A economia limpa é de fato um luxo perdulário?

Relatório apresenta estudos – e um roteiro – para países poluidores atingirem 100% de energia renovável até 2050. Números demonstram: esforço de US$ 73 tri retornaria em sete anos — com 28,6 milhões de novas ocupações. Vale conferir as contas

Por José Eustáquio Diniz Alves, no EcoDebate

O mundo vive uma emergência climática. O aumento das emissões de gases de efeito estufa (GEE) – derivados da queima de combustíveis fósseis – tem acelerado o aquecimento global, com consequências devastadoras sobre as condições de vida humanas e não humanas na Terra.

Para evitar aumentos catastróficos na temperatura – que poderiam desencadear uma espiral de mortes – o mundo precisa reduzir pela metade as emissões de GEE até 2030 e zerar as emissões até 2030, conforme o estabelecido no Acordo de Paris de 2015.

Artigo de Mark Jacobson et. al., publicado na revista One Earth (20/12/2019) calcula que um esforço global para fazer a transição para 100% de energia renovável até 2050 custaria US$ 73 trilhões, mas as despesas se pagariam em menos de sete anos. O estudo dos pesquisadores da Universidade de Stanford também estimou que a mudança para uma economia global de carbono zero criaria 28,6 milhões a mais de empregos em tempo integral do que se as nações continuassem sua atual dependência de combustíveis fósseis.

+ Em meio à crise civilizatória e à ameaça da extrema-direita, OUTRAS PALAVRAS sustenta que o pós-capitalismo é possível. Queremos sugerir alternativas ainda mais intensamente. Para isso, precisamos de recursos: a partir de 15 reais por mês você pode fazer parte de nossa rede. Veja como participar >>>

O relatório apresenta roteiros detalhados para 143 países – que englobam 99,7% de todas as emissões de GEE – e como poderiam fazer a transição com sucesso para 100% de energia renovável até 2050. O estudo é uma continuação de uma publicação de 2015, da mesma equipe de pesquisadores, que gerou planos para os Estados Unidos e que ajudaram a estabelecer as bases para o Green New Deal proposto pelo Partido Democrata.

O plano leva em consideração esforços para maior eficiência energética e eletrificação de todos os setores de energia, incluindo transporte, edifícios, aquecimento e refrigeração, processos industriais, agricultura, silvicultura, pesca e forças armadas. Também considera tecnicamente e logisticamente viável que os países obtenham 80% de suas necessidades energética de energia eólica, hidrelétrica e solar até 2030 e 100% até 2050. A análise exclui energia nuclear, biocombustíveis e carvão limpo.

A nova infraestrutura de energia renovável exigiria apenas 0,17% da área total dos 143 países, bem como 0,48% da área para “fins de espaçamento”, como a área entre turbinas, de acordo a figura acima. Portanto, a revolução renovável exige pouco espaço e pode ser feita até no deserto.

Nos EUA, atingir 100% de energia renovável até 2050 exigirá um investimento de US$ 7,8 trilhões. Isso envolveria a construção de 288.000 novas turbinas eólicas de 5 megawatts (MW) e 16.000 fazendas solares de 100 MW em 1,08% das terras dos EUA (85% dessas terras serão usadas para fins de espaçamento e podem servir a outras funções, como terras agrícolas).

Outros efeitos benéficos reduziria os custos com saúde entre US$ 700 bilhões e US$ 3,1 trilhões por ano. O estudo reforça a conclusão de que não há realmente nenhuma desvantagem em fazer essa transição energética. De fato existem recursos econômicos e tecnológicos para construir um mundo 100% renovável.

O relatório de 2019 do Instituto Internacional para a Investigação da Paz de Estocolmo (SIPRI) mostra que os gastos militares no mundo, em 2018, foram de US$ 1,82 trilhões. Assim, em vez de gastar em despesas militares (que não dão retorno social e ainda poluem o meio ambiente), os governos poderiam salvar o Planeta investindo em energias mais limpas e que dão retorno para toda a sociedade e a ecologia.

A transição enérgica (das fontes poluidoras para as fontes mais limpas) criaria 3,1 milhões de empregos a mais do que se os EUA continuassem em uma trajetória usual de negócios e salvaria 63 mil vidas em decorrência da poluição do ar a cada ano. O plano de descarbonização também reduziria os custos de energia em US$ 1,3 trilhão por ano, porque a energia renovável é mais barata de gerar ao longo do tempo do que os combustíveis fósseis.

Desta forma, a publicação da revista One Earth é realmente oportuna, pois a mudança da matriz energética é uma condição necessária para evitar um apocalipse climático e ambiental. Porém, a transição energética não é suficiente para resolver os problemas ecológicos do Antropoceno. O fim do predomínio dos combustíveis fósseis é também fundamental para democratizar o uso e a produção de energia.

Sem dúvida, o Planeta precisa de energia renovável para descarbonizar a economia e mitigar o aquecimento global, mas também para renovar as estruturas do poder econômico e político que se encontra nas mãos de uma elite social que se assenta numa hierarquia privilegiada, excludente, não renovável e fóssil.

Segundo Gail Tverberg (2014), no artigo: “Ten Reasons Intermittent Renewables (Wind and Solar PV) are a Problem”, há dez problemas que dificultam a superação dos combustíveis fósseis e a mudança da matriz energética mundial para fontes renováveis. Artigo de Kris De Decker (14/09/2017) mostra as dificuldades para manter a economia mundial funcionando apenas com base na energia renovável. Estes alertas mostram que o mundo precisa ir além da transição energética.

O sol e o vento são recursos naturais abundantes e renováveis, mas, certamente, não podem fazer milagres e nem evitar o imperativo do metabolismo entrópico, como ensina a escola da economia ecológica. A humanidade já ultrapassou a capacidade de carga do Planeta. Como alertou o ambientalista Ted Trainer (2007), as energias renováveis não são suficientes para manter a expectativa das pessoas por um alto padrão de consumo conspícuo. Trainer prega um mundo mais frugal, com decrescimento demoeconômico, onde as pessoas adotem um estilo de vida com base nos princípios da Simplicidade Voluntária.

Assim, precisamos superar a ideia do crescimento populacional e econômico contínuo e combater o estilo de desenvolvimento consumista que tem colocado tantas pressões sobre o meio ambiente e a biodiversidade. A transição energética é um primeiro passo. Mas precisamos ir adiante. A construção de uma civilização ecológica, com regeneração dos ecossistemas, é a alternativa essencial para evitar um colapso ambiental.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: