Pazuello absolvido

Em tempo recorde, Ministério Público Militar decidiu absolver o ex-ministro por participar de atos políticos, vetados pelo estatuto do Exército. Sequer houve investigação – o que não é raro em casos que envolvem outros militares de alta patente

Foto: Reprodução / Facebook

Por Leila Salim

Esta nota faz parte da nossa newsletter do dia 26 de agosto. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Em tempo recorde, o Ministério Público Militar (MPM) concluiu pela absolvição do general da ativa e ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e também do tenente-brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Junior, comandante da Aeronáutica, quanto à participação em atos políticos ao lado de Bolsonaro neste ano. Segundo o MPM, as ações não constituíram crimes militares. 

As denúncias, segundo contou a Folha, foram recebidas pela Ouvidoria do MPM e convertidas em notícias de fato, procedimento comumente adotado no Ministério Público. A responsabilidade por analisar acusações, investigar e denunciar oficiais-generais suspeitos de crimes militares é do procurador-geral de Justiça Militar, Antônio Pereira Duarte. No entanto, no caso de Pazuello e Baptista Júnior, o procedimento sequer se desdobrou em investigação, seguindo o caminho de vários outros do mesmo tipo envolvendo militares de alta patente, e sendo logo de cara arquivado. Segundo o jornal, nos últimos dois anos e meio, foram 65 os procedimentos que tiveram esse fim. Uma média de dois por mês.

Esta nota faz parte da nossa newsletter do dia 26 de agosto. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos