal Luís Nassif e o Louco por Ti Corinthians, com quase 100 mim membros. Há alguns meses, porém, o Ning anunciou que enfrenta dificuldades financeiras e decidiu, para tentar resolvê-las, cobrar pelo uso da plataforma. Outras Palavras publicou post a respeito.

Numa sociedade em que a vida precisa ser comprada, é natural que qualquer produtor — indivíduo ou empresa — procure vender seus serviços. Mas a forma de proceder do Ning é drástica: nenhum dos planos oferecidos é gratuito; os que atendem a redes mais ou menos numerosas não são baratos. Em nosso caso, deveríamos pagar entre R$ 35 e R$ 80 mensais.

Decidimos não optar por nenhum dos planos oferecidos pela empresa. Preferimos, ao invés disso, iniciar o desenvolvimento de uma rede em sistema WordPress-BuddyPress. Ela será construída em oficinas de trabalho, pelos participantes do seminário “Mídias Livres na era digital”, que Outras Palavras promove em São Paulo (com transmissão direta via internet, todas as quintas-feiras). As oficinas ocorrerão em nossa sede (Rua Augusta, 1239, sala 11), às quartas-feiras, a partir das 18h. O desenvolvedor Ronaldo Richieri oferecerá apoio.

A rede será, provavelmente, desativada pelo Ning. A construção da nova exigirá algum tempo: como publicador de sites e blogs, o WordPress é esplêndido; como ferramenta para redes sociais, ainda precisa ser desenvolvido. Seremos parte do esforço colaborativo necessário para torná-lo excelente.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *